A paisagem do Ribeirão Fortaleza em Blumenau-SC: percepção da população para a sua recuperação e valorização

Lucas da Silva Rudolpho, Zuleica Maria Patricio Karnopp, Alina Gonçalves Santiago

Resumo


Com o advento das discussões ambientais sob o paradigma da sustentabilidade, rios urbanos em todo o mundo vêm sendo alvo de projetos de recuperação e valorização. Na expectativa de processos de projetos sustentáveis, de caráter interdisciplinar, entende-se que o conhecimento e a compreensão das percepções da população em relação às paisagens fluviais urbanas são a base para qualquer projeto que se deseje implantar com legitimidade e sucesso. Saber como uma população ribeirinha pensa e sente acerca do rio e seu entorno possibilita entender como as pessoas interagem com aquele ambiente e, inclusive, conhecer as repercussões de suas atitudes para além daquele espaço. Com base nessas premissas, desenvolveu-se uma pesquisa de abordagem qualitativa, com o objetivo de compreender o que pensa e sente a população que vive nas margens do Ribeirão Fortaleza, em Blumenau-SC, sobre a paisagem local. O processo de análise dos registros das entrevistas e das observações de campo possibilitou a identificação de três grandes categorias: Memórias do Ribeirão Fortaleza e sua importância na vida dos moradores; Aspectos positivos e negativos em relação à paisagem do Ribeirão Fortaleza, e Propostas para a melhoria de sua paisagem. Espera-se que esta pesquisa possa subsidiar a elaboração de projetos e o acompanhamento de seus processos de implantação e avaliação, o âmbito da gestão municipal e da produção acadêmica, não somente na Arquitetura e Urbanismo, mas em outras áreas do conhecimento, haja vista que modos de viver os espaços ribeirinhos envolvem componentes de natureza multidisciplinar.


Palavras-chave


paisagem, rios urbanos, percepção ambiental, pesquisa qualitativa.

Texto completo:

PDF

Referências


Bardin, L. (1991). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Bezerra, O. G., & Melo, V. L. M. (2014). Valores da paisagem:

os significados dos rios e manguezais da cidade do Recife.

Paisagem e Ambiente: Ensaios, 1(34), 93-106. Recuperado

em 12 de janeiro de 2017, de http://www.revistas.usp.br/

paam/article/viewFile/97124/96198

Costa, L. M. S. A. (2006a). A paisagem em movimento. In

D. B. Pinheiro Machado (Ed.), Sobre urbanismo (pp. 154-

. Rio de Janeiro: PROURB.

Costa, L. M. S. A. (2006b). Rios e paisagens urbanas em

cidades brasileiras. Rio de Janeiro: PROURB.

Costa, L. M. S. A., & Monteiro, P. M. (2002). Rios urbanos

e valores ambientais. In V. Del Rio, C. R. Duarte, & P. A.

Rheingantz (Eds.), Projeto do lugar: colaboração entre

psicologia, arquitetura e urbanismo (pp. 291-298). Rio de

Janeiro: Contra Capa.

Ghilardi, A. S., & Duarte, C. R. S. (2006). Ribeirão Preto:

os valores naturais e culturais de suas paisagens urbanas.

In L. M. S. A. Costa (Eds.), Rios e paisagens urbanas em

cidades brasileiras (pp. 95-119). Rio de Janeiro: PROURB.

Gorski, M. C. B. (2010). Rios e cidades: ruptura e reconciliação.

São Paulo: Editora SENAC.

Hough, M. (1995). Cities and natural processes. London:

Routledge.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE.

(2010). Censo Demográfico 2010. Rio de Janeiro: IBGE.

Recuperado em 3 de abril de 2017, de www.ibge.gov.br

Jacobi, P. R., & Giorgetti, C. (2009). Os moradores e a água

na bacia do rio Pirajuçara na Região Metropolitana de

São Paulo: percepções e atitudes num contexto crítico de

degradação de fonte hídricas. In P. Jacobi (Ed.), Atores e

processos na governança da água no Estado de São Paulo

(1a ed., pp. 87-106). São Paulo: Annablume.

