Teologia da kénosis e relações de gênero: uma perspectiva de leitura

Jaci de Fátima Souza Candiotto

Resumo


Este estudo objetiva analisar, a partir de Gianni Vattimo e de outros pensadores, a passagem de uma imagem de “Deus-forte” e racional correspondente à era da metafísica para a percepção niilista e secularizada de um “Deus-fraco” na Modernidade, e como esta última pode ser pertinente para repensar o lugar do cristianismo no mundo atual; em seguida, e para além de Vattimo, se busca identificar não somente na kénosis da encarnação, mas também na da crucificação, uma percepção do divino que responda aos grandes desafios da contemporaneidade, especialmente o da violência como causadora do sofrimento humano; finalmente, se procura repensar o sofrimento das mulheres a partir da kénosis da crucificação e a possibilidade da teologia das relações de gênero de elaborar uma leitura singular da teologia kenótica.


Palavras-chave


Kénosis; sofrimento; relações de gênero; mulheres; teologia.

Texto completo:

PDF

Referências


ARENDT, H. Origens do totalitarismo: Antissemitismo, imperialismo, totalitarismo. Trad. Roberto Raposo. São Paulo: Companhia de Bolso, 2012.

BACON, F. Novum Organum. Livro I. In: BACON, F. Os pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1973. Aforismo III.

BONHÖEFFER, D. Resistência e submissão: cartas e anotações escritas na prisão. Org. Ch. Gremmels, E. Bethge e R. Bethge, coop. I. Tôdt. São Leopoldo: Sinodal/EST, 2003.

COAKLEY, S. Kenosis and Subversion: On the Repression of the Vulnerability in Christian Feminist Writing. In: COAKLEY, S. (Ed.). Powers and Submissions: Spirituality, Philosophy and Gender. Malden: Blackwell Publishers, 2002. p. 3-39.

COAKLEY, S. Kenosis, Theological Meanings and Gender Connotations. In:

POLKINGH, J. The Word of Love: Creation as Kenosis. Grand Rapids: William B. Eerdmans Publishing Co., 2001. p. 192-210.

DESCARTES. Meditações et al. Introd. Gilles-Gaston Granger, trad. J. Guinsburg, Bento Prado Júnior. São Paulo: Abril Cultural, 1973. (Coleção Os Pensadores, v. 15).

DELEUZE, G.; GUATARRI, F. Mille Plateaux. Paris: Minuit, 1980.

FERRY, L. Aprender a viver: filosofia para os novos tempos. Rio de Janeiro: Objetiva, 2007.

FRASCATI-LOCHHEAD, M. Kenosis and Feminist Theology: The Challenge of Gianni Vattimo. New York: State University of New York Press, 1998.

GROENHOUT, R. Kenosis and Feminist Theory. In: EVANS, S. (Ed.). Exploring Kenotic Christology: The Self-Empying of God. Oxford: University Press, 2006. p. 291-312.

HABERMAS, J. El resurgimiento de la religión, un reto para la autocomprensión de la modernidade?. Diánoia, n. 60, 2008.

HEIDEGGER, M. Ser e tempo. Trad. de Fausto Castilho. Editora da Unicamp; Vozes, 2012.

KANT, I. Fundamentação da metafísica dos costumes. Trad. Paulo Quintela. São Paulo: Abril Cultural, 1973.

KANT, I. Resposta à pergunta: Que é “Esclarecimento”? (Aufklärung). In: KANT, I. Textos seletos. Introdução de Emmanuel Carneiro Leão; tradução de Raimundo Vier (prefácios à Crítica da razão pura) e Floriano de Souza Fernandes (demais textos). 3. Ed. Petrópolis: Vozes, 2005.

NOVOA P., A.; VÉLEZ C., O. C. La categoría kénosis: una lectura desde la perspectiva de género. Theologica. Xaveriana. [online], Bogotá, v. 60, n. 169, p. 159-190, jan./jun. 2010.

PORCILE, M. T. La encarnación del Hijo de Dios en forma masculina y la lógica de la kénosis. RELAT: Revista Electrónica Latinoamericana de Teología, n. 170, [20-?]. Disponível em: . Acesso em: 08 fev. 2011.

ROLDÁN, A. F. La kénosis de Dios en la interpretación de Gianni Vattimo: hermenéutica después de la Cristiandad. Teología y cultura, año 4, v. 7, 2007.

TAVARES, S. S. Teologia da criação: outro olhar, novas relações. Petrópolis: Vozes, 2010.

VATTIMO, G. Après la chrétienté. Paris: Calmann-Lévy, 2004.

WEBER, M. A ética protestante e o espírito do capitalismo (Capítulos II e V). In: Weber. Trad. M. Irene de Q. F. Szmrecsányi, Tamás J. M. K. Szmrecsányi. São Paulo: Abril Cultural, 1974. (Coleção Os Pensadores, v. 37).




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/2175-1838.10.002.AO03

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.