O princípio pluralista diante das dimensões do lúdico e da festividade

Claudio de Oliveira Ribeiro

Resumo


A pesquisa tem como foco destacar aspectos de novas linguagens teológicas, forjadas nas expressões dos desejos humanos e associadas às dimensões lúdicas e místicas de formas de vida marcadas pela festividade, pela alteridade, pela afirmação da diferença, pela poesia e pelo empoderamento de grupos subalternizados que, nos entrelugares de suas culturas, revelam visões plurais e criativas de vida. Entre os resultados alcançados na pesquisa, destacamos o valor das teologias narrativas e da teopoética, que representam visões de recriação da linguagem teológica, com elementos simbólicos e de forte apelo existencial que traduzem concepções teológicas fundamentais da fé. Metodologicamente, procuramos seguir na trilha de pensar a vida e as experiências religiosas a partir do lugar criativo e propositivo dos entrelugares e fronteiras das culturas, assim como estar atentos à perspectiva dos estudos culturais decoloniais que destaca a tríplice demanda de decoloniadade do poder, do saber e do ser. Para isso, nos esforçamos em articular o princípio pluralista com visões antropológicas que valorizam o lúdico e a festividade, uma vez que tais dimensões nem sempre são realçadas nas análises teológicas e constituem intensa força mobilizadora da vida.

Palavras-chave


princípio pluralista, lúdico, festividade, método teológico, Teologia da Libertação

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, G. Infância e história: destruição da experiência e origem da história. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2005.

AGAMBEN, G. Homo Sacer: O poder soberano e a vida nua. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

AGAMBEN, G. Homo Sacer IV, 2. O uso dos corpos. São Paulo: Boitempo, 2017.

ASSMANN, S. “Apresentação”. In: AGAMBEN, G. Profanações. São Paulo: Boitempo Editorial, 2007.

AQUINO JUNIOR, F. Teoria teológica & Práxis teologal: sobre o método da Teologia da Libertação. São Paulo: Paulinas, 2012.

ARAGÃO, G. “Do transdisciplinar ao transreligioso” (p. 133-148). In: TEPEDINO, A. M. & ROCHA, A. A teia do conhecimento: fé, ciência e transdisciplinaridade. São Paulo: Paulinas, 2008.

ALVES, R. O enigma da religião. Petrópolis: Vozes, 1975.

ALVES, R. Dogmatismo e tolerância. São Paulo: Paulinas, 1982a.

ALVES, R. Variações sobre a vida e a morte: a teologia e sua fala. São Paulo: Paulinas, 1982b.

ALVES, R. Creio na ressurreição do corpo: meditações. Rio de Janeiro: CEDI, 1982c.

ALVES, R. A gestação do futuro. São Paulo: Papirus, 1986.

ALVES, R. Lições sobre feitiçaria: meditações sobre a poesia. São Paulo: Loyola, 2001.

ALVES, R. O Deus que conheço. São Paulo: Verus Editora, 2010.

BHABHA, H. K. O Local da Cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2001.

BINGEMER, M. C. Teologia Latino-Americana: raízes e ramos. Petrópolis: Vozes, 2017.

CATENACI, G. “Rubem Alves: um contemporâneo” (p. 101-123). In: RIBEIRO, C. O. (org.). Teologia Protestante Latino-Americana: um debate ecumênico. São Paulo: Terceira Via, 2018.

CAMPOS, B. M.; MARIANI, C. B.; RIBEIRO, C. O. (orgs.). Rubem Alves e as contas de vidro. São Paulo: Loyola, 2020.

COX, H. A Festa dos Foliões: um ensaio teológico sobre festividade e fantasia. Petrópolis: Vozes, 1974.

GT “Espiritualidades contemporâneas, pluralidade religiosa e diálogo”. Disponível em: http://www.unicap.br/observatorio2/?p=2586. Acesso em: 14 maio 2019.

IDÍGORAS, J. L. Vocabulário Teológico para a América Latina. São Paulo: Paulinas, 1983.

LUCKNER, R. C. S.; KELM, T. R. E.; RIBEIRO, C. O. “Dos jardins com Heidegger à profanação da política: itinerário de Giorgio Agamben” (p. 9-54). In: RIBEIRO, C. O. (org.). Giorgio Agamben em foco. Curitiba: Prismas, 2017.

NOGUEIRA, P. A. S. (org.). “A poética da religião em Rubem Alves” [dossiê]. Estudos de Religião, v. 31, n. 2, p. 153-316, maio/ago. 2017.

MIGNOLO, W. Delinking. The rethoric of modernity, the logic of coloniality and the grammar of de-coloniality. Cultural studies, Abingdon-on-Thames, Routledge, v. 2 and 3, n. 21, p. 449-514, Mar./May 2007.

MIGNOLO, W. Desobediência epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em política. Cadernos de Letras da UFF, Niterói, n. 34, p. 287-324, 2008.

MORIN, E. Educação Ambiental na Escola, História e Contexto. In: MILANEZ, F. (Org.). Educação Ambiental. São Paulo: Paulus, 2008. 36 min., Digital.

MORIN, E. ; MOIGNE, J-L. A inteligência da complexidade. São Paulo: Peirópolis, 2000.

RIBEIRO, C. O. Testemunho e Libertação: a Teologia Latino-Americana em Questão. São Paulo: Fonte Editorial, 2016.

RIBEIRO, C. O. “O princípio pluralista: bases teóricas, conceituais e possibilidades de aplicação”. Revista de Cultura Teológica, v. 25, p. 234-254, 2017a.

RIBEIRO, C. O. “O princípio pluralista”. Cadernos de Teologia Pública – IHU, v. 14, n. 128, 2017b.

RIBEIRO, C. O. “A dimensão política da Teologia Protestante da Libertação. Revista Brasileira de História das Religiões, v. 11, n. 32, p. 75-102, 2018.

RIBEIRO, C. O. “A fé para além da religião, a gratuidade para além da política: Rubem Alves em jogo”. Numen, v. 22, n. 2, p. 95-106, 2019.

RIBEIRO, C. O. “O debate sobre o princípio pluralista”. Cadernos de Teologia Pública – IHU, v. 17, n. 145, 2020.

SANTOS, B. S. A gramática do tempo: para uma nova cultura política. São Paulo: Cortez, 2010.

TAMEZ, E. “Teologia e festa” (p. 141-149). In: ALMEIDA, E. F.; LONGUINI NETO, L. Teologia para quê? Rio de Janeiro: Mauad X, 2007.

WARD, K. Deus: um guia para os perplexos. Rio de Janeiro-RJ, DIFEL, 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/2175-1838.12.003.DS03

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.