A pessoa: fenômeno causal ou espontâneo? Exame crítico das objeções de Ansgar Beckermann à existência da alma

Autores

  • Gerson Joni Fischer Faculdade Teológica Batista do Paraná (FTBP).

DOI:

https://doi.org/10.7213/revistapistispraxis.7675

Palavras-chave:

Imagem de pessoa, Princípio de causa e efeito, Liberdade e responsabilidade, Neuroética, Pastoral

Resumo

Há de fato uma mudança em andamento na imagem que se tem de pessoa nas neurociências? A partir dessa indagação, questiona-se o uso totalizante do princípio de causa e efeito no âmbito dessas ciências, com os objetivos de obter indicações para a reflexão neuroética e apontar para o lugar da pastoral no cuidado do ser humano. Procede-se a um exame crítico da neurofilosofia de Ansgar Beckermann, configurando-se a hipótese de trabalho como contrária a reduzir-se ao cérebro a explicação do fenômeno da vida consciente. Esse fenômeno é sempre espontâneo. Não fosse assim, como seria possível responsabilizar os seres humanos por suas decisões e atos? Propõe-se um quadro de referência no qual a pessoa e a imagem que dela se faz partem de um ponto de vista integral. Ela é simplesmente alma vivente, sempre maior que uma de suas partes e mesmo à soma delas. A ética, nesse modelo, pode manifestar-se como neuroética, agregando-se os saberes das neurociências. Admite-se a centralidade do cérebro na manifestação da vida consciente, livre e responsável, jamais dissociada, porém, da pessoa em sua totalidade. Para a pastoral inspirada na mensagem cristã e que se dirige ao cuidado da pessoa, a vida necessita ser valorizada e zelada. Nela não se procura salvar o Sujeito moderno, ou outra imagem nele centrada. Em sua perspectiva, o ser humano é sempre carente de reconciliação. Porém, uma imagem reduzida de pessoa, que lhe negue alguma de suas características, em nada contribuirá para a continuidade de seu trabalho e testemunho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gerson Joni Fischer, Faculdade Teológica Batista do Paraná (FTBP).

Doutor em Teologia pela Escola Superior de Teologia (EST), professor da Faculdade Teológica Batista do Paraná (FTBP), Curitiba, PR

Referências

BARTH, K. Introdução à teologia evangélica. 5. ed. rev. São Leopoldo: Sinodal, 1996.

BECKERMANN, A. Gehirn, Ich, Freiheit. Neurowissenschaften und Menschenbild. Paderborn: Mentis, 2008.

BENNETT, M. et al. Neurowissenschaft und Philosophie. Gehirn, Geist und Sprache. Berlin: Suhrkamp, 2010.

BÍBLIA SAGRADA. Nova versão internacional. São Paulo: Vida, 2000.

BIERI, P. Das Handwerk der Freiheit. Über die Entdeckung des eigenen Willens. 9. Aufl. Frankfurt am Main: Fischer Taschenbuch, 2009.

BOSCH, D. J. Missão transformadora: mudanças de paradigma na teologia da missão. São Leopoldo: Sinodal, 2002.

DAMÁSIO, A. O mistério da consciência. Do corpo e das emoções ao conhecimento de si. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

ECCLES, J. C. Wie das Selbst sein Gehirn steuert. 2. ed. München: Piper, 1997.

ECCLES, J. C.; BECK, F. Quantum aspects of brain activity and the role of consciousness. Proc. Nat. Acad. Sci., v. 89, n. 23, p. 11357-11361, 1992.

doi:10.1073/pnas.89.23.11357. FELTEN, D. L.; JÓZEFOWICZ, R. F. Atlas de neurociência humana de Netter. Porto Alegre: Artmed, 2005.

FISCHER, G. J. O paradigma da palavra: a educação cristã entre a modernidade e a pós-modernidade. São Leopoldo: Sinodal, 1998.

FISCHER, G. J.; FACION, J. R. Uma nova imagem de pessoa? Neurociências e filosofia: possibilidades e limites. Revista Estudos Teológicos, v. 51, n. 2, p. 288-303, 2011.

GEYER, C. Vorwort. In: GEYER, C. Hirnforschung und Willensfreiheit. Zur

Deutung der neuesten Experimente. Frankfurt am Main: Suhrkamp, 2004. p. 9-19.

JANICH, P. Der Streit der Weltbilder und Menschenbilder in der Hirnforschung. In: STURMA, D. Philosophie und Neurowissenschaften. Frankfurt am Main: Suhrkamp, 2006. p. 75-96.

JANICH, P. Kein neues Menschenbild. Zur Sprache der Hirnforschung.

Frankfurt am Main: Suhrkamp, 2009

Downloads

Publicado

2013-10-24

Como Citar

Fischer, G. J. (2013). A pessoa: fenômeno causal ou espontâneo? Exame crítico das objeções de Ansgar Beckermann à existência da alma. Revista Pistis Praxis, 5(1), 59–90. https://doi.org/10.7213/revistapistispraxis.7675

Edição

Seção

Dossiê