TEOLOGIA NO DIVÃ

Autores

  • Osvaldo Luiz Ribeiro Faculdade Batista do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.7213/pp.v1i1.10757

Palavras-chave:

Teologia, Romantismo, Epistemologia, Metafísica, Compatibilidade.

Resumo

O ensaio analisa - e lamenta - a recepção negativa do século XIX (Kant, Schopenhauer, Feuerbach, Nietzsche, Marx, Freud, Dilthey) pela teologia, porque considera que a atual fase da cultura ocidental tem ali assentado um de seus alicerces, de modo que, negligenciando-os, anatematizando-os, tendo-os por inimigos, a teologia descola-se da plataforma epistemológica em voga, constituindo-se, por conseguinte, em discurso anacrônico (medieval), “neurótico” (subjetivismo míticovoluntarioso fechado) e incompatível (descolamento científicohumanística). O autor postula uma conversão honesta da teologia não apenas aos valores das Ciências Humanas, filhas daquele século, mas sem negociações - inclusive à sua cosmovisão, consequentemente, compreendendo-se a si mesma como mito (os conteúdos milenares da teologia) e método (o que lhe cumpre ser, agora e então).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Osvaldo Luiz Ribeiro, Faculdade Batista do Rio de Janeiro

Bacharel e mestre (Seminário Teológico Batista do Sul do Brasil - STBSB), Doutorando (PUCRio) em teologia (bíblica - AT), Professor de teologia e exegese do AT, e de hermenêutica e epistemologia na Faculdade Batista do Rio de Janeiro (STBSB), Rio de Janeiro, RJ - Brasil

Referências

BERGER, Peter. O dossel sagrado: elementos para uma teoria sociológica da religião. 3. ed. São Paulo: Paulus, 1985.

BULTMANN, Rudolf. Novo testamento e mitologia: o problema da desmitologização da proclamação neotestamentária. In: BULTMNN, Rudolf. Crer e compreender. artigos selecionados. São Leopoldo: Sinodal, 1987. p. 51-54.

DILTHEY, Wilhelm. Introduction to the human sciences: selected works of william dilthey. Princeton: Princeton University Press, 1991. v. 1.

DOSSE, François. O império do sentido: a humanização das ciências humanas. Bauru: EDUSC, 2003.

FEUERBACH, Ludwig. A essência do cristianismo. Campinas: Papirus, 1988.

FREUD, Sigmund. O futuro de uma ilusão, o mal estar na civilização e outros trabalhos. Rio de Janeiro: Imago, 2006.

FROMM, Erich. Psychoanalysis and religion. London: Yale University Press, 1971.

GINZBURG, Carlo. Sinais: raízes de um paradigma indiciário. In: GINZBURG, Carlo. Mitos, emblemas, sinais. 2. ed. São Paulo: Cia. das Letras, 2007.

HUIZINGA, Johan. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. São Paulo: Perspectiva, 2005.

HUXLEY, Aldous. Os demônios de Loudun. São Paulo: Círculo do Livro, 1992.

KANT, Immanuel. Crítica da razão pura. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2001.

KÜNG, Hans. Freud and the problem of God: Enlarged London: Yale University Press, 1990.

______. Teologia a caminho: fundamentação para o diálogo ecumênico. São Paulo: Paulinas, 1999.

MARX, Karl. A contribution to the critique of Hegel’s philosophy of right. introduction. In: MARX, Karl. Early writings. Introduced by Lucio Colletti. London: Penguin Books, 1992, p. 243-258.

MORENTE, Manuel Garcia. Fundamentos de filosofia: lições preliminares. 8. ed. São Paulo: Mestre JOU, 1980.

MORIN, Edgar. Para sair do século XX. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986.

______. O método 4. As idéias: habitat, vida, costumes, organização. 3. ed. Porto Alegre: Sulinas, 2002.

______. O método 5. a humanidade da humanidade: a identidade humana. 2. ed. Porto Alegre: Sulinas, 2003.

______. Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo: Cortez, 2004.

MUELLER, Enio Ronald. A teologia e seu estatuto teórico: contribuições para uma discussão atual na universidade brasileira. Revista Estudos Teológicos, São Leopoldo, v. 47, n. 2, p. 88-103, 2007.

NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. Assim falou Zaratustra: um livro para todos e para ninguém. 6. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1989.

______. O Anticristo: ensaio de uma crítica do cristianismo. Lisboa:

Guimarães, 1988.

ONFRAY, Michel. Tratado de ateologia. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

PEIRCE, Charles Sanders. Semiótica. São Paulo: Perspectiva, 2003.

PONTIFÍCIA COMISSÃO BÍBLICA. A interpretação da Bíblia na igreja. São Paulo: Paulinas, 2002.

PRIGOGINE, Ilya. O fim das certezas: tempo, caos e as leis da natureza. São Paulo: UNESP, 1996.

PRIGOGINE, Ilya. As leis do caos. São Paulo: UNESP, 2002.

REIS, José Carlos. Dilthey e o historicismo: a redescoberta da história. In: REIS, José Carlos. História e teoria. historicismo, modernidade, temporalidade e verdade. Rio de Janeiro: FGV, 2003, p. 207-246.

RIBEIRO, Osvaldo Luiz. Por uma teologia pós-metafísica: diálogo com um epílogo circunstancial. Correlatio, São Bernardo do Campo, v. 12, 2007. Disponível em: <http://www.metodista.br/ppc/correlatio/correlatio12/por-umateologia-pos-metafisica-2013-dialogo-com-um-epilogo-circunstancial>. Acesso em: 22 nov 2007.

RICOEUR, Paul. Freud and philosophy: an essay on interpretation. London: Yale University Press, 1970.

SARAMAGO, José. O evangelho segundo Jesus Cristo. São Paulo: Cia. das Letras, 1991.

SCHOPENHAUER, Arthur. O mundo como vontade e representação. São Paulo: Publicações Brasil, 1963.

______. Sobre o fundamento da moral. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

TEIXEIRA, Faustino. O lugar da teologia na(s) ciência(s) da religião. In: TEIXEIRA, Faustino. (Org.). A(s) ciência(s) da religião no Brasil: afirmação de uma área acadêmica. São Paulo: Paulinas, 2001. p. 297-346.

TILLICH, Paul. La significación de la historia de las religiones para el teólogo sistemático. In: TILLICH, Paul. El futuro de las religiones. Buenos Aires: Megápolis, 1977.

VON SINNER, Rudolf. Teologia como ciência. Revista Estudos Teológicos, São Leopoldo, v. 47, n. 2, p. 57-66, 2007.

ZABATIERO, Júlio Paulo Tavares. Do estatuto acadêmico da teologia: pistas para a solução de um problema complexo. Revista Estudos Teológicos, São Leopoldo, v. 47, n. 2, p. 67-87, 2007.

Downloads

Publicado

2009-09-14

Como Citar

Ribeiro, O. L. (2009). TEOLOGIA NO DIVÃ. Revista Pistis Praxis, 1(1), 199–218. https://doi.org/10.7213/pp.v1i1.10757