Formação Docente e Ensino Religioso: Exercícios Decoloniais em Territórios Latino-Americanos

Lilian Blanck de Oliveira, Simone Riske-Koch

Resumo


O território latino-americano é marcado por colonialidades decorrentes dos processos de colonização. Espanhóis, portugueses e europeus chegando à região de Abya Yala — agora América Latina — trouxeram em sua bagagem intentos de invadir para expropriar, buscando colonizar política, cultural e economicamente as populações originárias. Neste processo, a colonialidade impetrada impingiu na educação formal práticas reprodutoras de visões de mundo dos colonizadores, historicamente hegemônicas. Todavia, a multiplicidade de povos da Abya Yala, com suas culturas e práticas peculiares, historicamente aprendeu a sobreviver, resistir e mover-se entre lógicas e códigos coloniais. Partimos de pressupostos de que, nos processos formativos coletivos e individuais, algumas possibilidades de uma decolonialidade na educação passam pela formação docente e se efetivam a partir de uma episte(me)todologia comprometida com a diferença — as diversidades. Neste artigo objetivamos problematizar efeitos da colonização na educação brasileira, especificamente no Ensino Religioso, analisando algumas práticas e exercícios decoloniais na formação docente inicial e continuada. A investigação é de perspectiva bibliográfica e documental, utilizando, especialmente, registros do curso de licenciatura em Ciências da Religião da Universidade Regional de Blumenau, referentes ao período entre 1996 e 2020. Os resultados sinalizam a existência de possibilidades de uma formação que acolhe e reconhece outras histórias, saberes e culturas. Indicam, ainda, a viabilidade de criar espaços de abertura e lugares de diálogo, de romper com hierarquizações de saberes e poderes e do reconhecimento de diversidades epistêmicas e metodológicas — ações que interpelam e afetam o ensino da/para/com a diversidade religiosa no cotidiano da educação básica.


Palavras-chave


Formação inicial e continuada. Ensino Religioso. Diversidades. Território. América Latina.

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, T. W. Educação e emancipação. Trad. Wolfgang Leo Maar. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000.

BRANDÃO, C. R. (Org.). Repensando a pesquisa participante. São Paulo: Brasiliense, 1986.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de licenciatura em Ciências da Religião. Brasília, 2018. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=99971-pcp012-18&category_slug=outubro-2018-pdf-1&Itemid=30192. Acesso em: 15 jan. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/a-base. Acesso em: 15 jan. 2021.

CECCHETTI, E. A laicização do ensino no Brasil (1889-1934). Tese de doutorado. Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Santa Catarina. Orientador: Ademir Valdir dos Santos. Coorientador: José María Hernández Díaz. Florianópolis, SC: 2016.

CECCHETTI, E.; SANTOS, A. V. dos. O ensino religioso na escola brasileira: alianças e disputas históricas. Acta Scientiarum. Education, v.38, n. 2, abr./jun. 2016.

FIGUEIREDO, A. de P. O Ensino Religioso no Brasil: Tendências, conquistas, perspectivas. Petrópolis, RJ: Vozes,1995.

FLEURI, R. M. Aprender com os povos indígenas. Revista de Educação Pública, Cuiabá, v. 26, n. 62/1, p. 277-294, maio/ago. 2017. Disponível em: http://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/educacaopublica/article/view/4995.Acesso em: 23 jan. 2021.

FLEURI, R. M.; GARCIA, R. L. Contribuição latino-americana para as pesquisas e práticas interculturais. In: GARCIA, R. L.; ESTEBAN, M. T.; SERPA, A. Saberes cotidianos em diálogo. Petrópolis, RJ: De Petrus; Rio de Janeiro: FAPERJ, 2015.

FONTOURA, G. C. da. Direitos, desenvolvimento e povos indígenas: limites, possibilidades e desafios às políticas públicas na atualidade brasileira. 2015. 200 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Regional) — Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional, Centro de Ciências Humanas e da Comunicação, Universidade Regional de Blumenau, Blumenau, 2015. Disponível em: https://bu.furb.br//docs/DS/2015/360539_1_1.pdf. Acesso em: 31 jan. 2021

FÓRUM NACIONAL PERMANENTE DO ENSINO RELIGIOSO (FONAPER). Parâmetros curriculares nacionais para o Ensino Religioso. 1. ed. São Paulo: Ave Maria, 1996.

GOMES, N. Alguns termos e conceitos presentes no debate sobre relações raciais no Brasil: uma breve discussão. In: BRASIL. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. Educação anti-racista: caminhos abertos pela Lei Federal nº 10.639/03. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2005. Disponível em http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=658-vol2antirac-pdf&category_slug=documentos-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 13 jan. 2019.

GONZALES, J. M. A questão cigana no contexto europeu. In: RICHARDSON, R. J. (org). Exclusão social e práticas inclusivas: Estudos de Casos da América Latina e Europa. João Pessoa: Editora Universitária da UFPB, 2012. p. 205-242.

