1.1. A presença dos estudos decoloniais na pós-graduação em psicologia no Brasil

Magda Dimenstein, Gabriel Nascimento Silva, Candida Dantas, Jader Leite, Joao Paulo Macedo

Resumo


Investigou-se a emergência da crítica decolonial na Pós-Graduação em Psicologia no Brasil, através de uma revisão integrativa de dissertações de mestrado e teses de doutorado defendidas em programas stricto sensu de pós-graduação em Psicologia. A busca ocorreu no Banco de Teses e Dissertações da CAPES e na Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações e resultou em 42 trabalhos. Observou-se a recenticidade dessa discussão na pós-graduação nacional em psicologia. Há destaque para o caráter colonial da Psicologia enquanto ciência e profissão que, marcado pelo universalismo, objetivismo e etnocentrismo euro-americano, produz efeitos na produção de conhecimento e nas práticas profissionais a partir da invisibilização de problemáticas e populações que sofrem os efeitos da colonialidade e da subalternização de seus saberes.


Palavras-chave


psicologia, pós-graduação, pensamento decolonial

Texto completo:

PDF PDF

Referências


Clímaco, D. A. (2012). Tráfico de mulheres, negócios de homens: leituras feministas e anti-coloniais sobre os homens, as masculinidades e/ou o masculino (Dissertação de mestrado, Programa de Pós-graduação em Psicologia, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis). Recuperado de https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/92917

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior [CAPES]. (2019a). Documento de área. Área 37: Psicologia. Recuperado de http://www.capes.gov.br/images/Documento_de_%C3%A1rea_2019/PSICOLOGIA.

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior [CAPES]. (2019b). Relatório do Seminário de Meio Termo (Quadriênio 2017-2020) – Área 37: Psicologia. Brasília, DF: Ministério da Educação. Recuperado de http://www.capes.gov.br/images/Documento_de_%C3%A1rea_2019/PSICOLOGIA.

Conceição, A. C. (2013). Etnopsiquiatria: histórico e evolução (Tese de doutorado, Instituto em Psicologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro). Recuperado de https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=132414

Cordeiro, M. J. J. A. (2007). Três anos de efetiva presença de negros e indígenas cotistas nas salas de aula da UEMS: primeiras análises. p. 1-37. Recuperado de http://www.redeacaoafirmativa.ceao.ufba.br/uploads/uems_capliv_2007_MJJACordeiro.pdf

Costa, C. V. F. (2015). Ciganas em movimento: Um estudo sobre a autonomia e emancipação social de mulheres calins e suas práticas nômades no interior do Rio de Janeiro (Tese de doutorado, Instituto de Psicologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro). Recuperado de https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=3480709

Costa, A. L. F., & Yamamoto, O. H. (2016). 50 anos de pós-graduação stricto sensu de psicologia no Brasil: notas sobre seu processo de constituição (1966-2015). Memorandum (31), 133-160. Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/memorandum/article/view/6432

Diaz, E. M. P. V. (2018). A re-existência do cotidiano: imagens e mulheres guarani mbya (Dissertação de mestrado, Instituto de Psicologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro). Recuperado de https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=6892996

Dimenstein, M., Leite, J. F., Macedo, J. P. S., & Dantas, C. (Orgs.) (2016). Condições de vida e saúde mental em contextos rurais. São Paulo: Intermeios.

Domingues, P. (2005). O Mito da Democracia Racial e a Mestiçagem no Brasil (1889-1930). Diálogos Latinoamericanos, 10, 116-131.

