A concepção de morte na história e a COVID-19: uma retrospectiva teórica

Taimara Foresti, Maísa Hodecker, Andréa Barbará S. Bousfield

Resumo


A relação do homem com a morte foi se modificando ao longo do tempo. No decorrer da história, diversas foram as concepções desse fenômeno no imaginário social. Por meio de uma retrospectiva teórica, o objetivo deste estudo é abordar a concepção de morte ao longo da civilização ocidental e suas implicações. No contexto de pandemia pela infecção da COVID-19, a compreensão da morte sofre significativas modificações devido a: privação/restrições de rituais, consequências na elaboração do luto, aos locais das mortes e dos enterros, entre outros. A morte nesse atual cenário é representada através do alto índice estatístico de mortalidade e isso acarreta em implicações, como a relativização e a desumanização das vítimas. Com isso, é de suma importância a realização de projetos e ações que visem sensibilizar e humanizar essas mortes, além de legitimar o luto de maneira reflexiva e adequada quando possível.


Palavras-chave


COVID-19; Morte; Luto; Pandemia.

Texto completo:

Sem título PDF

Referências


Albuquerque, A. N. (2020, 21 de abril). Enterros triplicam, e cemitério de Manaus abre valas comuns para vítimas do coronavírus. Folha de S. Paulo. Recuperado de https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2020/04/enterros-triplicam-e-cemiterio-de-manaus-abre-valas-comuns-para-vitimas-do-coronavirus.shtml

Aranha, M. D. A., & Martins, M. H. P. (1993). Filosofando: introdução à filosofia. São Paulo: Moderna.

Ariès, P. (1989). Sobre a história da morte no Ocidente desde a Idade Média. Lisboa: Teorema.

Ariès, P. (2003). História da morte no ocidente. Tradução: Priscila Viana de Siqueira. Rio de Janeiro: Ediouro.

Caputo, R. F. (2008). O homem e suas representações sobre a morte e o morrer: um percurso histórico. Revista multidisciplinar da UNIESP, 05, 73-80.

Combinato, D. S., & Queiroz, M. D. S. (2006). Morte: uma visão psicossocial. Estudos de Psicologia (Natal), 11(2), 209-216.

Crepaldi, M. A., Schmidt, B., Noal, D. S., Bolze, S. D. A., & Gabarra, L. M. (2020). Terminalidade, morte e luto na pandemia de COVID-19: demandas psicológicas emergentes e implicações práticas. Estudos de Psicologia (Campinas), 37, 1-12. https://doi.org/ 10.1590/1982-0275202037e200090

Diniz, A. D. S. (2001). A iconografia do medo. Imagem e memória: ensaios em antropologia visual. Rio de Janeiro: Garamond, 113-150.

Eisma, M. C., Boelen, P. A., & Lenferink, L. I. (2020). Prolonged grief disorder following the Coronavírus (COVID-19) pandemic. Psychiatry Research, 288, 113031. https://dx.doi.org/10.1016/j.psychres.2020.113031

Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). (2020). Saúde mental e atenção psicossocial na pandemia COVID-19: processo de luto no contexto da COVID-19. Rio de Janeiro: Autor. Recuperado de https://www.fiocruzbrasilia.fiocruz.br/wp-content/%20uploads/2020/04/sa%c3%bade-mental-e-aten%c3%a7%c3%a3o-psicossocial-na-pandemia-covid-19-processo-de-luto-no-contexto-da-covid-19.pdf

Folha de São Paulo. (2020). Brasil ultrapassa 55 mil mortes por Covid-19, mostra consórcio de veículos de imprensa [site]. Recuperado de https://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/2020/06/brasil-ultrapassa-55-mil-mortes-por-covid-19-mostra-consorcio-de-veiculos-de-imprensa.shtml

Foucault, M (2012). Microfísica do poder. 25ª ed. São Paulo: Paz e Terra.

Gurgel, W. B. (2008). Direitos sociais dos moribundos: controle social e expropriação da morte nas sociedades capitalistas. (Tese de Doutorado em Políticas Públicas, Universidade Federal do Maranhão, Maranhão, Brasil). Recuperado de http://livros01.livrosgratis.com.br/cp136142.pdf

Ingravallo, F. (2020). Death in the era of the COVID-19 pandemic. The Lancet Public Health, 5(5), e258. https://dx.doi.org/10.1016/S2468-2667(20)30079-7

Kastenbaum, R., & Aisenberg, R. (1983). Psicologia da Morte (AP Lessa, Trad.). São Paulo: EDUSP. (Original publicado em 1976).

