Que é isto — A “comunidade estatal” em Edith Stein? Um estudo em Teologia e Direitos Humanos

Everaldo dos Santos Mendes

Resumo


Este estudo objetivou pesquisar a “comunidade estatal” como possibilidade de fundamento ontoteológico — Trinitário — do Estado em Edith Stein e suas interfaces com os Direitos Humanos. Por essa via, foi adotado o seguinte horizonte arqueológico: escavar os elementos soberania, povo e território e lançá-los à luz dos escritos de Edith Stein, de seus mestres e comentadores, com as pesquisas dos nossos dias sobre o  Estado — o que fizemos por meio de uma pesquisa qualitativa de levantamento bibliográfico. No fenômeno da vida associada, só a comunidade (Gemeinschaft) pode abarcar a pessoa humana: corpo-psique-espírito. Por pessoa humana, compreendemos um eu consciente e livre, que, mergulhado em sua ambiguidade (ontológico-ética) e finitude, clama por ser-com o outro, via de acesso ao Outro: um mysterium tremendum não como mero desejo do desejo de outrem —, na sua condição de ser-medicante de uma realização plena: mendicância de ser feliz, de ser infinito. Na visão orgânica do Estado, identificamos os aspectos espiritual (soberania), psíquico (povo) e corpóreo (território), e vimos que o Estado — uma pessoa, jurídica — necessita de um território do mesmo modo que uma pessoa, humana, precisa de um corpo para viver. Nos nossos dias, o Estado reclama como fundamento uma “comunidade estatal” e não um “contrato social”, como proclama o Estado Moderno. Na comunidade estatal, a soberania — condicio sine qua non — está para o Estado do mesmo modo que a liberdade está para a pessoa humana. Nos escritos de Edith Stein, a concepção cristã — Trinitária — de pessoa humana tem um papel fundamental. Trata-se de uma antropologia cristocêntrica, que apreende a complexidade do ser humano de modo subjetivo e intersubjetivo. Edith Stein mostra — ou melhor, confirma — uma extraordinária visão de conjunto, capaz de abarcar o particular sempre orientado ao universal.

Palavras-chave


Edith Stein; Pessoa humana; corpo-psique-espírito; Vida associada; Comunidade estatal; soberania-povo-território; Direitos Humanos.

Texto completo:

PDF

Referências


BAUMAN, Z. Amor líquido: sobre a fragilidade dos laços humanos. Rio de Janeiro: Zahar, 2004.

BUBER, M. Sobre comunidade. São Paulo: Perspectiva, 1987.

MENDES, E. dos S. Resenha do livro Introdução à fenomenologia. Revista Pistis & Praxis, v. 5, n. 1, p. 307-312, jan./jun. 2013a.

MENDES, E. dos S. A existência do Estado em Edith Stein: um estudo onto-teológico da vida associada. 2013. 227 f. Dissertação (Mestrado em Teologia) – Pontifícia Universidade Católica do Paraná - PUCPR, Curitiba, 2013b.

MENDES, E. dos S. Psicologia existencial fenomenológica e mística: um estudo da “ex-istência” humana em Edith Stein. Kairós - Revista Acadêmica da Prainha, v. 8, n. 2, p. 346-355, jul./dez. 2011.

NIETZSCHE, F. W. Assim falou Zaratustra: um livro para todos e para ninguém. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Declaração Universal dos Direitos Humanos. 1948. Disponível em: . Acesso em: 26 ago. 2013.

RUBIO, A. G. A caminho da maturidade na experiência com Deus. São Paulo: Paulinas, 2008.

STEIN, E. Ser finito y ser eterno: ensayo de una ascensiónal sentido del ser. México: Fondo de Cultura Económica, 1996.

STEIN, E. Obras completas II: escritos filosóficos (Etapa fenomenológica: 1915-1920). Burgos: Editorial Monte Carmelo; Vitoria: El Carmen; Madrid:

Editorial de Espiritualidad, 2005. v. 2.

TÖNNIES, F. Comunidad y sociedade. Buenos Aires: Losada, 1947.

TUTU, D. Deus não é cristão e outras provocações. Rio de Janeiro: Thomas Nelson Brasil, 2012

Approved: 05/21/2014




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/revistapistispraxis.06.003.ds08

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.