Frida Maria Strandberg, uma missionária esquecida: movida pela Ruah e impedida pelos “homens de Deus”

Claudete Beise Ulrich, Leicyelem von Rondow da Silva, Valéria Cristina Vilhena

Resumo


O artigo reflete sobre a memória esquecida e invisibilizada da missionária ordenada Frida Maria Strandberg, enviada pela missão da Igreja Filadélfia de Estocolmo (Suécia) ao Brasil em 1917, para atuar na missão brasileira da Igreja “Assembleias de Deus” (registrada com este nome em 1918). Frida Maria foi impulsionada pela Ruah (Espírito divino) para ser ensinadora ou docente da Palavra de Deus. Ela era também enfermeira, atuando ainda na área da saúde. Frida Maria tinha grande capacidade de liderança e também de escrita e escreveu com certa regularidade em três jornais das Assembleias de Deus. Foi uma mulher missionária, que afirmava que a Ruah sopra igualmente sobre mulheres e homens, sendo precursora das reivindicações femininas no meio pentecostal. Essas reivindicações de Frida foram motivo da primeira convenção das Igrejas Assembleias de Deus, já em 1930. Ela não pôde participar desta reunião, e a sua luta — conjunta com seu marido A. Gunnar Vingren — pela ordenação igualitária das mulheres nos diferentes ministérios da Igreja não obteve resultados à época. Os “homens de Deus” se articularam e conseguiram invisibilizar e ocultar a luta de Frida: ela foi moralmente perseguida e faleceu enferma, sendo considerada portadora de doença mental. A partir de 2009, a sua memória vem sendo recuperada, inspirando a mobilização de muitas mulheres assembleianas no tempo presente, em suas atividades contra a violência simbólica que se manifesta através dos discursos religiosos que continuam colocando as mulheres em lugares subordinados aos homens na Igreja, na família e na sociedade. Nosso posicionamento é que a missão do Reino de Deus só será plena com a participação das mulheres em todas as áreas do saber e do fazer, incluindo as Igrejas. A Ruah continua soprando e a memória recuperada de Frida Maria torna-se luz para as reivindicações de cidadania eclesial para as mulheres, especialmente nos meios pentecostais.


Palavras-chave


Missão; Ruah; Movimento pentecostal; Frida Maria Strandberg; mulheres; gênero; memória

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, I. Dicionário do Movimento Pentecostal. Rio de Janeiro: Casa Publicadora das Assembleias de Deus, 2007.

ARAÚJO, I. 100 acontecimentos que marcaram a história das Assembleias de Deus no Brasil. Rio de Janeiro: CPAD, 2011.

ALENCAR, G. Frida Vingren (1891-1940): quando uma missão vale mais que a vida. In: OROZCO, Y. P. (Org.). Religiões em Diálogo: Violência contra as Mulheres. São Paulo: Católicas pelo Direito de Decidir, 2009. p. 69-85.

ALENCAR, G. Assembleias brasileiras de Deus: teorização, história e tipologia 1911- 2011. Tese (Doutorado em Ciências da Religião — Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2012.

BOSI, E. Memória e sociedade: lembrança de velhos. 9. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

BOURDIEU, P. A dominação masculina. Trad. Maria Helena Kühner. 3. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.

DEIFELT, W. Da cruz à árvore da vida: epistemologia, violências e sexualidade. In: NEUENFELDT, E.; BERGESCH, K.; PARLOW, M. Epistemologia, violência e sexualidade: Olhares do II Congresso Latino-Americano de Gênero e Religião. São Leopoldo: Sinodal/EST, 2008.

DREHER, M. N. História do Povo de Jesus: Uma leitura latino-americana. São Leopoldo: Sinodal, 2013.

FAJARDO, M. O campo religioso em Belém do Pará: reflexões sobre o evento fundador da Igreja Assembléia de Deus no Brasil. Mneme - Revista de Humanidades, v. 12, n. 29, p. 405- 420, 2011. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/mneme/article/view/1023/974. Acesso em 25 set. 2018.

FRESTON, P. Breve histórico do pentecostalismo brasileiro. In: ANTONIOZZI, A. et al. Nem anjos nem demônios: interpretações sociológicas do pentecostalismo. Petrópolis: Vozes, 1994.

GEBARA, I. Teologia, feminismo e filosofia. Revista Cult, 31 mar. 2010. Disponível em: . Acesso em: 20 out. 2018.

GIBERT, A. A Igreja ou Assembleia de Deus. Lisboa: Buenas Novas, 1982.

HÄGGLUND, B. História da Teologia. Porto Alegre: Concórdia, 1999.

LAGARDE, M. Los cautiverios de las mujeres: madresposas, monjas, putas, presas y locas. México: Universidad Nacional Autónoma, 1997.

