Unidade de vizinhança: um estudo de caso das transformações de uma ideia urbanística

Renato Leão Rego

Resumo


Este artigo trata da repercussão da ideia norte-americana de unidade de vizinhança em três projetos de cidades novas no Brasil: Goiânia, a nova capital de Goiás planejada em 1933 e reformulada em 1937; Brasília, cujo plano-piloto foi selecionado em concurso ocorrido em 1957; e Rurópolis, uma das cidades novas planejadas e construídas ao longo da rodovia Transamazônica no começo dos anos 1970. Em contextos diferentes, distintos profissionais brasileiros recorreram à configuração de pequenas comunidades residenciais agrupadas em torno da escola, em meio a extensas áreas livres, apartadas dos automóveis e com vegetação abundante, como forma moderna de constituir células urbanas e estimular o espírito comunitário. Entretanto, ao analisar a conformação da unidade de vizinhança nos três casos estudados e relatar sua construção, ocupação e uso, este artigo aponta transformações na ideia original, resultantes de incompreensão, discordância ou rejeição por parte da população a certo modo de vida preestabelecido, apontando a utopia do urbanismo moderno e o problema das formas urbanas ideais.

Palavras-chave


Circulação de ideias; Urbanismo moderno; Goiânia; Rurópolis; Brasília

Texto completo:

PDF

Referências


Bacelli, R. (1982). Jardim América. São Paulo: Prefeitura do Município de São Paulo. [ Links ]

Braga, A. M. C. (2011). (Im)possíveis Brasílias: os projetos apresentados no concurso do plano piloto da nova capital federal. São Paulo: Alameda. [ Links ]

Braga, M. (2010). O concurso de Brasília. São Paulo: Cosac Naify. [ Links ]

Brody, J. (2013). The neighborhood unit concept and the shaping of American land planning 1912 1968. Journal of Urban Design, 18(3), 340-362. [ Links ]

Camargo, J. G. C. (1973). Urbanismo rural. Brasília: Ministério da Agricultura/INCRA. [ Links ]

Costa, L. (1995). ‘Ingredientes’ da concepção urbanística de Brasília. In L. Costa. Registro de uma vivência (p. 282). São Paulo: Empresa das Artes. [ Links ]

Costa, M. E. (2012). A superquadra em números e contexto. In A. Xavier, & J. Katinsky (Orgs.), Brasília - antologia crítica (p. 247-254). São Paulo: Cosac Naify. [ Links ]

Ferreira, M. M., & Gorovitz, M. (2008). A invenção da superquadra. Brasília: IPHAN. [ Links ]

Fishman, R. (1977). Urban utopias in twentieth century. New York: Basic Books. [ Links ]

Frampton, K. (2012). O destino de Brasília. In A. Xavier, & J. Katinsky (Orgs.), Brasília – antologia crítica (p. 434-441). São Paulo: Cosac Naify. [ Links ]

Godoy, A. A. (1943). A Cidade-Jardim (1931). In A. A. Godoy. A Urbs e os Seus Problemas (p. 135-140). Rio de Janeiro: Jornal do Comércio. [ Links ]

Google Maps. (2016). Recuperado em 27 de maio de 2016, de http://www.google.com.br/maps [ Links ]

Gorovitz, M. (2012). Brasília – sobre as áreas de vizinhança. In A. Xavier, & J. Katinsky (Orgs.), Brasília - antologia crítica (p. 254-266). São Paulo: Cosac Naify. [ Links ]

Graeff, E. A. (1985). Goiânia, 50 anos. Brasília: MEC-SESU. [ Links ]

Graeff, E. A. (2012). Unidade de vizinhança. In A. Xavier, & J. Katinsky (Orgs.), Brasília - antologia crítica (p. 242-247). São Paulo: Cosac Naify. [ Links ]

Hall, P. (1988). Cidades do amanhã. São Paulo: Perspectiva. [ Links ]

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. (2015). Cidades. Rio de de Janeiro: IBGE. Recuperado em 27 de maio de 2016, de http://cidades.ibge.gov.br/xtras/home.php?lang [ Links ]

Le Corbusier. (1993). A Carta de Atenas. São Paulo: Hucitec. [ Links ]

Leme, M. C. S. (1995). Urbanismo no Brasil 1895-1965. Salvador: UFBA. [ Links ]

Manso, C. F. A. (2001). Goiânia: uma concepção urbana, moderna e contemporânea – um certo olhar. Goiânia: Edição do autor. [ Links ]

