INDICATIVOS DE BURNOUT E ESTRATÉGIAS DE COPING DE PROFESSORES UNIVERSITÁRIOS

Sherdson Emanoel da Silva Xavier, Ana Carolina Pereira Eugênio, Deborah Silva de Menezes, Roseana Pacheco Reis Batista, Gabriel Lucas Morais Freire, José Roberto Andrade do Nascimento Junior

Resumo


Este estudo transversal investigou os indicativos de burnout e as estratégias de coping de 200 professores de uma universidade federal. Os instrumentos foram o Questionário para avaliação da Síndrome do Burnout no trabalho e a Escala de Modos de Enfrentamento de Problemas. A análise dos dados foi conduzida por meio dos testes de Kolmogorov-Smirnov, Mann-Whitney, Kruskal-Wallis e correlação de Spearman (p<0,05). As mulheres apresentaram mais desgaste psíquico e culpa, utilizaram mais estratégias voltadas para o problema e buscaram mais apoio social e práticas religiosas para enfrentamento das adversidades do que os homens. Os professores de Programas de Pós-Graduação apresentaram maior “ilusão para o trabalho”. Os docentes da área da saúde utilizam mais estratégias relacionadas às práticas religiosas do que os docentes dos cursos de sociais/humanas, e buscam mais suporte social do que os docentes de exatas e sociais/humanas. As correlações significativas encontradas foram: ilusão pelo trabalho com focalização no problema (r = 0,44), busca de práticas religiosas (r = 0,22) e busca de suporte social (r = 0,31); desgaste psíquico com focalização no problema (r = -0,28) e focalização na emoção (r = 0,31); indolência com focalização no problema (r = -0,24) e focalização na emoção (r = 0,37); culpa com focalização no problema (r = -0,26) e focalização na emoção (r = 0,53). Concluiu-se que as professoras apresentam maiores indicativos de Burnout quando comparados com os homens, mas as professoras e docentes da área de saúde apresentam maiores estratégias de enfrentamento quando comparado aos seus pares. Além disso, os professores de pós-graduação apresentam maiores indicativos de Burnout.


Palavras-chave


Educação; Psicologia; Comportamento.

Texto completo:

PDF

Referências


Antoniou, A., Ploumpi, A. & Ntalla, M. (2013). Occupational stress and professional burnout in teachers of primary and secondary education: the role of coping strategies. Psychology, 4(3), 349-355. doi: 10.4236/psych.2013.43A051

Araújo, L. M. N., Rodrigues, C. C. F. M., Dantas, M. S. P.. Santos, N. P., Alves, K. Y. A., & Santos, V. E. P. (2016). Estresse no cotidiano universitário: estratégias de enfrentamento de docentes da saúde. Cuidado é Fundamental, 8(4), 4956-4964.

Batista, J. B. V., Carlotto, M. S., Coutinho, A. S., & Augusto, L. G. S. (2010). Prevalência da Síndrome de Burnout e fatores sociodemográficos e laborais em professores de escolas municipais da cidade de João Pessoa, PB. Revista Brasileira de Epidemiologia, 13,502-512.

Baptista, M. N., Soares, T. F. P., Raad, A. J., & Santos, L. M. (2019). Burnout, estresse, depressão e suporte laboral em professores universitários. Revista Psicologia Organizações e Trabalho, 19(1), 564-570. doi: 10.17652/rpot/2019.1.15417

Borba, B. M. R., Diehl, L., Santos, A. S., Monteiro, J. K., & Marin, A. H. (2015). Síndrome do burnout em professores: estudo comparativo entre o ensino público e privado. Psicologia Argumento, 33(80), 270-281.

Braun, A. C., & Carlotto, M. S. (2014). Síndrome de Burnout: estudo comparativo entre professores do ensino especial e do ensino regular. Psicologia Escolar e Educacional, 18(1), 125-133.

Carlotto, M. S. Síndrome de Burnout e satisfação no trabalho: um estudo com professores universitários. In: Pereira, A. M. T. B. Burnout: Quando o trabalho

ameaça o bem-estar do trabalhador. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2010. p. 187-212.

Carlotto, M. S. (2014). Prevenção da síndrome de burnout em professores: um relato de experiência. Mudanças – Psicologia da Saúde, 22(1), 31-39.

Carlotto, M. S., Braun, A. C., Rodriguez, S. Y. S., & Diehl, L. (2014). Burnout em professores: diferença e analise de gênero. Contextos Clínicos, 7 (1), 86-93.

Codo, W., & Vasques-Menezes, I. (1999). O que é burnout? Em W. Codo (Org.), Educação: Carinho e trabalho (pp. 237-255). Rio de Janeiro: Vozes.

