O humano, a contradição entre o pecador e o justo. Uma antropologia a partir de González Faus

Waldir Souza

Resumo


Os seres humanos perdidos em busca da fonte que os tornam humanos,
encontram nessa mesma fonte, ou seja, no Amor, a experiência da
fraternidade que os levam à se sentirem filhos do mesmo Pai. Este ser
humano perdido traz em si sinais de contradição, e quiçá seja ele mesmo
contraditório. Mas suas contradições podem ser uma forma de respeito,
uma renúncia ao poder, uma chamada a essa maneira de olhar que conhece
por comunhão e não por domínio.


Palavras-chave


Antropologia; Teologia; Criação; Criaturidade; Contradição.

Texto completo:

PDF

Referências


AGOSTINHO. Confissões. São Paulo: Abril Cultural. 1973. (Coleção Os

Pensadores VI).

BÍBLIA DE JERUSALÉM. São Paulo: Paulus, 2007.

BOSSHARD, S. N. Fe cristiana y sociedad moderna. Madrid: [s.n.], 1984. v. 3.

CUSSON, G. Notes d’anthropologie biblique. Roma: [s.n.], 1977.

DE LA PEÑA, J. L. R. Imagen de Dios: antropología teológica fundamental.

Santander: Sal Terrae, 1988.

FAUS, J. I. G. La humanidad nueva: ensayo de cristología. Burgos:

EAPSA, 1974.

______. Proyecto de hermano: visión creyente del hombre. Santander: Sal

Terrae, 1987.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Dicionário Aurélio básico da

língua portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1995.

LADARIA, L. F. Antropología teológica. Madrid: Universidad Pontificia

Comillas, 1983.

MANIQUEÍSMO. In: FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda.

Dicionário Aurélio básico da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Nova

Fronteira, 1995. p. 252.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/pp.v1i1.21531

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.