Concepções de jovens universitários sobre o estabelecimento de relações amorosas via aplicativos digitais

Ana Luiza Xavier Scremin, Rayssa Reck Brum, Bruna Fragoso Cousseau, Bruna Fragoso Rodrigues, karina Scapin Teixeira, Caroline Rubin Rossato Pereira

Resumo


O presente estudo buscou compreender a concepção de jovens universitários sobre o estabelecimento de relações amorosas via aplicativos digitais. Para isso, 104 jovens universitários de uma cidade do interior do Rio Grande do Sul responderam a um questionário on-line, o qual foi submetido à uma análise quantitativa dos dados. O estudo concluiu que os jovens participantes utilizaram aplicativos e redes sociais para o estabelecimento de relacionamentos, sendo a principal motivação para seu uso a busca por diferentes tipos de relacionamentos, para além das relações amorosas. O desejo de ampliar o círculo de amizades e conhecer novas pessoas foi a motivação mais citada pelos participantes para utilização dos aplicativos e redes sociais. No que tange às relações amorosas, a maior parte dos jovens participantes afirmou ser possível estabelecer e manter relacionamentos duradouros com alguém que conheceram de forma on-line. Muitos dos participantes referiram, ainda, vivenciar ou já ter vivenciado uma relação estável que começou através de aplicativos. Os jovens ressaltaram, no entanto, a importância de que o relacionamento não se mantivesse apenas na dimensão on-line, e que o casal buscasse promover encontros presenciais. Além disso, os participantes demonstraram algumas preocupações referentes ao primeiro encontro, sendo a principal delas referente à autenticidade da identidade da pessoa com quem estabeleceriam o encontro.


Palavras-chave


Internet; Relacionamento virtual; Estudantes universitários

Texto completo:

PDF

Referências


Amaral, R. (2015). Exposição da vida privada em redes sociais: Motivações e consequências. Colloquium Humanarum, 12, 475-478. doi: 10.5747/ch.2015.v12.nesp.000651

Brasil. (2013). Estatuto da Juventude. Lei n° 12.852, de 5 de agosto de 2013. Brasília, DF.

Canezin, P. F. M. & Almeida, T. de. (2015). O Ciúme e as Redes Sociais: Uma Revisão Sistemática. Pensando Famílias, 19(1), 142-155. Recuperado de: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/penf/v19n1/v19n1a12.pdf.

Castro, M. G. de. (2017). O estabelecimento de relacionamentos amorosos online entre jovens adultos. (Dissertação de Mestrado), Universidade de Coimbra, Coimbra - PT.

Chan, S. L. (2017). Who uses dating apps? Exploring the relationships among trust, sensation-seeking, smartphone use, and the intent to use dating apps based on the Integrative Model. Computers in Human Behavior, 72. doi: http://dx.doi.org/10.1016/j.chb.2017.02.053

Conselho Federal de Psicologia. (2000). Resolução CFP nº 016/2000, de 20 de dezembro de 2000. Dispõe sobre a realização de pesquisa em Psicologia com seres humanos. Brasília: CFP.

Constantino, F. A. (2018). Questões identitárias no Tinder: performance de si, autenticidade e gerenciamento da impressão a partir da percepção do gênero feminino. Dissertação (Mestrado) - Mestrado em Mídia e Cotidiano, Universidade Federal Fluminense, Niterói, Rio de Janeiro.

Corrêa, F. S. & Kodato, S. (2014). As redes sociais e a discussão sobre dependência afetiva nas relações virtuais. Perspectivas em Psicologia, 18(2), 88-104. Recuperado de http://www.seer.ufu.br/index.php/perspectivasempsicologia/article/view/29646

Ellison, N. B., Hancock, J. T. & Toma, C. L. (2011). Profile as promise: A framework for conceptualizing veracity in online dating self-presentations. New media & society, 14(1). doi: 10.1177/1461444811410395

Friedrich, L. de C. (2017). A mercantilização dos relacionamentos no contexto da midiatização: análise do aplicativo Tinder. Monografia (Graduação). Graduação em Relações Públicas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Gil, A. C. (2007) Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas.

Haack, K. R. & Falcke, D. (2017). Rel@tions.com: Differentiating internet mediated and non-mediated love relationships. Revista Colombiana de Psicología, 26(1), 31-44. doi: 10.15446/rcp.v26n1.53241.

Haack, K. R., Petrik, M., Boeckel, M. G. (2016). Relacionamentos @morosos na rede. Conexão, 16(32), 51-64. doi: 10.18226/21782687.

