RELIGIÃO E SAÚDE: uma contribuição evangélica

Autores

  • Agemir de Carvalho Dias Faculdade Teológica Sul Brasileira.

DOI:

https://doi.org/10.7213/pp.v2i1.13724

Palavras-chave:

Saúde, Religião, Qualidade de vida, Teologia, Evangélicos.

Resumo

Este trabalho revisa algumas das pesquisas recentes feitas no Brasil que tratam da relação entre religião e saúde, pensando a questão da saúde a partir da perspectiva da qualidade de vida. Procura correlacionar a contribuição do pensamento teológico para o desenvolvimento de uma práxis religiosa que beneficia a saúde, com ênfase em uma vivência de fé, esperança e amor. Através do resgate da perspectiva humanista das igrejas evangélicas, analisa como a prática dessas instituições contribui para hábitos que beneficiam a qualidade de vida. Problematiza as ênfases dadas por alguns segmentos das igrejas evangélicas sobre a necessidade de evitar atitudes potencialmente prejudiciais à saúde, e de praticar atitudes que colaboram para a melhoria da qualidade de vida, propondo o desenvolvimento de uma teologia baseada no serviço diaconal. Conclui que a crítica da prática eclesial é uma tarefa teológica, e que o diálogo da teologia com as ciências da saúde é fundamental para a melhoria da qualidade de vida da população.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Agemir de Carvalho Dias, Faculdade Teológica Sul Brasileira.

Doutor em História pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), professor de Teologia da Faculdade Evangélica do Paraná, diretor da Faculdade Teológica Sul Brasileira, Curitiba, PR - Brasil.

Referências

ARENDT, H. O que é política? Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1998.

BOFF, L. Espiritualidade: um caminho de transformação. Rio de Janeiro: Sextante, 2001.

CALVINO, J. Institución de la religión cristiana. Países Bajos: Fudación Editorial de Literatura Reformada, 1968.

CERQUEIRA-SANTOS, E.; KOLLER, S. H.; PEREIRA, M. T. L. N. Religião, saúde e cura: um estudo entre neopentecostais. Psicologia: Ciência e Profissão, v. 24, n. 3, p. 82-91, 2004.

DANTAS, C. R.; PAVARIN, L. B.; DALGALARRONDO, P. Sintomas de conteúdo religioso em pacientes psiquiátricos. Revista Brasileira de Psiquiatria, v. 21, n. 3, 1999. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S151644461999000300007&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 5 ago. 2009.

DIAS, A. C. O Papel educador do ecumenismo: o caso da igreja presbiteriana do Brasil. 2003. 142 f. Dissertação (Mestrado em Educação, Arte e História da Cultura) – Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2003.

DIAS, A. C.; FERREIRA, V. A. Sociedade evangélica beneficente (SEB): movimento de cooperação entre igrejas evangélicas no Paraná. História. Questões e Debates, v. 43, p. 123-146, 2005.

DOUMA, J. Contribution protestante à la réflexion sur la bioéthique. La Revue

Reformée. n. 215, 2001. Disponível em: <http://www.unpoissondansle.net/rr/0111/ ?i=1>. Acesso em: 5 ago. 2009.

FLECK M. P. A. et al. Desenvolvimento da versão em português do instrumento de avaliação de qualidade de vida da OMS (WHOQOL-100). Revista Brasileira de

Psiquiatria, v. 21, n. 1, p. 19-28, 1999 .

______. Desenvolvimento do WHOQOL, módulo espiritualidade, religiosidade e crenças pessoais. Revista de Saúde Pública, v. 37, n. 4, p. 446-455, 2003.

GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 1989.

IGREJA PRESBITERIANA DO BRASIL – IPB. Confissão de fé de Westminster. Disponível em: <http://www.executivaipb.com.br/Documentos/consiss%E30%20 de%20f%E9.pdf>. Acesso em: 10 nov. 2008.

KÜNG, H. Teologia a caminho: fundamentação para o diálogo ecumênico. São Paulo: Paulinas, 1999.

LOTUFO NETO, F. Psiquiatria e religião: a prevalência de transtornos mentais entre ministros religiosos. 1997. 376 f. Tese (Doutorado em livre-docência) – Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, 1997.

MELO, Z. M. et al. Família, álcool e violência em uma comunidade da cidade do Recife. Psicologia em Estudo, v. 10, n. 2, p. 201-208, 2005.

NASCIMENTO, J. M. O evangelho segundo a pastoral da criança: por uma pedagogia da sobrevivência. 2006. 266 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2006.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE – OMS. Versão em português dos instrumentos de avaliação de qualidade de vida (WHOQOL). 1998. Disponível em: < http://www.ufrgs.br/Psiq/whoqol1.html>. Acesso em: 10 nov. 2008.

RIBEIRO, M. A. D. Ellen White e a saúde na cosmovisão Adventista. 2006. 143 f. Dissertação (Mestrado Ciências da Religião) – Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2006.

ROSA, P. V. Estudo sobre os fatores associados à depressão em idosos da comunidade de Barra Funda – RS, Brasil. 2007. 79 f. Tese (Doutorado em Gerontologia Biomédica) –Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2007.

SOUSA, P. L. R. et al. A religiosidade e suas interfaces com a medicina, a psicologia e a educação: o estado da arte. Psiquiatria na Prática Médica, v. 34, n. 4, p. 112-117, 2001.

TILICH, P. Teologia sistemática. São Paulo: Paulinas; São Leopoldo, RS: Sinodal, 1984.

VALLA, V. V. Pobreza, emoção e saúde: uma discussão sobre pentecostalismo e saúde no Brasil. Revista Brasileira de Educação, n. 19, p. 63-75, 2002.

VOLCAN, S. M. A. et al. Relação entre bem-estar espiritual e transtornos psiquiátricos menores: estudo transversal. Revista de Saúde Pública, v. 37, n. 4, p. 440-445, 2003.

Downloads

Publicado

2010-10-24

Como Citar

Dias, A. de C. (2010). RELIGIÃO E SAÚDE: uma contribuição evangélica. Revista Pistis Praxis, 2(1), 127–143. https://doi.org/10.7213/pp.v2i1.13724