Karnopp, Z. M. P., Almeida, M. M., Siervi, E. C., & Bula, N.

N. (2016). A pesquisa qualitativa e o ente da arquitetura e urbanismo: contribuição para estudos e o exercício da

profissão. Arquitextos, 16, 1-18. Recuperado em 3 de abril

de 2017, de http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/

arquitextos/16.192/6058

Mello, S. S. (2008). Na beira do rio tem uma cidade: urbanidade

e valorização dos corpos d’água (Tese de doutorado).

Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de

Brasília, Brasília.

Minayo, M. C. S., Deslandes, S. F., & Gomes, R. (2015).

Pesquisa social: teoria, método e criatividade (34a ed., v.1).

Petrópolis: Vozes.

Noll, J. F., & Pereira, F. (2014). Intervenções arquitetônicopaisagísticas

em limites e bordas do Ribeirão Fortaleza,

Blumenau. In Anais do III Seminário Nacional sobre o

Tratamento de Áreas de Preservação Permanente em Meio

Urbano e Restrições Ambientais ao Parcelamento do Solo

(pp. 1-18). Belém: UFPA.

Patrício, Z. M. (1999). Qualidade de vida do ser humano

na perspectiva de novos paradigmas: possibilidades

éticas e estéticas nas interações ser humano-naturezacotidiano-

sociedade. In S. M. Patrício, J. Casagrande, & M.

Araújo, Qualidade de vida do trabalhador: uma abordagem

qualitativa do ser humano através de novos paradigmas

(pp. 19-88). Florianópolis: PCA.

Porath, S. L., & Afonso, S. (2006). A paisagem do Rio

Itajaí-açu na cidade de Blumenau/SC. In L. M. S. A. Costa

(Ed.), Rios e paisagens urbanas em cidades brasileiras (pp.

-176). Rio de Janeiro: PROURB.

Raynaud, F. V. (2006). O Rio Sanhuá e a cidade de João

Pessoa. In L. M. S. A. Costa (Ed.), Rios e paisagens urbanas em

cidades brasileiras (pp. 147-162). Rio de Janeiro: PROURB.

Rudolpho, L. S. (2012). A cobertura florestal da Bacia do

Ribeirão Fortaleza em Blumenau/SC frente à antropização

da paisagem (Dissertação de mestrado). Programa de

Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo, Universidade

Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Santos, M. (2004). Pensando o espaço do homem (5a ed.,

Vol. 1). São Paulo: Edusp.

Saraiva, M. G. A. N. (1999). O rio como paisagem: gestão de

corredores fluviais no quadro do ordenamento do território.

Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Siebert, C. (2000). A evolução urbana de Blumenau:

a cidade se forma (1850-1938). In I. M. Theis, M. A.

Mattedi, & F. R. L. Tomio (Eds.), Nosso passado (in) comum: contribuições para o debate sobre a história e

a historiografia de Blumenau (pp. 181-213). Blumenau:

Edifurb, Cultura em Movimento.

Silva-Sánchez, S., & Jacobi, P. R. (2012). Políticas de

recuperação de rios urbanos na cidade de São Paulo:

possibilidades e desafios. Revista Brasileira de Estudos

Urbanos e Regionais, 14(2), 119-132. http://dx.doi.

org/10.22296/2317-1529.2012v14n2p119.

Sistema de Esgoto Sanitário da Cidade de Blumenau –

SAMAE. (2002). Estudo do corpo receptor. Santa Catarina: SAMAE. Recuperado em 10 de janeiro de 2016, de http://

www.samae.com.br/arquivos/anexo_5_vol_2.pdf

Tardin, R. (2011). Ordenação sistêmica da paisagem. In

A. F. Reis (Ed.), Arquitetura, urbanidade e meio ambiente

(pp. 151-172). Florianópolis: Editora da UFSC.

Tucci, C. E. M. (2005). Gestão de águas pluviais urbanas

(4a ed., Vol. 1). Brasília: Ministério das Cidades.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.