Kübler-Ross, E. (1987). Sobre a morte e o morrer (T. L. Kipnis, Trad.) São Paulo: Martins Fontes. (Original publicado em 1969).

Morin, E. (1970). O homem e a morte. 2ª ed. Europa-América.

Nascimento, A. M. do, & Roazzi, A. (2007). A estrutura da representação social da morte na interface com as religiosidades em equipes multiprofissionais de saúde. Psicologia: Reflexão e Crítica, 20(3), 435-443. https://doi.org/10.1590/S0102-79722007000300011

Negrini, M. (2014). A significação da morte: um olhar sobre a finitude humana. Revista Sociais e Humanas, 27(1), 29-36.

Observatório da Imprensa. (2020). Memorial dos 10 mil mortos da covid-19: quando o jornalismo troca números por vidas [site]. Recuperado de

http://www.observatoriodaimprensa.com.br/coronavirus/memorial-dos-10-mil-mortos-da-covid-19-quando-o-jornalismo-troca-numeros-por-vidas/

Organização Mundial da Saúde (OMS). (2020). Coronavirus disease 2019 (COVID-19). Situation Report. 88. Genebra: WHO. Recuperado de https://apps.who.int/iris/handle/10665/331851

Pinto, L. F., & Baia, Â. F. (2014). A representação da morte: desde o medo dos povos primitivos até a negação na atualidade. REVISTA [email protected], 7(1).

Rezende, A. L. M. D., Santos, G. F. D., Caldeira, V. D. P., & Magalhães, Z. R. (1995). Ritos de morte na lembrança de velhos. Revista Brasileira de Enfermagem, 48(1), 07-16.

Rodrigues, J. C. (2006). Tabu da morte. SciELO-Editora FIOCRUZ.

Salmazo-Silva, H., Zemuner, M. N., Rodrigues, P. H. da S., Andrade, T.B. de, Martiniano, V., & Falcão, D.V. da S. (2012). As Representações da Morte e do Luto no Ciclo de Vida. Revista Temática Kairós Gerontologia, 15(4), pp. 185-206.

Scanlon, J., & McMahon, T. (2011). Dealing with mass death in disasters and pandemics. Disaster Prevention and Management, 20(2), 172-185. https://dx.doi.org/10.1108/09653561111126102

Silva, É. Q. (2019). Ideário da morte no Ocidente: a bioética em uma perspectiva antropológica crítica. Revista Bioética, 27(1).

Social Science in Humanitarian Action Platform (SSHAP). (2020). Key considerations: dying, bereavement and mortuary and funerary practices in the context of COVID-19 (Brief). Retrieved from https://opendocs.ids.ac.uk/opendocs/bitstream/handle/20.500.12413/15236/SSHAP%20COVID-19%20brief.%20Death%20and%20funerals.pdf?sequence=1&isAllowed=y

Taylor, S. (2019). The psychology of pandemics: preparing for the next global outbreak of infectious disease. Newcastle upon Tyne: Cambridge Scholars Publishing.

TV Cultura. (2020). "A multidão que morre vira estatística, e a estatística nos desumaniza", diz Débora Diniz no #Provoca [site]. Recuperado de https://tvcultura.com.br/noticias/7965_a-multidao-que-morre-vira-estatistica-e-a-estatistica-nos-desumaniza-diz-debora-diniz-no-provoca.html

UOL. (2020). Com dados omitidos, Brasil registra 35.930 mortes e 672.846 casos de covid [site]. Recuperado de https://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/redacao/2020/06/06/coronavirus-covid19-brasil-casos-mortes-6-junho.htm

Zibell, M. (2020, 1 de abril). Mortos em casa e cadáveres nas ruas: o colapso funerário causado pelo coronavírus no Equador. BBC News Brasil. Recuperado de https://www.bbc.com/portuguese/internacional-52129845

Wallace, C. L., Wladkowski, S. P., Gibson, A., & White, P. (2020). Grief during the COVID-19 pandemic: considerations for palliative care providers [Ahead of Print]. Journal of Pain and Symptom Management. https://dx.doi.org/10.1016/j.jpainsymman.2020.04.012

Weir, K. (2020, April, 1). Grief and COVID-19: mourning our bygone lives. American Psychological Association. Retrieved from https://www.apa.org/news/apa/2020/04/grief-covid-19

Worden, J. W. (2018). Grief counseling and grief therapy: a handbook for the mental health practitioner. New York: Springer.




DOI: https://doi.org/10.7213/psicolargum39.105.AO02

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2021 Editora Universitária Champagnat