Miller, M. (2002). Garden cities and suburbs: at home and abroad. Journal of Planning History, 1(1), 6-28. http://dx.doi.org/10.1177/153851320200100102. [ Links ]

Mumford, E. (2000). The CIAM discourse on urbanism, 1928-1960. Cambridge: The MIT Press. [ Links ]

Mumford, L. (2004). A cidade na história: suas origens, transformações e perspectivas. São Paulo: Martins Fontes. [ Links ]

Patricios, N. N. (2002). Urban design principles of the original neighbourhood concepts. Urban Morphology, 6(1), 21-32. [ Links ]

Paula, Z. C. (2008). A Cidade e os Jardins. Jardim América, de Projeto Urbano a Monumento Patrimonial - 1915-1986. São Paulo: UNESP. [ Links ]

Perry, C. (1974). The neighbourhood unit: a scheme of arrangement for the family-life community. In The regional plan of New York and its environs (vol. 7). Nova York: Arno Press. [ Links ]

Pessôa, J. (2012). O tombamento de centro histórico moderno. In A. Xavier, & J. Katinsky (Orgs.), Brasília - antologia crítica (p. 298-305). São Paulo: Cosac Naify. [ Links ]

Pires, J. R. (2009). Goiânia – Cidade Pré-moderna do Cerrado 1922-1938. Goiânia: PUC. [ Links ]

Puntoni, A., Pirondi, C., Latorraca, G. & Artigas. R. C. (Eds.). Vilanova Artigas: arquitetos brasileiros (1997). São Paulo: Instituto Lina Bo.e P. M. Bardi, Fundação Vilanova Artigas. [ Links ]

Rego, R. L. (2014). Brazilian garden cities and suburbs: accommodating urban modernity and foreign ideals. Journal of Planning History, 13(4), 276-295. http://dx.doi.org/10.1177/1538513214521582. [ Links ]

Rego, R. L. (2015). A integração cidade-campo como esquema de colonização e criação de cidades novas: do norte paranaense à Amazônia Legal. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, 17(1), 89-103. http://dx.doi.org/10.22296/2317-1529.2015v17n1p89. [ Links ]

Rego, R. L. (2016). Comunidades planejadas na Amazônia: o Urbanismo Rural e a utopia de uma nova civilização. In Actas del XIV Coloquio Internacional de Geocrítica. Barcelona: Universitat de Barcelona. Recuperado em 25 de maio de 2016, de http://www.ub.edu/geocrit/xiv_renatorego.pdf [ Links ]

Ribeiro, M. E. J. (2004). Goiânia: os planos, a cidade e o sistema de áreas verdes. Goiânia: UCG. [ Links ]

Rodgers, D. T. (1998). Atlantic Crossings. Social Politics in a Progressive Age. Cambridge: Belknap. [ Links ]

Rowe, C., & Koetter, F. (1995). Collage city. Cambridge: The MIT Press. [ Links ]

Said, E. W. (1983). Traveling theory. In E. W. Said. The world, the text, and the critic (p. 157-181). Cambridge: Harvard University Press. [ Links ]

Tota, A. P. (2000). O imperialismo sedutor. São Paulo: Companhia das Letras. [ Links ]

Turkienicz, B., & Comas, C. E. (2012). Brasília, história e análise. In A. Xavier, & J. Katinsky (Orgs.), Brasília - antologia crítica (p. 384-354). São Paulo: Cosac Naify. [ Links ]

Villoria-Siegert, N. (2004). The travel path of the neighborhood unit: from the US and Europe to Latin America. The transfer of the model to Venezuela planning. In Proceedings of the 11th International Planning History Society Conference. Barcelona: IPHS. Recuperado em 23 de maio de 2016, de http://www.etsav.upc.es/personals/iphs2004/eng/en-pap.htm [ Links ]

Ward, S. V. (2000). Re-examining the international diffusion of planning. In R. Freestone (Ed.), Urban planning in a changing world (p. 40-60). Londres: E & FN Spon. [ Links ]

Wolff, S. F. S. (2001). Jardim América. São Paulo: EDUSP; FAPESP; Imprensa Oficial. [ Links ]

Zein, R. V. (2012). Brasília, modernidade radical à deriva. In A. Xavier, & J. Katinsky (Orgs.), Brasília - antologia crítica (p. 354-359). São Paulo: Cosac Naify. [ Links ]


Apontamentos

  • Não há apontamentos.