Professores, violência e convivência social: por uma cultura da paz

Kátia Silva Cunha, Matheus Silva Cunha

Resumo


Este trabalho discute o fenômeno da violência, principalmente quando esta ocorre no contexto da escola. Para fomentar este estudo, foi realizada uma revisão narrativa da literatura e para tal, priorizamos artigos sobre a temática, além de informações trazidas por reportagens, acessadas diretamente nos sites. Para a busca dos artigos, foram utilizadas as seguintes palavras-chave: violência e convivência na escola, violência, professores e cultura da paz. A proposta é tentar buscar responder como a cultura da paz pode amenizar o fenômeno da violência na escola? Para tal, focaremos em duas perguntas: Quais as raízes da violência? Como professores podem lidar com o fenômeno da violência no ato de desenvolver uma prática pedagógica firmada na cultura da paz? Afirmamos que a violência está associada a diferentes causas e que já existem iniciativas que apontam para uma solução, entretanto afirmamos, que o tema da violência no meio escolar não pode mais passar despercebido pelos formuladores das políticas, nem por aqueles que estudam este fenômeno a partir de uma perspectiva mais prática, como ocorre no campo da Teologia. Assim, espera-se contribuir com o estudo da violência, ancorando-a também no viés da espiritualidade, no sentido de recuperação e comprometimento com a alteridade, cuja finalidade é a promoção de uma cultura da paz.


Palavras-chave


Violência. Violência na Escola. Cultura da Paz. Espiritualidade.

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, S. Exclusão socioeconômica e violência urbana. Sociologias, Porto Alegre, v. 4, n. 8, p. 84-135, 2002.

ARENDT, H. Entre o passado e o futuro. 3. ed. São Paulo: Perspectiva, 1992.

BATELLA, W. B.; DINIZ, A. M. A. Análise Espacial dos Condicionantes da Criminalidade Violenta no Estado de Minas Gerais. Sociedade & Natureza, Uberlândia, v. 22, n. 1, p. 151-163, abr. 2010.

BATISTA, A. L.; EL-MOOR, P. Violência e agressão. In: CODO, W. (coord.). Educação: carinho e trabalho. Rio de Janeiro: Vozes, 1999.

BALL, S. J.; MAGUIRE, M.; BRAUN, A. Como as escolas fazem as políticas: atuação em escolas secundárias. Trad. Janete Bridon. Ponta Grossa: Editora UEPG, 2016.

BLANCO, R.; et al. Educação de qualidade para todos: um assunto de direitos humanos. 2. ed. Brasilia: UNESCO, OREALC, 2008.

BRICEÑO-LEÓN, R. La Violencia en América Latina: Salud Pública y Cambio Social. In: BRONFMAN M.; CASTRO, R. (orgs.). Salud, Cambio Social y Política. Perspectivas desde América Latina. México: EDAMEX, 1999.

BUTLER, J. Quadros de Guerra: quando a vida é passível de luto: Civilização Brasileira, Rio de Janeiro, 2015.

CARVALHO NETO, T. Combate ao bullying nas escolas. Revista de Educação Física, n. 38, dez. 2010.

CERQUEIRA, D.; LOBÃO, W. Determinantes da Criminalidade: Arcabouços Teóricos e Resultados Empíricos. Dados – Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 47, n. 2, p. 233-269, 2004.

CHAGAS, A. Violência contra professores. Quando a tarefa de ensinar vira caso de violência. Terra, 2010. Disponível em: . Acesso em: 20 jul. 2017.

CHARLOT, B. Ensinar e formar: a lógica dos discursos e lógica das práticas. In: CHARLOT, B. Relação com o saber, formação de professores e globalização: questões para a educação hoje. Porto Alegre: Artmed, 2005.

CHARLOT, B. Da relação com o saber: Elementos para uma teoria. Porto Alegre: Artmed, 2000.

COLLINS, R. Micro and Macro Causes of Violence. International Journal of Conflict and Violence, v. 3, n. 1, p. 9-22, 2009.

DÓREA, C. R. D. Anísio Teixeira e a arquitetura escolar, planejando escolas, construindo sonhos. Revista da FAEEBA, Salvador, n. 13, p. 151-160, jan./jun. 2000.

DURAS, M. O deslumbramento de Lol. V. Stein. Trad. Ana Maria Falcão. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986.

ESTUDANTE agride professor após pedido para desligar celular na aula. G1, Rio Preto e Araçatuba, março, 2016. Disponível em: . Acesso em:15 mar. 2016.

FRAGO, V. A.; ESCOLANO, A. Currículo, espaço e subjetividade: a arquitetura como

programa. Trad. Alfredo Veiga-Neto. 2. ed. Rio de Janeiro: Ed. DP7A, 2001.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 24. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

FREIRE, P. Professora sim, tia não: cartas a quem ousa ensinar. São Paulo: Editora Olho d’Água, 1997.

GRENZ, S. J.; OLSON, R. E. A teologia do século 20 e os anos críticos do século 21 – Deus e o mundo numa era líquida. São Paulo: Cultura Cristã, 2013.

GUIMARÃES, A. M. A dinâmica da violência escolar: Conflito e ambiguidade. Campinas: Autores Associados, 1996.

