As dores do “amor”: uma revisão sistemática sobre as consequências da violência por parceiro íntimo

Hugo Tanizaka, Carlos Eduardo Bovenzo Filho, Giovana Tomé Furquim, Rosa Frugoli, Miria Benincasa

Resumo


Os impactos e as consequências da Violência Por Parceiro (VPI) íntimo na saúde mental de mulheres são preocupações generalizadas por parte da comunidade cientifica, demandando olhar especializado de uma rede intersetorial que aufira caráter de prioridade para este fenômeno repetitivo e retroalimentado de forma passiva pela sociedade. Essa revisão sistemática se dispôs a verificar a sintomatologia expressiva presente em mulheres vítimas de VPI ao redor do mundo, intencionando verificar em contexto multicultural a incidência de danos para a saúde deste público. O estudo foi estruturado conforme a estratégia metodológica de revisões sistemáticas – PRISMA, utilizando-se artigos nacionais e internacionais publicados no período de 2008 a 2017, de delineamento transversal e evidenciando o repertório técnico sobre o assunto dos últimos 10 anos. Os resultados alcançados indicaram consequências danosas à autoestima, auto conceito, senso de identidade e qualidade de vida das mulheres, oriundas das violências física, psicológica e sexual, revelando a existência de variados quadros clínicos com impactos à saúde mental requerendo efetividade nos serviços de rede intersetorial.

 

 


Palavras-chave


Violência por Parceiro Íntimo, saúde da mulher, saúde mental, rede intersetorial

Texto completo:

PDF

Referências


Referências

Afifi, Z. E. M., Al-Muhaideb, N. S., Hadish, N. F., Ismail, F. I., & Al-Qeamy, F. M. (2011). “Domestic violence and its impact on married women’s health in Eastern Saudi Arabia”. Saudi Medical Journal., 32(6). Recuperado de

Alves, R., Santos, G., Ferreira, P., Costa, A., & Costa, E. (2017). Atualidades sobre a psicologia da saúde e a realidade Brasileira. Psicologia, Saúde & Doenças, 18(2). doi: https://dx.doi.org/10.15309/17psd180221

Anastario, M., Shehab, N., & Lawry, L. (2009) “Increased gender-based violence among women internally displaced in Mississippi 2 years post-Hurricane Katrina”. Disaster Medicine Public Health Preparedness, 3(1). Recuperado de

Bittar, D., & Kohlsdorf, M. (2013). “Ansiedade e depressão em mulheres vítimas de violência doméstica”. Psicologia Argumento, 31(74). doi: http://dx.doi.org/10.7213/psicol.argum.31.074.DS08.

Casique, L., & Furegato, A. R. F. (2006) “Violência contra mulheres: Reflexões teóricas”. Latino-Americana de Enfermagem. São Paulo, 14. doi: https://doi.org/10.1590/S0104-11692006000600018 >.

Cheng, T. C., & Lo, C. C. (2014). “Domestic violence and treatment seeking: a longitudinal study of low-income women and mental health/substance abuse care”. International. Journal Health Service, 44(4). Recuperado de:

Ferrari, G., Agnew-Davies, R., Bailey, J., Howard, L., Howarth, E., Peters, T. J., Sardinha, L., & Feder, G. S. (2016). Domestic violence and mental health: a cross-sectional survey of women seeking help from domestic violence support services. Global Health Action, 9(10). doi: 10.3402/gha.v9.29890.

Ferreira, R. M., Vasconcelos, T. B., Moreira Filho, R. E., & Macena, R. H. M. (2015). “Características de saúde de mulheres em situação de violência doméstica abrigadas em uma unidade de proteção estadual”. Revista Ciência & Saúde Coletiva, 21(12). doi: https://doi.org/10.1590/1413-812320152112.09092015.

Frugoli, R., & Furquim, G. T. (2019) Conhece violência contra as mulheres? E a psicológica? In L. M. Caetano; S. C. Silva. (Org.). Psicologia para Pais e Educadores. (1a ed, vol. 2, pp. 117-126). Curitiba, PR: Juruá.

Frugoli, R., Tanizaka, H., Carmassi, M. R., & Silva, C. J. (2019). Violência contra as mulheres universitárias: Passividade institucional e vulnerabilidade no âmbito acadêmico. Revista Científica Eletrônica de Psicologia (FAEF), 33(1). Recuperado de:

Gonzalez-Guarda, R. M., Vasquez, E. P., Urrutia, M. T., Villarruel, A. M., & Peragallo, N. (2011). “Hispanic women’s experiences with substance abuse, intimate partner violence, and risk for HIV. J Transcult Nurs, 22(1). Recuperado de:

Guimarães R. C. S., Soares M. C. S., Santos R. C., Moura J. P., Freire T. V. V., & Dias M. D. (2018). Impacto na autoestima de mulheres em situação de violência doméstica atendidas em Campina Grande, Brasil. Revista Cuidarte. 9(1). (Publicação eletrônica antecipada). doi: http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v9i1.438

Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006 (2006, 7 de agosto). Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do § 8º do art. 226 da Constituição Federal, da Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres e da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher; dispõe sobre a criação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher; altera o Código de Processo Penal, o Código Penal e a Lei de Execução Penal; e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República: Secretaria-Geral: Subchefia para Assuntos Jurídicos. Recuperado em 20 de junho, 2019, de

Leite, F. M. C., Silva, A. C. A., Bravim, L. R., Tavares, F. L., Primo, C. C., & Lima, E. F. A. (2016). Mulheres vítimas de violência: percepção, queixas e comportamentos relacionados à sua saúde. Revista de Enfermagem – UFPE on-line, 10(6). Recuperado de:

Lettiere, A., & Nakano, A. M. S. (2011). Violência doméstica: as possibilidades e os limites de enfrentamento. Revista Latino Americana de Enfermagem, 19(6). Recuperado de: < http://www.scielo.br/pdf/rlae/v19n6/pt_20.pdf>

Medina, N. T., Erazo, G. E. C., Dávila, D. C. B., & Humphreys, J. C. (2011). Contribution of intimate partner violence exposure, other traumatic events and posttraumatic stress disorder to chronic pain and depressive symptoms. Investigación y educación en enfermería, 29(2). Recuperado de:

Mendonça, M. F. S., & Ludemir, A. B. (2017). Violência por parceiro íntimo e incidência de transtorno mental comum. Revista de Saúde Pública, 51(32). doi: https://doi.org/10.1590/s1518-8787.2017051006912.

Moher D., Liberati, A., Tetzlafl, J., & Altman, D. G. The PRISMA Group (2010). “Preferred Reporting Items for Systematic Reviews and Meta-Analyses: The PRISMA Statement”. International Journal of Surgery, 8(5). Recuperado de:

Neto, P. J. A. V., Moreira, R. S., Oliveira Júnior, F. J. M., & Ludermir, A. B. (2020). Tentativa de suicídio, transtorno de estresse pós-traumático e fatores associados em mulheres do Recife. Revista Brasileira de Epidemiologia, 23. (Publicação eletrônica antecipada) doi: https://doi.org/10.1590/1980-549720200010

Oliveira, L, A. S., & Leal, S. M. C. (2016). Mulheres em situação de violência que buscaram apoio no centro de referência Geny Lehnen/RS”. Enfermagem em 7(2). Recuperado de:

OMS. Organização Mundial da Saúde (2002). Saúde mental: nova concepção, nova esperança. Relatório Mundial da Saúde. Genebebra: OMS. Recuperado de:

Saffioti, H. I. B. (2001). Contribuições feministas para o estudo da violência de gênero. Cadernos Pagu, 16, 115-136. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-83332001000100007

Santos, D. F., Castro, D. S., Lima, E. F. A., Neto, L. A., Moura, M. A. V., & Leite, F. M. C. (2017). Percepção de mulheres acerca da violência vivenciada”. Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental, 9(1). (Publicação eletrônica antecipada). Recuperado de:

Santos A. G., Monteiro C. F. S., Feitosa C. D. A., Veloso C., Nogueira L. T., & Andrade E. M. L. R. (2018). Tipos de transtornos mentais não psicóticos em mulheres adultas violentadas por parceiro íntimo: uma revisão integrativa. Revista da Escola de Enfermagem da USP. (Publicação eletrônica antecipada). doi: http://dx.doi.org/10.1590/s1980-220x2017030203328.

Sanz-Barbero, B., Rey, L., & Otero-García, L. (2013). Estado de salud y violencia contra la mujer em la pareja. Gaceta Sanitaria, 28(2). doi: http://dx.doi.org/10.1016/j.gaceta.2013.08.004

Schraiber, L. B., D’Oliveira, A. F. P. L., & Couto, M. T. (2006) “Violência e saúde: estudos científicos recentes”. Revista de Saúde Pública, 40. Recuperado de:

Silva, S. A., Lucena, K. D. T., Deininger, L. S. C., Coelho, H. F. C., Vianna, R. P. T., & Anjos, U. U. (2015). Análise da violência doméstica na saúde das mulheres”. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, v. 25(2), 182-186. doi: http://dx.doi.org/10.7322/JHGD.103009

Silva, R. F., Tanizaka, H., & Soares, S. R. (2018). A Violência contra as Mulheres no percurso de vida: análise sobre um psicodiagnóstico de abordagem de base fenomenológica. In A. L. Oliveira; P. F. Castro. (Org.). Psicologia: novos olhares. (1a ed., vol. 1, pp.143-162). Taubaté, SP: edUNITAU.

Wuest, J., Ford-Gilboe, M., Merritt-Gray, M., Varcoe, C., Lent, B., Wilk, P., & Campbell, J. (2009). Abuse-related injury and symptoms of posttraumatic stress disorder as mechanisms of chronic pain in survivors of intimate partner violence. Pain Medicine, 10(4). doi:10.1111/j.1526-4637.2009.00624.x.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/psicolargum39.105.AO11psicolargum39.105.AO11

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2021 Editora Universitária Champagnat