ANTERIOR AO CONCEITO DE PESSOA: dignidade do embrião como ser humano

Autores

  • Mario Antonio Sanches Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR)
  • Leide da Conceição Sanches Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR)

DOI:

https://doi.org/10.7213/pp.v2i1.13517

Palavras-chave:

Pessoa, Ser humano, Dignidade, Embrião.

Resumo

Em bioética vivencia-se atualmente um debate curioso ao redor do reconhecimento da dignidade do embrião. Alguns, em nome do conceito de pessoa, defendem a dignidade do embrião afirmando que todo ser humano é pessoa e merece ser tratado como tal. Outros, baseados no mesmo conceito, fazem o contrário, introduzindo uma separação entre ser humano e ser pessoa: defendem a dignidade da pessoa, mas negam que todo ser humano possa ser considerado pessoa. Para se pensar uma bioética global, é preciso construir uma reflexão que defenda a dignidade de todo ser humano, consciente de que se está lidando com uma diversidade de antropologias, base da diversidade cultural. Os autores deste artigo defendem, com outros autores, que o embrião é digno, não apenas como pessoa, mas como ser humano. Essa posição não nega a dualidade, mas mostra que a dignidade repousa sob o conceito de humano porque este envolve o conceito de pessoa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mario Antonio Sanches, Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR)

Doutor em Teologia, Mestre em Antropologia Social e Especialista em Bioética, professor de Teologia e Bioética no Bacharelado em Teologia e diretor do Programa de Pós-Graduação em Teologia da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), Curitiba, PR

Leide da Conceição Sanches, Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR)

Mestranda em Sociologia pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), Bacharel em Direito, Licenciada em Sociologia, com especialização em Bioética pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), é professora de Sociologia e Antropologia da Saúde nas Faculdades Pequeno Príncipe, Curitiba, PR - Brasil.

Referências

BANTON, M. A idéia de raça. São Paulo: Edições 70, 1977.

BARBOUR, I. G. Religion in an age of science. London: SCM Press, 1990.

BRAATEN, C. E. A pessoa de Jesus Cristo. In: BRAATEN, C. E.; JENSON, R. W. (Ed.). Dogmática cristã. São Leopoldo, RS: Sinodal, 1990. v. 1, p. 462.

DUSSEL, E. Filosofia da libertação na América Latina. São Paulo: Loyola, 1977.

ENGELHARDT Jr., H. T. Fundamentos da bioética. São Paulo: Loyola, 1998.

GUATARI, F.; ROLNIK, S. Micropolítica: cartografia do desejo. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 1999.

JOÃO PAULO II. Evangelium vitae. 2. ed. São Paulo: Paulinas, 1995.

KÜNG, H. Projeto de ética mundial: uma moral ecumênica em vista da sobrevivência humana. São Paulo: Paulinas, 1993.

LEPARGNEUR, H. Bioética e o conceito de pessoa: esclarecimentos. In: PESSINI, L.; BARCHIFONTAINE, C. P. Fundamentos da bioética. São Paulo: Paulus, 1996. p. 89-107.

MELLO, L. G. Antropologia cultural: iniciação, teoria e temas. Petrópolis: Vozes, 1983. SANCHES, M. A. Bioética, ciência e transcendência. São Paulo: Loyola, 2004.

______. O negro em Curitiba: a invisibilidade cultural do visível. 1997. Dissertação (Mestrado Antropologia Social) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 1997.

SCHWARCZ, L. M. Retrato em preto e branco. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

SEPÚLVEDA, J. G. As justas causas de guerra contra os índios (1547). In: SUESS. P. (Org.). A conquista espiritual da América Espanhola: 200 documentos - século XVI. Petrópolis: Vozes, 1992. p. 531-538.

SEYFERTH, G. A antropologia e a teoria do branqueamento da raça no Brasil: a tese de João Batista de Lacerda. Revista do Museu Paulista, São Paulo, v. 30, p.81-98, 1995.

SINGER, P. Ética prática. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

SMITH, J. W. Culture of death: the assault on medical ethics in America. San Francisco, California: Encounters Books, 2000.

Downloads

Publicado

2010-10-24

Como Citar

Sanches, M. A., & Sanches, L. da C. (2010). ANTERIOR AO CONCEITO DE PESSOA: dignidade do embrião como ser humano. Revista Pistis Praxis, 2(1), 97–112. https://doi.org/10.7213/pp.v2i1.13517