Dalagasperina, P., & Monteiro, J. K. (2014). Preditores da síndrome de burnout em docentes do ensino privado. Psico-USF [online]. 2014, 19(2), 263-275. doi: 10.1590/1413-82712014019002011.

Dalcin, L. & Carlotto, M. S. (2017). Síndrome de burnout em professores no Brasil: considerações para uma agenda de pesquisa. Psicologia em Revista, 23(2), 745-771.

Dalcin, L. & Carlotto, M. S. (2018). Avaliação de efeito de uma intervenção para a Síndrome de Burnout em professors. Psicologia Escolar e Educacional, 22(1), 141-150.

Day, A., & Leiter, M.P. (2014). The good and bad of working relationships: implications for burnout. In M.P. Leiter, M.P., A.B. Bakker, & C. Maslach. (Eds.). Burnout at Work: A Psychological perspective (pp. 56-79). London: Psychology Press.

Diehl, L., & Carlotto, M. S. (2015). Síndrome de Burnout: indicadores para a construção de um diagnóstico. Psicologia Clínica, 27(2), 161-179. Recuperado http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-56652015000200009&lng=pt&tlng=pt.

Diehl, L., & Marin, A. H. (2016). Adoecimento mental de professores brasileiros: revisão sistemática de literatura. Estudos interdisciplinares em Psicologia, 7(2), 64-85. doi: 10.5433/2236-6407.2016v7n2p64

Gil-Monte PR. (2005). Factorial validity of the Maslach Burnout Inventory (MBI-HSS) among Spanish professionals. Rev Saude Publica. 2005, 39(1), 1-8. doi:10.1590/S0034-89102005000100001

Gil-Monte, P. R. (2011). CESQT. Cuestionario para la Evaluación Del Síndrome de Quemarse por el Trabajo [SBI. Spanish Burnout Inventory]. Madrid, Spain: TEA.

Gil-Monte, P. R., Carlotto, M. S., & Câmara, S. G. (2010). Validação da versão brasileira do "Cuestionario para la Evaluación del Síndrome de Quemarse por el Trabajo" em professores. Revista de Saúde Pública, 44(1), 140-147. doi: 10.1590/S0034-89102010000100015

Gomes, A. R., Oliveira, S., Esteves, A., Alvelos, M., & Afonso, J. (2013). Stress, avaliação cognitiva e burnout: um estudo com professores do ensino superior. Revista Sul-Americana de Psicologia, 1(1), 1-20.

Gresham FM. (2011). Análise do comportamento aplicada às habilidades sociais. In: Del Prette A, Del Prette ZAP, organizadores. Psicologia das habilidades sociais: diversidade teórica e suas implicações. 2ª ed. Petrópolis: Vozes. p.17-66.

Gustafsson, H., Hill, A. P., Stenling, A., & Wagnsson, S. (2015). Profiles of perfectionism, parental climate, and burnout among competitive junior athletes. Scandinavian Journal of Medicine & Science in Sports, 26(10), 1256–1264. doi:10.1111/sms.12553

Hair, J. F., Risher, J. J., Sarstedt, M., & Ringle, C. M. (2019). When to use and how to report the results of PLS-SEM. European Business Review, 31(1), 2-24.

Holmes, E. S., Santos, S., Almeida, A. F., Candeia, R. M. S., Chaves, L. M. R., Oliveira, A. C., ... Nascimento, J. (2017). Prevalence Of Burnout Syndrome And Factors Associated With University Teachers. International Archives Of Medicine, 10(49), 1-8. doi:10.3823/2319

Jacomini, M., Alves, T., & Camargo, R. B. (2016). Remuneração Docente: Desafios para o Monitoramento da Valorização dos Professores Brasileiros no Contexto da Meta 17 do Plano Nacional de Educação. Arquivos Analíticos de Políticas Educativas, 24(73). 1-33.

Khamisa, N., Oldenburg, B., Peltzer, K., & Ilic, D. (2015). Work Related Stress, Burnout, Job Satisfaction and General Health of Nurses. International Journal of Environmental Research and Public Health, 12(1), 652–666. doi:10.3390/ijerph120100652

Kucuksileymanoglu, R. (2011). Burnout syndrome in levels of teachers in special education school in Turkey. International Journal of Special Education, 26(1).

Lazarus, R. S. (1993). Coping theory and research: Past, present, and future. Psych Med, 55: 234-247.

Leite, N. M. B. (2007). Síndrome de Burnout e relações sociais no trabalho: um estudo com professores da educação básica. 168 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Universidade de Brasília, Brasília.

Leiter, M.P.; Maslach, C. (2014). Interventions to prevent and alleviate burnout. Burnout at work: a psychological perspective. New York: Psychology Press

Machado, L. M., & Scorzafave, L. G. D. S. (2016). Distribuição de Salários de Professores e Outras Ocupações: Uma Análise para Graduados em Carreiras Tipicamente Ligadas à Docência. Revista Brasileira de Economia, 70(2), 203-220.