HEIDRICH, G. Aqui, a violência não entra. Gestão escolar, São Paulo, 1 abr. 2009.

Disponível em: . Acesso em: 01 abr. 2009.

HOBBES, T. Leviatã ou matéria, forma e poder de um Estado eclesiástico e civil. Trad. João Paulo Monteiro e Maria Beatriz Nizza da Silva. São Paulo: Abril Cultural, 1974.

HERNÁNDEZ, F. Transgressão e mudança na educação: os projetos de trabalho. Trad. Jussara Haubert Rodrigues. Porto Alegre: Artmed, 1998.

HOCH, L. C. O lugar da teologia prática como disciplina teológica. Estudos Teológicos, v. 32, n. 2, p. 100-112, 1992.

HOLANDA, V. R.; et al. Análise da produção científica nacional sobre a utilização de tecnologias digitais na formação de enfermeiros. Revista Eletrônica de Enfermagem, v. 15, n. 4, p. 1068-1077, out-dez. 2013.

LACLAU, E.; MOUFFE, C. Hegemonia e Estratégia Socialista: Por uma política democrática radical. São Paulo: Intemeios: Brasília, 2015.

LATERMAN, I. Violência e incivilidade na escola. Florianópolis: Letras contemporâneas, 2000.

LOPES A. C.; BORGES, V. Formação docente, um projeto impossível. Cadernos de Pesquisa, v. 45, n. 157, p. 486-507, jul/set. 2015.

LOPES, A. C.; MACEDO, E.; TURA, M. de L. As representações sociais e os estudos de política de currículo para a formação docente. In: PLACCO, V. M. N. de S; VILLA BÔAS, L. P.S.; SOUSA, C. P. de (org.). Representações sociais: diálogos com a educação. São Paulo: Champagnat/FCC, 2012.

MAÇANEIRO, M. O labirinto Sagrado: ensaios sobre religião, psique e cultura. São Paulo: Paulus, 2011.

McLAREN, B. D. A mensagem secreta de Jesus: desvendando a verdade que poderia mudar tudo. Rio de Janeiro: Thomas Nelson Brasil, 2007a.

McLAREN, B. Everything Must Change: Jesus, Global Crises, and a Revolution of Hope. Tennesee: Thomas Nelson Inc.; Colorado Springs: Helmers Literary Agency, 2007b.

MELO, N. V. de. A ética da Alteridade em Emmanuel Levinas. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2003.

ODALIA, N. O que é violência? São Paulo: Brasiliense, 2004.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). Declaração Universal Dos Direitos Humanos. Assembleia Geral das Nações Unidas em Paris. 10 dez. 1948. Disponível em:

. Acesso em: 26 mai. 2017.

PADILLA, C. R. Missão Integral – O reino de Deus e a igreja. Viçosa: Editora Ultimato, 2014.

POMMERENING, C. I. Desafios de uma proposta pneumatológica para o pentecostalismo.

Azusa – Revista de Estudos Pentecostais, Joinville, v. 7, n. 1, 2016.

PORTAL, L. L. F. Espiritualidade: uma dimensão essencial na experiência significativa da vida. In: TEIXEIRA, E. F. B.; MÜLLER, M. C; SILVA, J. D. T. da. (orgs.). Espiritualidade e Qualidade de Vida. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2004.

PÉREZ GÓMEZ, A. I.; SACRISTAN, G. Compreender e transformar o ensino. São Paulo: Artmed, 1998.

PROFESSOR é agredido por aluno em escola estadual em Pouso Alegre, MG. G1, Sul de Minas, Minas Gerais, junho, 2016. Disponível em: . Acesso em: 16 jun. 2016.

RAINE, A. A anatomia da violência: as raízes biológicas da criminalidade. Porto Alegre: Artmed, 2015.

ROLNIK, R. Exclusão territorial e violência. São Paulo Perspec., v. 13, n. 4, p. 100-111, 1999. ISSN 0102-8839. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-88391999000400011. Acesso em: 20 jun. 2016.

RUSSEL, P. Educação Religiosa: fundamentação antropológica cultural da religião segundo Paul Tillich. São Paulo: Paulinas, 2007.

SPOSITO, M. P. A Ilusão fecunda: a luta por educação nos movimentos populares. In: GONÇALVES, L. A. Práticas contra a violência escolar: a experiência de escolas municipais de Belo Horizonte e Contagem. Belo Horizonte: Grupo de Avaliação e Medidas Educacionais. UFMG, 2000.

THORNBERRY, T; HUIZINGA, D; LOEBER, R. The Causes and Correlates Studies: Findings and Policy Implications. Office of Juvenile Justice and Delinquency Prevention, 2004.

VIOLÊNCIA causa transtornos e afasta quase 40 mil professores da sala de aula na rede estadual de São Paulo. Disponível em: . Acesso em: 20/7/2017.

VIRKLER, H. A. Hermenêutica avançada: princípios e processos de interpretação bíblica. Trad. Luiz Aparecido Caruso, São Paulo, Editora Vida, 2001.

ZALUAR, A.; LEAL, M. C. Violência extra e Intramuros. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 16, n. 45, p. 145-164, 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/2175-1838.10.001.DS02

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.