Ferraz, I. T., & Domingues, E. (2016). A Psicologia Brasileira e os Povos Indígenas: Atualização do Estado da Arte. Psicologia: Ciência e Profissão, 36(3), 682-695. doi: 10.1590/1982-3703001622014

Frias, R. R. (2019). Metamorfoses identitárias de lideranças religiosas não iorubás inspiradas no convívio com lideranças religiosas iorubás (Tese de doutorado, Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo). Recuperado de https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47134/tde-19072019-153237/pt-br.php

Garavello, N. D. R. (2017). Contracoágulo (Dissertação de mestrado, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo. Recuperado de https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=5150172

Gonçalves, B. S. (2019). Nos caminhos da dupla consciência: América Latina, Psicologia e Descolonização. São Paulo: Ed. Autor

Gorjon, M. G. (2018). Os ventos do norte não movem moinhos: arte contemporânea e feminismos descoloniais/decoloniais (Dissertação de mestrado, Pós-graduação em Psicologia, Universidade Estadual Paulista, Assis). Recuperado de https://repositorio.unesp.br/handle/11449/157346

Grosfoguel, R. (2016). A estrutura do conhecimento nas universidades ocidentalizadas: racismo/sexismo epistêmico e os quatro genocídios/epistemicídios do longo século XVI. Sociedade e Estado, 31(1), 25-49. Recuperado de https://periodicos.unb.br/index.php/sociedade/article/view/6078

Leal, A. B (2019). Encontros com um brasil afro-pindorâmico: processo formativo de pesquisa contra colonial em terras indígenas no Espírito Santo (Dissertação de mestrado, Programa de Pós-graduação em Psicologia Institucional, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória). Recuperado de http://repositorio.ufes.br/handle/10/11290

Longhini, G. D. N. (2018). Mãe (nem) sempre sabe: existências e saberes de mulheres lésbicas, bissexuais e transexuais (Dissertação de mestrado, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis). Recuperado de https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/189944

Lopes, D. C. (2018). Atenção diferenciada à saúde indígena: biopolítica e territorialidades no polo base de Dourados, MS (Dissertação de mestrado, Programa de pós-graduação em Psicologia, Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados). Recuperado de http://repositorio.ufgd.edu.br/jspui/handle/prefix/1125

Lucena Filho, E. L., & Silva, I. L. da. (2018). Processo de colonização e os possíveis impactos na psicologia da atualidade. Revista Psicologia & Saberes, 7(9), 107-117. doi: 10.3333/ps.v7i9.857

Menezes, B. S. (2016). Testado pelo tempo: pós-colonialismo e a promoção do Ayurveda “puro” em uma clínica em Kerala, Índia (Dissertação de mestrado, Instituto de Psicologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro). Recuperado de https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=4111295

Menezes, J. A., Lins, S. S., & Sampaio, J. V. (2019). Provocações pós-coloniais à formação em psicologia. Psicologia & Sociedade, 31, 1-9. doi: 10.1590/1807-0310/2019v31191231

Miranda, D. S. (2018). Subjetivação afroamazônida (Tese de doutorado, Instituto de Psicologia, Universidade Federal Fluminense, Niterói). Recuperado de https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=6756280

Moraes, J. C. (2018). Educação Explodida: por outras paisagens no pensamento e na vida (Dissertação de mestrado, Instituto de Psicologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro). Recuperado de https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=5707828

Navasconi, P. V. P. (2018). Vida, adoecimento e suicídio: Racismo na produção do conhecimento sobre Jovens negros/as LGBTTI (Dissertação de mestrado, Programa de Pós-graduação em Psicologia, Universidade Estadual de Maringá, Maringá). Recuperado de https://docplayer.com.br/83710879-Universidade-estadual-de-maringa-centro-de-ciencias-humanas-letras-e-artes-departamento-de-psicologia-programa-de-pos-graduacao-em-psicologia.html

Nogueira, P. L. L. (2015). Entrerre meu coração no limiar de Outro Ocidente: insumos epistêmicos para o pensar das psicoterapias no Brasil, oriundo do diálogo interdisciplinar entre a Etnopsquiuatria de Tobie Nathan e a Gnosiologia Liminar de Walter Mignolo (Dissertação de mestrado, Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília, Brasília). Recuperado de https://repositorio.unb.br/bitstream/10482/19847/1/2015_PedroLouren%C3%A7odeLunaNogueira.pdf

Nogueira, S. G., & Guzzo, R. S. L. (2016). Psicologia Africana: diálogos com o Sul Global. Revista Brasileira de Estudos Africanos, 1(2), 197-218. doi: 10.22456/2448-3923.66828

Passini, P. M. (2017). Políticas de subjetividade: reflexões entre o colonialismo e o cinema no Brasil (Dissertação de mestrado, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo). Recuperado de https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=5148350

Quijano, A. (2005). Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In E. Lander (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais (pp. 107-130). CLACSO: Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina.