Malagris, L. N.; Wolff, A. A. (2015). O estresse no esporte: implicações no overtraining e burnout. In WOLFF, A. A. (org.). Pensamento campeão: melhorando o desempenho esportivo por meio da preparação mental. Rio de Janeiro: Editora Cognitiva (pp. 93-115).

Massa, L. D. B., Souza Silva, T. S., Sá, I. S. V. B., Sá Barreto, B. C., Almeida, P. H. T. Q., & Pontes, T. B. (2016). Síndrome de Burnout em professores universitários. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo (Impr.), 27(2),180-189.

Maslach, C. (1993). Burnout: a multidimensional perspective. IN: Schaufeli, W.B.; Maslach, C.; Marek, T. (Orgs.), Professional burnout: Recent developments in theory and research (pp. 19–32). Washington, DC: Taylor & Francis

Maslach, C., & Leiter, M. P. (2017). Understanding burnout: new models. In C. L. Cooper & J. C. Quick (Eds). The handbook of stress and health: A guide to research and practice (pp. 36-56). Chichester, UK: John Wiley & Sons. doi: 10.1002/9781118993811.ch3

Matsue, R. T. (2013). Religiosidade e Rede de Apoio Social na vida das mulheres brasileiras e suas famílias no Japão. Saúde e Sociedade, 22(2), 298-309. doi: dx.doi.org/10.1590/S0104-12902013000200004.

Montero-Marin, J., Prado-Abril, J., Piva Demarzo, M. M., Gascon, S., & García-Campayo, J. (2014). Coping with Stress and Types of Burnout: Explanatory Power of Different Coping Strategies. PLoS ONE, 9(2), e89090. doi:10.1371/journal.pone.0089090.

Naghieh, A., Montgomery, P., Bonell, C. P., Thompson. M., & Aber, J. L. (2015). Organisational interventions for improving wellbeing and reducing work-related stress in teachers. Cochrane Database Syst Rev, (4): CD010306. doi: 10.1002/14651858.CD010306.pub2

Nicholls, A. R., & Ntoumanis, N. (2010). Traditional and new methods of assessing coping in sport. Coping in Sport: Theory, Methods, and Related Constructs. Nova Science Inc, New York, 35-51.

Pietrowski, D. L., Cardoso, N. O., & Bernardi, C. C. N. (2018). Estratégias de coping frente à síndrome de burnout entre os professores: uma revisão integrativa da literatura nacional. Contextos Clínicos, 11(3), 397-409.

Pires, D. A., Ferreira, R. W., Vasconcelos, A. S. B., Penna, E. M. (2019). Dimensões de Burnout, estratégias de coping e tempo de prática como atleta federado em jogadores profissionais de futebol. Cuadernos de Psicología del Deporte, 19(2),167-177.

Prado, R. L., Bastianini, M. E., Cavalleri, M. Z., Ribeiro, S. F. R., Pizi, E. C. G., Marsicano, J. A. (2017). Avaliação da síndrome de Burnout em professores universitários. Revista da ABENO, 17(3), 21-29.

Seild, E. M. F., Troccoli, B. T., & Zannon, C. M. L. C. (2001). Análise Fatorial de Uma Medida de Estratégias de Enfrentamento. Psic.: Teor. e Pesq. [online], 17(3), 225-234. doi: 10.1590/S0102-37722001000300004.

Shin, H., Park, Y. M., Ying, J. Y., Kim, B., Noh, H., & Lee, S.M. (2014). Relationships between coping strategies and burnout symptoms: a meta-analytic approach.

Professional Psychology: Research and Practice, 45(1), 44-56. doi: 10.1037/a0035220.

Silva, S. C. P. S., Nunes, M. A. P., Santana, V. R., Reis, F. P., Machado Neto, J., & Lima, S. O. (2015). A síndrome de burnout em profissionais da Rede de Atenção Primária à Saúde de Aracaju, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 20(10), 3011-3020. doi: 10.1590/1413-812320152010.19912014

Smith, R. E. (1986). Toward a cognitive-affective model of athletic burnout. Journal of sport psychology, 8(1), 36-50.

Vitaliano, P.P., Russo, J., Carr, J.E., Maiuro, R.D. & Becker, J. (1985). The Ways of Coping Checklist: Revision and psycho-metric properties. Multivariate Behavioral Research, 20, 3-26

Zanatta, A. B., & De Lucca, S. R. (2015). Prevalence of Burnout syndrome in health professionals of an onco-hematological pediatric hospital. Revista Da Escola de Enfermagem, 49(2), 253-258. doi: 10.1590/S0080-623420150000200010




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/psicolargum39.105.AO06

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2021 Editora Universitária Champagnat