Só o passado salva: reflexões sobre identidades católicas alicerçadas em elementos pré-conciliares

Rodrigo Portella

Resumo


O artigo apresenta discussão sobre a sensibilidade manifestada por grupos que, na Igreja Católica, identificam elementos litúrgicos, devocionais e teológicos preponderantemente anteriores ao Concílio Vaticano II — e que, a partir da década de 1970, conheceram momentos de esquecimento ou descarte — como de maior identidade e fidelidade em relação à tradição da Igreja Católica e que, por isso, devem ser recuperados ou privilegiados. A pergunta que norteia o artigo é se um modelo de Igreja que foi suplantado pelas reformas do Concílio Vaticano II, uma vez recuperado por alguns, não deixa de ser um simulacro de uma Igreja que não existe mais. Como questão de fundo se coloca o argumento de que a tradição não necessita ser identificada com a imobilidade de determinada identidade. O ponto de partida para a argumentação do artigo é o retorno, cada vez mais enfático, da missa tridentina, em latim.


Palavras-chave


Igreja Católica; Missa tridentina; Tradição.

Texto completo:

PDF

Referências


ANTONIAZZI, A. O catolicismo no Brasil. Cadernos do ISER, Rio de Janeiro, n. 22, p. 13-35, 1989.

BAUMAN, Z. Comunidade: a busca por segurança no mundo atual. Rio de Janeiro: J. Zahar, 2003.

BENEDETTI, L. R. Propostas teóricas para entender o trânsito religioso.

Comunicações do ISER, Rio de Janeiro, ano 13, n. 45, p. 18-23, 1994.

BERGER, P. O dossel sagrado: elementos para uma teoria sociológica da religião. São Paulo: Paulus, 2004.

CAMURÇA, M. A. Renovação carismática católica: entre a tradição e a modernidade. Rhema, v. 7, n. 25, p. 45-56, 2001.

CAMURÇA, M. A. A sociologia da religião de Danièle Hervieu-Léger: entre a memória e a emoção. In: TEIXEIRA, F. (Org.). Sociologia da religião: enfoques teóricos. Petrópolis: Vozes, 2003. p. 249-270.

CARRANZA, B. Movimentos do catolicismo brasileiro: cultura, mídia, instituição. 2004. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2004.

CASTELLS, M. A era da informação: economia, sociedade e cultura. Lisboa: Colouste Gulbenkian, 2003. v. 2: O poder da identidade.

COSTA, J. Sociologia dos novos movimentos eclesiais: focolares, carismáticos e neocatecumenais em Braga. Porto: Afrontamento, 2006.

DELUMEAU, J. As razões de minha fé. São Paulo: Loyola, 1991.

EISENSTADT, S. Fundamentalismo e modernidade: heterodoxia, utopismo e jacobinismo na constituição dos movimentos fundamentalistas. Oeiras: Celta, 1997.

GEERTZ, C. Nova luz sobre a antropologia. Rio de Janeiro: J. Zahar, 2001.

GIDDENS, A. Em defesa da sociologia: ensaios, interpretações e tréplicas. São Paulo: Ed. da Unesp, 2001.

GOPEGUI, J. As figuras bíblicas do diabo e dos demônios em face da cultura moderna. Perspectiva Teológica, Belo Horizonte, v. 29n. 79, set./dez. 1997.

HALL, S. Identidades culturais na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 1997.

HERVIEU-LÉGER, D. La religion pour memoire. Paris: Cerf, 1993.

HERVIEU-LÉGER, D. Catolicismo: a configuração da memória. Rever, São Paulo, n. 2, p. 87-107, 2005.

HOBSBAWM, E.; RANGER, T. A invenção das tradições. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1990.

LIBÂNIO, J. B. O paradoxo do fenômeno religioso no início do milênio. Perspectiva Teológica, Belo Horizonte, v. 34, n. 92, jan./abr. 2002.

LIENHARDT, G. Antropologia Social. Rio de Janeiro: J. Zahar, 1973.

LIPOVETSKY, G. A era do vazio: ensaio sobre o individualismo contemporâneo. Lisboa: Relógio D´agua, 1989.

LORSCHEIDER. A. Algumas tendências atuais da teologia. Perspectiva Teológica, Belo Horizonte, v. 28, n. 75, 1996.

MARIZ, C. L.; MACHADO, M. D. Sincretismo e trânsito religioso: comparando carismáticos e pentecostais. Comunicações do ISER, Rio de Janeiro, ano 13, n. 45, p. 24-34, 1994.

MENDONÇA, A. G. A experiência religiosa e a institucionalização da religião. Estudos Avançados, v. 18, n. 52, p. 29-46, 2004.

MIRANDA, J. As linguagens da renovação. In: MIRANDA, J. Carisma, sociedade e política: novas linguagens do religioso e do político. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1999.

MONTERO, P. Considerações a respeito da noção de identidade. Comunicações do ISER, Rio de Janeiro, n. 26, p. 11-16, 1987.

MONTERO, P. Religiões e dilema da sociedade brasileira. In: MICELI, S. O que ler na Ciência Social brasileira (1970-1995). Brasília: Sumaré; Anpocs; Capes, 1999. v. 1: Antropologia. p. 327-367.

NOVAES, R. Os jovens, os ventos secularizantes e o espírito do tempo. In: TEIXEIRA, F.; MENEZES, R. (Org.). As religiões no Brasil: continuidades e rupturas. Petrópolis: Vozes, 2006. p. 135-160.

PACE, E. Religião e globalização. In: ORO, A. P.; STEIL, C. A. (Org.). Globalização e religião. Petrópolis: Vozes, 1999. p. 25-42.

SANTOS, B. S. Modernidade, identidade e a cultura de fronteira. Revista Crítica de Ciências Sociais, São Paulo, n. 38, p. 11-39, dez. 1993.

SCHLEGEL, J-L. A lei de Deus contra a liberdade dos homens. São Paulo: M. Fontes, 2009.

SILVEIRA, E. J. S. da. Pluralidade católica: um esboço de novos e antigos estilos de crença e pertencimento. Sacrilegens, n. 1, p. 139-158, 2003.

STEIL, C. A. Renovação carismática católica: porta de entrada ou de saída do catolicismo? Uma etnografia do Grupo São José, Porto Alegre (RS). Religião e Sociedade, Rio de Janeiro, v. 24, n. 1, p. 11-36, 2004.

SUNG, J. M. Reencantamento e transformação social. Estudos de Religião, ano 9, n. 29, p. 12-36, 2005.

WOODWARD, K. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: SILVA, T. T. da (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2000.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/revistapistispraxis.06.003.ao04

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.