Hintz, H. C., Trindade, M. C., Halpern, S. C., Toschi, J., & Bronzatti, G. M. (2014). O monstro dos olhos verdes no ciberespaço: ciúme e redes sociais. In: T. Almeida, Relacionamentos amorosos: o antes, o durante… e o depois (pp. 159-181). São Paulo: PoloBooks.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2016). Famílias e Domicílios. Resultados da amostra. Rio de Janeiro: IBGE. 203 p. Recuperado de: https://www.ibge.gov.br/index.php.

Koch, C. M. (2017). To catch a catfish: a statutory solution for victims of online impersonation. Univ. Colorado Law Rev., 88, 233–280. Recuperado de: http://lawreview.colorado.edu/wp-content/uploads/2017/01/12.-88.1-Koch_FinalRevised.pdf.

Linne, J & Lopes, P. F. (2019). En búsqueda del match perfecto. Perfiles, experiencias y expectativas socioafetivas de jóvenes en torno a tinder. Última Década, 27(51), 96-122. doi: https://dx.doi.org/10.4067/S0718-22362019000100096.

Mendes-Campos, C. Féres-Carneiro, T. & Magalhães A. S. (2020). Extimidade virtual e conjugalidade: possíveis repercussões. Psicologia: Teoria e Prática, 22(1), 270-284. doi: http://dx.doi.org/10.5935/1980-6906/psicologia.v22n1p285-299.

Miller, B. (2015). “They’re the modern-day gay bar”: Exploring the uses and gratifications of social networks for men who have sex with men. Computers in Human Behavior, 51, 476-482. doi: http://dx.doi.org/10.1016/j.chb.2015.05.023

Nogueira, M. F. M., Silva, T. T. N. & Silva, R. M. da. (2017). Onde está meu Crush? Interação via mídias locativas e cibersexualidade feminina no Happn. Panorama, 7(1), 6-8. doi: http://dx.doi.org/10.18224/pan.v7i1.5587

Nogueira, M. F. M.;Silva, T. T. (2016). O amor em suas mãos: um estudo sobre a sociabilidade entre indivíduos no aplicativo Tinder. Panorama, 6(2), 99-102. Recuperado de: http://seer.pucgoias.edu.br/index.php/panorama/article/view/5216/2923.

Ranzini, G. & Lutz, C. (2016). Love at first swipe? Explaining Tinder self-presentation and motives. Mobile Media & Communication, 1-22. doi: 10.1177/2050157916664559.

Rosado, J. S.; Jager, M. E.; Dias, A. C. G. (2014). Padrões de uso e motivos para envolvimento em redes sociais virtuais na adolescência. Interação Psicol. 18(1), 13-23. Recuperado de: https://revistas.ufpr.br/psicologia/article/view/28029/26178.

Sibilia, P. (2015). A nudez auto exposta na rede: deslocamentos da obscenidade e da beleza? Cadernos pagu, 44, 171-198. doi: 10.1590/1809-4449201500440171.

Silva, J. V., & Ricardo, A. W. (2019). Protótipo de aplicativo de relacionamento: com base em eventos do Facebook. (Monografia, Curso de Sistemas de Informação). Unisul, Santa Catarina. Recuperado de https://www.riuni.unisul.br/handle/12345/7833.

Smeha, L. N. & Oliveira, M. V. de. (2013). Os relacionamentos amorosos na contemporaneidade sob a óptica dos adultos jovens. Psicologia: teoria e prática, 15(2), 33-45. Recuperado de: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-36872013000200003&lng=en&tlng=pt.

Sumter S. R., Vandenbosch L. & Ligtenberg L. (2017). Love me Tinder: untangling emerging adults' motivations for using the dating application Tinder. Telematics and informatics, 34(1), 67-78. doi: 10.1016/j.tele.2016.04.009.

Ward, J. (2017). What are you doing on Tinder? Impression management on a matchmaking mobile app. Information, Communication & Society, 20(11), 1644-1659. doi: 10.1080/1369118X.2016.1252412.

Zervoulis, K., Smith, D. S., Reed, R. & Dinos, S. (2020). Use of ‘gay dating apps’ and its relationship with individual well-being and sense of community in men who have sex with men, Psychology & Sexuality, 11, 88-102. doi: 10.1080/19419899.2019.1684354.

Zordan, E. P. (2010). A separação conjugal na contemporaneidade: motivos, circunstâncias e contextos (Tese de Doutorado), Pontifícia Universidade Católica (PUC – RS), Porto Alegre, RS, Brasil. Recuperado de http://repositorio.pucrs.br/dspace/handle/10923/4828.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/psicolargum39.105.AO05

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2021 Editora Universitária Champagnat