KÜNG, H. Projeto de ética mundial: uma moral ecumênica em vista da sobrevivência. Trad. Haroldo Reimer. São Paulo: Paulinas, 1992.

LIMA, E. de S.. “Currículo e desenvolvimento humano”. In: MOREIRA, A. F. e ARROYO, M. Indagações sobre currículo. Brasília: Departamento de Políticas de Educação Infantil e Ensino Fundamental, nov. 2006, p.11- 47

MONTIEL, E. A nova ordem simbólica: a diversidade cultural na era da globalização. In: SIDEKUM, A. (Org.). Alteridade e multiculturalismo. Ijuí: Unijuí, 2003.

OLIVEIRA, L. B. Formação de docentes para o Ensino Religioso: perspectivas e impulsos a partir da ética social de Martinho Lutero. Tese de Doutorado em Teologia. Faculdades EST. São Leopoldo: EST/IEPG, 2003.

OLIVEIRA, L. B.; RISKE-KOCH, S. Diversidade cultural religiosa e formação de docentes de ensino religioso na FURB/SC: tecendo cartografias. In: Numen: revista de estudos e pesquisa da religião. Universidade Federal de Juiz de Fora v.15, n.2 [2º. Sem.2012]. Juiz de Fora: Editora UFJF, 2012. PP. 455-479. Disponível em https://periodicos.ufjf.br/index.php/numen/article/view/21860 Consulta em 16 de janeiro de 2021.

OLIVEIRA, L. B.; MARKUS, C. Diversidade cultural e religiosa no Brasil: entre desafios e perspectivas para uma formação docente. In: OLIVEIRA, L. B.; CECCHETTI, E.; CEZARO, R. Z. C; RISKE-KOCH, S. (orgs.) Culturas e diversidade religiosa na américa latina: pesquisas e perspectivas pedagógicas. 2a.ed. Blumenau: Edifurb ; São Leopoldo: Nova Harmonia, 2010. p. 249-270.

ORLANDI, E. P. Terra à vista- Discurso do confronto: Velho e Novo mundo. 2. Ed. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 2008.

PORTO-GONÇALVES, C. W. Apresentação da edição em português. In: LANDER, E. (org.) A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005. (ColecciónSur-Sur).

PORTO-GONÇALVES, C. W. Entre América e Abya Yala – tensões de territorialidades. Revista Desenvolvimento e Meio ambiente, Curitiba, n. 20, p. 25-30, jul./dez.2009.

PRUDENTE, E. Dados do IBGE mostram que 54% da população brasileira é negra. Jornal da USP, 31 jul. 2020. Disponível em:https://jornal.usp.br/radio-usp/dados-do-ibge-mostram-que-54-da-populacao-brasileira-e-negra/. Acesso em: 20 jan. 2021.

QUIJANO, A. Dom Quixote e os moinhos de vento na América Latina. Estudos Avançados 19 (55), 2005. Disponível em https://www.scielo.br/j/ea/a/KCnb9McPhytSwZLLfyzGRDP/?format=pdf〈=pt Acesso em 16 de janeiro de 2021.

Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, E. (org). La colonialidad del saber: eurocentrismo y ciencias sociales. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005. (Colección Sur-Sur). p. 227-278.

QUIJANO, A. El fantasma del desarrollo en América Latina. Revista Venezolana de economía y ciencias sociales, Caracas, n. 2, 2000.

RAMPINELLI, W.; OURIQUES N. D. (Orgs.). Os 500 anos: a conquista interminável. Petrópolis: Vozes, 1999.

RISKE-KOCH, S.; FLEURI, R. Diversidade e Sociedade: Disciplina EAD. UNOCHAPECÓ, 2019.

RUIZ, A. A. Interculturalidad: conceptos, alcances y derecho.México: Mesa Directiva de la Cámara de Diputados del Congreso de la Unión, LXII Legislatura, 2014

SANTOS, B. de S. (Org.). Conhecimento prudente para uma vida decente: “Um discurso sobre as ciências” revisitado. São Paulo: Cortez, 2004.

SILVA, J. de S. Construindo caminhos decoloniais para o Bem Viver Alternativas de ou alternativas ao desenvolvimento?2017. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/322337939_Construindo_caminhos_decoloniais_para_o_Bem_Viver_Alternativas_de_ou_alternativas_ao_desenvolvimento. Acesso em: 15 de janeiro de 2021.

STRECK, D. R.; ADAMS, T.; MORETTI, C. Z. Pensamento Pedagógico em nossa América: uma introdução. In: STRECK, D. R. (Org.). Fontes da pedagogia latino-americana: uma antologia. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2010.

WALSH, C. Interculturalidad, Estado, sociedad. Luchas (de)coloniales de nuestra época. Quito: Universidad Andina Simón Bolívar; Abya-Yala, 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/2175-1838.13.01.DS09

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2021 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.