Santos, B. S. (2009). Para além do Pensamento Abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. In B. de S. Santos; M. P. Meneses (Orgs.). Epistemologias do Sul (pp. 23-71). Coimbra: Almedina.

Santos, V. K. (2017). (AS)Sexualidades: processo de subjetivação e resistência (Dissertação de mestrado, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo). Recuperado de

Silva, K. B., & Macedo, J. P. (2017). Psicologia e Ruralidades no Brasil: Contribuições para o Debate. Psicologia: Ciência e Profissão, 37(3), 815-830. doi: 10.1590/1982-3703002982016

Silva, N. M. C. (2017). Universidade no brasil: colonialismo, colonialidade e descolonização numa perspectiva negra. Revista Interinstitucional Artes de Educar, 3(3), 233-257. Recuperado de https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/riae/article/view/29814

Souza, A. C. N. (2018). Produção jornalística sobre mulheres negras e pobres que usam drogas ilícitas em Recife/PE: Esse corpo de lama que tu vê (Dissertação do mestrado, Programa de Pós-graduação em Psicologia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife). Recuperado de https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/33919

Shuña, R. P. B. (2014). Diálogos sobre sexualidade com os/as adolescentes/jovens de Cabo de Santo Agostinho e Ipojuca – PE (Dissertação de mestrado, Programa de Pós-graduação em Psicologia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife). Recuperado de https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=1064804

Tonelli, L. A. F. (2017). Cartografias da aridez: um experimento de escrita clínica (Dissertação de mestrado, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo). Recuperado de https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=5151600

Torres, M. C. L. (2018). Circulando nas narrativas dos círculos de mulheres: violência de gênero e memórias sociais (Dissertação de mestrado, Instituto de Psicologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro). Recuperado de https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=6910815

Tourinho, E. Z., & Bastos, A. V. B. (2010). Desafios da Pós-Graduação em Psicologia no Brasil. Psicologia: Reflexão e Crítica, 23(Supl. 1), 35-46. doi: 10.1590/S0102-79722010000400005

Tralci Filho, M. A. (2019). “Atleta negro, psicólogo branco”: racialização e esporte na visão de profissionais de psicologia (Tese de doutorado, Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo). Recuperado de https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47134/tde-15082019-151739/publico/tralci_corrigida.pdf

Veiga, L. M. (2019). Descolonizando a psicologia: notas para uma Psicologia Preta. Fractal: Revista de Psicologia, 31(esp.), 244-248. doi: 10.22409/1984-0292/v31i_esp/29000

Venturini, A. C. (2018). Ações afirmativas para a Pós-Graduação e padrões de mudança institucional. 42º Encontro Anual da ANPOCS. http://www.anpocs.com/index.php/papers-40-encontro-3/gt-31/gt24-20/11321-acoes-afirmativas-para-pos-graduacao-e-padroes-de-mudanca-institucional/file

Viana, I. (2017). Entre fronteiras: re-existência Laklãnõ/Xokleng em uma universidade pública (Dissertação de mestrado, Programa de Pós-graduação em Psicologia, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis). Recuperado de https://repositorio.ufsc.br/xmlui/bitstream/handle/123456789/182719/349861.pdf;jsessionid=3415617D84177BD546B31E45E93946D5?sequence=1




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/psicolargum.39.105.AO14

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2021 Editora Universitária Champagnat