LIMA, Daniel Barros de; ALENCAR, Gedeon de; CORREA, Marina Santos (Orgs.). Reforma Protestante e Pentecostalismo: convergências e divergências. Carta Proclamação. Manaus: FBN/Vitória: Editora Unida, 2017. p. 227-229.

LE GOFF, J. História e memória. Trad. Bernardo Leitão. 5. ed. Campinas: Unicamp, 2003.

MATOS, Alderi Souza de. O movimento pentecostal: Reflexões a propósito do seu primeiro centenário. Fides Reformata, XI, n. 2, p. 23-50, 2006. Disponível em: http://www.monergismo.com/textos/pentecostalismo/100-movimento-pentecostal_alderi.pdf. Acesso em: 20 set. 2018.

MIRANDA. A. A epidemiologia das doenças infecciosas no início do séc. XX e a criação da Faculdade de Medicina e Cirurgia do Pará. Tese de doutorado. Cap I. Belém: UFPA, 2013.

MOLTMANN, J. O Espírito da Vida: uma pneumatologia integral. 2. ed. São Paulo: Vozes, 2010.

MORAES, I. A. Frida Vingren: uma biografia da mulher de Deus, esposa de Gunnar

Vingren, pioneiro das Assembleias de Deus no Brasil. Rio de Janeiro: CPAD, 2014.

MORAES, I. A. História do movimento pentecostal no Brasil. Rio de Janeiro: CPAD, 2016.

MOTA, C. V. A missionária sueca perseguida no Brasil, internada em hospício e ‘esquecida’ pela História. BBC News Brasil, São Paulo, 22 jul. 2018. Disponível em: . Acesso em: 31 out. 2018.

MOWCZKO, M. Phoebe Palmer: The mother of the holiness movement. Marg Mowczko, 10 jun. 2011. Disponível em: . Acesso em: 30 out. 2018.

NORELL, K. Halleluja Brasilien! Em resa till knarkgängens, favelas och den helige

andens land. Stockholm: Ed. Bladh by Bladh, 2011.

PEIXOTO, M. Á. S. Escritos de si e memória coletiva: Frida Maria Strandberg (Vingren) e a Missão da Fé Apostólica. Bragança: UFPA, 2017.

PERROT, M. Minha história das mulheres. Trad. Angela M. S. Côrrea. São Paulo: Contexto, 2007.

PINTO, C. R. J. Feminismo, História e Poder. Revista Sociologia e Política, v. 18, n. 36, p. 15-23, jun. 2010. Disponível em: . Acesso em: 5 nov. 2018

POLLAK, M. Memória, esquecimento e silêncio. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, p. 3-15, 1989. Disponível em: . Acesso em: 5 nov. 2018.

RUETHER, R. R. Sexismo e religião: rumo a uma teologia feminista. Trad. Walter Altamann e Luís Marcos Sander. São Leopoldo: Sinodal, 1993.

SOARES, K. G. As formas de morar na Belém da Belle-Époque (1870-1910). Belém: UFPA, 2008.

ULRICH, C. B. Recuperando espaços de emancipação na história de vida de ex-alunas de escola comunitária luterana. Tese (Doutorado em Teologia) — Faculdades EST, São Leopoldo, 2006.

VILHENA, V. C. Violências de Gênero, Evangélicos (as) políticos e os Direitos Humanos. In: VILHENA, V. C. (Org.). Evangélicas por sua voz e participação: Gênero em Discussão. São Paulo: Fonte, 2015.

VILHENA, V. C. A insubordinada das Assembleias de Deus no Brasil: uma análise de gênero sobre a trajetória de vida da missionária Frida Maria Strandberg. Religare, v. 13, n. 1, p. 85-118, jul. 2016a. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2018.

VILHENA, V. C. Um olhar de gênero sobre a trajetória de vida de Frida Maria Strandberg (1891-1940). Tese (Doutorado em Educação, Arte e História da Cultura) — Pós-Graduação em Educação, Arte e História da Cultura, Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2016b.

VILHENA, V. C. O cenário sócio histórico brasileiro no início do século XX: o surgimento do movimento pentecostal, Frida Maria Strandberg e as lutas das mulheres. Reflexus - Revista Semestral de Teologia e Ciências das Religiões, n. 17, v. 11, p. 97-133, 1. sem. 2017. Disponível em: . Acesso em: 20 jul. 2017.

VILHENA, V. C. Frida Maria Strandberg (1891-1940): mais do que esposa de pastor. São Paulo: Fonte, 2018.

VINGREN, I. Gunnar Vingren: o diário do pioneiro. 2. ed. Rio de Janeiro: CPDA, 1982.

VINGREN, I. Diário do Pioneiro. Rio de Janeiro: CPDA, 2010.

ZIMMERLING, P. Starke fromme Frauen. 4. Auf. Giessen: Brunnen, 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/2175-1838.10.003.DS08

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.