O distanciamento do modelo pastoral do Vaticano II e da tradição libertadora

Autores

  • Agenor Brighenti PUCPR

DOI:

https://doi.org/10.7213/2175-1838.13.03.DS05

Palavras-chave:

Pastoral. Presbíteros. Vaticano II. Tradição libertadora. Crise da modernidade.

Resumo

Dados de quatro questões do instrumento aplicado na pesquisa de campo em busca do perfil dos “padres novos” no Brasil estão em análise: ações do modelo de pastoral dos “padres das décadas de 1970/80” que já não respondem às necessidades de hoje; ações deste modelo que continuam válidas; as maiores lacunas ou vazios na ação pastoral na atualidade; e como a ação da Igreja tem contribuído para uma sociedade mais justa e fraterna. Em um primeiro momento, faz-se uma apresentação sucinta dos dados levantados junto a padres, leigos/as, jovens, seminaristas e religiosas de duas perspectivas teológico-pastorais. Em seguida faz-se uma análise preliminar dos resultados, constatando o distanciamento da Igreja no Brasil do modelo pastoral do Vaticano II e da tradição libertadora da Igreja na América Latina. A razão aludida é o impacto sobre a pastoral da crise do projeto civilizacional moderno e a reação de medo e busca de segurança por parte segmentos da Igreja, que leva a fazer do passado um refúgio e a resgatar modelos de pastoral que a renovação conciliar havia superado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Agenor Brighenti, PUCPR

Agenor Brighenti

Doutor em Ciências Teológicas e Religiosas pela Universidade Católica de Louvain/Bélgica; Professor-pesquisador na PUC de Curitiba e professor-visitante no Instituto Teológico-Pastoral do Conselho Episcopal Latino-americano, em Bogotá; Membro da Equipe de Reflexão Teológica do CELAM. Foi perito do CELAM, na Conferência em Santo Domingo, da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, em Aparecida e do Sínodo da Amazônia. E-mail: <[email protected]>.

Downloads

Publicado

2021-12-22

Como Citar

Brighenti, A. (2021). O distanciamento do modelo pastoral do Vaticano II e da tradição libertadora. Revista Pistis Praxis, 13(3). https://doi.org/10.7213/2175-1838.13.03.DS05