A influência do discurso filosófico de Nietzsche na reestruturação do conceito de eclesiologia na contemporaneidade

Saulo Pamato

Resumo


Enquanto sustenta um relativismo radical, a pós-modernidade descontrói os conceitos fundamentais das visões tradicionais, rejeitando por completo uma visão única e correta de mundo. Se a concepção medieval lançou seu foco em Deus e a modernidade na realidade externa ao indivíduo, surge na contemporaneidade a centralidade na perspectiva humana líquida, fluida e oscilante. Com isso, não obstante o testemunho bíblico forneça fundamento irrefutável acerca do propósito de Cristo, surge no seio do evangelicalismo moderno um movimento que, embora envolto numa nova roupagem, visa trazer ao debate a validade da doutrina da eclesiologia, oferecendo juízo concernente a sua legitimidade. Cabe à Teologia Cristã em seu estudo crítico compreender a história e desenvolvimento das percepções lógico-filosóficas a fim de tornar relevante o conceito de igreja como instituição divina também no cenário atual.


Palavras-chave


eclesiologia, pós-modernidade, teologia, cosmovisão, evangelicalismo.

Texto completo:

PDF

Referências


AZEVEDO, P. R. Teologia fundamental 1. Campinas: Ecclesiae, 2011.

BANNERMAN, J. A Igreja de Cristo: Um tratado sobre a natureza, poderes, ordenanças, disciplina e governo da Igreja cristã. Recife: Os puritanos, 2014.

BARCALA, M. Cristianismo arreligioso. São Paulo: Arte Editorial, 2010.

BAUMAN, Z. Modernidade e ambivalência. Rio de Janeiro: Zahar, 1999.

BAVINCK, H. Dogmática reformada: Espírito Santo, Igreja e nova criação. São Paulo: Cultura Cristã, 2012.

BOMILCAR, N. Os sem-Igreja. Buscando caminhos de esperança na experiência comunitária. São Paulo: Mundo Cristão, 2012.

BONHOEFFER, D. Tentação. São Leopoldo: Sinodal, 2003.

BRAY, G. Igreja. Um relato teológico e histórico. São Paulo: Vida Nova, 2017.

BUREAU DE PESQUISA E ESTATÍSTICA CRISTÃ. Censo 2010: Em meio ao crescimento evangélico, há grande retração das denominações protestantes históricas. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2017.

CALVINO, J. Instituição da religião cristã. São Paulo: Cultura Cristã, 2002. v. 2.

CAMPOS, I. Desigrejados: Teoria, história e contradições do niilismo eclesiástico. Rio de Janeiro: bvbooks, 2017.

COMPENHAUSEN, H. V. Os Pais da Igreja: A Vida e a doutrina dos primeiros teólogos cristãos. Rio de Janeiro: CPAD, 2010.

COSTA, J. Sociologia da religião: uma breve introdução. Aparecida: Editora Santuário, 2009.

DEBRAY, R. O fogo Sagrado: funções do religioso. Porto: Ambar, 2005.

DELUMEAU, J. Mil anos de felicidade: uma história do paraíso. São Paulo: Companhia das Letras , 1997.

DeYOUNG, K; KLUCK, T. Por que amamos a Igreja. São Paulo: Mundo Cristão, 2010.

DREHER, M. História da Igreja. vol. 1-4. São Leopoldo: Sinodal, 1996.

FERREIRA, F.; MYATT, A. Teologia sistemática. São Paulo: Vida Nova, 2007.

GONZÁLEZ, J. História ilustrada do Cristianismo. São Paulo: Vida Nova, 2011.

HEIDEGGER, M. A sentença nietzschiana “Deus está morto”. Natureza Humana, São Paulo, v. 5, n. 2, p. 471-526, 2003.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo demográfico 2010: características gerais da população, religião e pessoas com deficiência. Disponível em: . Acesso em: 24 abr. 2017.

KIVITZ, E. R. Outra espiritualidade. Fé, graça e resistência. São Paulo: Mundo Cristão, 2006.

LEFRANC, J. Compreender Nietzsche. Petrópolis: Vozes, 2005.

LIMA, S. H. B. A crítica de Nietzsche à religião cristã. 2015. 115 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Religião) — Universidade Católica de Pernambuco, Recife, 2015.

LATOURETTE, K. S. Uma história do cristianismo. São Paulo: Hagnos, 2007.

LOPES, A. N. Os desigrejados. 2010. Disponível em: . Acesso em: 23 mai. 2017.

MATOS, A. S. A caminhada cristã na história: a Bíblia, a igreja e a sociedade ontem e hoje. Viçosa: Ultimato, 2005.

MILLER, A. Os irmãos. Diadema: Depósito de Literatura Cristã, 2005.

MONDIN, B. Os grandes teólogos do século vinte. São Paulo: Edições Paulinas, 1980. v. 2.

MULLIN, A. Nietzsche's free-spirit. Journal of the History of Philosophy, Baltimore, v.38, n.3, p.383-405, 2000.

NIETZSCHE, F. O anticristo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2016a.

NIETZSCHE, F. A gaia ciência. São Paulo: Martin Claret, 2016b.

NIETZSCHE, F. Além do bem e do mal. São Paulo: Martin Claret, 2015.

NIETZSCHE, F. Humano, demasiado humano. São Paulo: Companhia de Bolso, 2008.

OLSON, R. E. História da teologia cristã: 2000 anos de tradição e reforma. São Paulo: Vida, 2001.

PELIKAN, J. A tradição cristã: uma história do desenvolvimento da doutrina. A reforma da igreja e o dogma (1300-1700). São Paulo: Shedd Publicações, 2016.

PIERUCCI, A. F. “Bye bye, Brasil” - o declínio das religiões tradicionais no Censo 2004. Revista de Estudos Avançados, São Paulo, v.18, n.52, p.17-28, 2004.

PORTELLA, R. A religião na sociedade secularizada: urdindo as tramas de um debate. Numen: revista de estudos e pesquisa da religião, Juiz de Fora, v. 11, n. 1 e 2, p. 33-53, 2008.

ROLOFF, J. A Igreja no Novo Testamento. São Leopoldo: Sinodal, 2005.

SOUZA, M. L. R. O réquiem divino: a morte de Deus e A gaia ciência de Nietzsche. 2007. 174 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Religião) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2007.

STRATHERN, P. Nietzsche em 90 minutos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997.

WALKER, W. História da Igreja Cristã. 3ª ed. São Paulo: ASTE, 2006.

ZILLES, U. A crítica da religião na modernidade. Interações, Belo Horizonte, v. 3, n. 4, p. 37-54, 2008.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/2175-1838.11.003.AO03

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.