A religião nas tensões e inquietações da vida: Análise Fenomenológica da experiência religiosa de Santo Agostinho

Paulo Sérgio Lopes Gonçalves

Resumo


Objetiva-se neste artigo, apresentar a análise fenomenológico-hermenêutica de Martin Heidegger sobre a religião em Santo Agostinho. Justifica-se este objetivo, o fato de que, tomando por fundamento a obra Phänomenologie des Religiösen Lebens (1920-1921), especificamente a lição intitulada “Augustinismus und Neuplatonismus”, em que analisa o livro X das Confissões de Santo Agostinho, e a obra Ontologie. Hermenutik der Faktizität (1923), em que são apresentados os elementos fundamentais de uma ontologia ou fenomenologia-hermenêutica da facticidade, torna-se possível efetuar uma análise fenomenológico-hermenêutica da religião, inferindo uma concepção de

religião como experiência religiosa. Assim sendo, identificando filosofia com fenomenologia, é definido o conceito de mundo de modo tripartido — mundo de si, mundo dos outros e mundo ambiente —, é explicitada a concepção de história e efetiva-se a análise fenomenológico-hermenêutica da religião com centralidade na faktische Lebenserfahrung. Deste modo, realça-se a relevância da memória para se alcançar a beata vita, as tentações da carne, dos olhos e da soberba, e a importância da categoria curare nas experiências de decadência e de acesso que o homem realiza em sua vida.
Serão acrescentados ainda a esta análise, elementos inferidos da leitura da obra A verdadeira Religião (391) do pensador de Hipona, na qual desenvolve também as tentações supra mencionadas, de modo diverso ao livro X das Confissões, mas passível de aplicação da fenomenologia hermenêutica, possibilitando ampliação de análise. Conclui-se que a fenomenologia hermenêutica centra-se na existência compreendida como vida fática para compreender e interpretar a religião como experiência religiosa.


Palavras-chave


Fenomenologia hermenêutica; Faktische Lebenserfahrung; Curare; Experiência religiosa.

Texto completo:

PDF

Referências


AGOSTINHO. Confissões. São Paulo: Paulus, 1997.

AGUSTÍN. De Vera Religione. In: Obras de San Agustín. v. 4. Biblioteca de Autores Cristianos. Madrid: La Editorial Católica, 1948.

ALES BELLO, A. Il senso del sacro. Dall’arcaicità alla desacralizzazione. Roma: Castelvecchi, 2014.

ARENDT, H. O conceito de amor em Santo Agostinho. Ensaios de interpretação filosófica. Lisboa: Piaget, 1997.

CERQUEIRA, G. J. Confissões de Santo Agostinho: Memória e Perdão. In: Centro de Literatura e Cultura Portuguesa e Brasileira – Faculdade de Ciências Humanas (Orgs.). Actas do Congresso Internacional. As Confissões de Santo Agostinho: 1600 anos depois: Presença e Actualidade. Lisboa: Universidade Católica Portuguesa, 2002, p. 7667-788.

FISCHER, N. Narrativa – Reflexão – Meditação. O problema do tempo na estrutura global das Confessiones. In: Centro de Literatura e Cultura Portuguesa e Brasileira — Faculdade de Ciências Humanas (Orgs.): Actas do Congresso Internacional. As Confissões de Santo Agostinho: 1600 anos depois: Presença e Actualidade. Universidade Católica Portuguesa: Lisboa, 2002, p. 255-266.

GILSON, E. Introduction à l’étude de Saint Augustin. Librairie Philosophique J. Paris: Vrin, 1943.

GONÇALVES, P. S. L. Ontologia hermenêutica e Teologia. Aparecida: Santuário, 2011. p. 59-105.

GONÇALVES, P. S. L. A experiência religiosa à luz da fenomenologia hermenêutica. In: GONÇALVES, P. S. L. (Org.). Um olhar filosófico sobre a Religião. Aparecida: Ideías & Letras, 2012b. p. 77-112.

GONÇALVES, P. S. L. A religião à luz da fenomenologia hermenêutica heideggeriana. In: Horizonte 10/26, 2012a, p. 566-583.

HARNACK, A. Lehrbuch der Dogmengeschichte. Band 3. Die Entwikkelung des kirchlichen Dogmas. Tübingen: Möhr, 1910.

HEIDEGGER, M. Phänomenologie des Religösen Lebens. In: esamtausgabe. Band 60. Frankfurt am Main: Vittorio Klostermann, 1995.

HEIDEGGER, M. Ontologie. Hermeneutik der Faktizität. Gesamtausgabe. Band 63. Frankfurt am Main: Vittorio Klostermann, 1982.

HEIDEGGER, M. Phänomenologische Interpretationen zu Aristoteles.

Einführung in die Phänomenologische Forschung. In: Gesamtausgabe. Band 61.

Frankfurt am Main: Vittorio Klostermann, 1985.

HENRU, M. Paroles Du Christ. Paris: Éditions Du Seuil, 2002.

HOCK, K. Introdução à Ciência da Religião. São Paulo: Loyola, 2010.

LETTIERI, G. Capitulo 11: Agostino. In: COVOLO, Enrico dal (Org.). Storia della Teologia. Tomo I. Dalle origini a Bernardo di Chiaravalle. Bologna: Dehoniane, 1995. p. 352-424.

MAC DOWELL, J. A gênese da ontologia fundamental de M. Heidegger. São Paulo: Loyola, 1993.

MATTHEWS, G. B. Santo Agostinho. A vida e as idéias de um filósofo adiante de seu tempo. Rio de Janeiro: Zahar, 2007.

PASTOR, F. A. Quaerentes summum Deum. Búsqueda de Dios y lenguaje de Fe em Agustín de Hipona. In: Gregorianum 81/3, 2000. p. 453-491.

PY, M. O estudo das religiões: novos tempos, tarefas e opções, In: CRUZ, E. – DE MORI, G. (Orgs.). Teologia e Ciências da Religião. A caminho da maioridade acadêmica no Brasil. Belo Horizonte: Paulinas / ANPTECRE / Editora PucMinas, 2011. p. 15-24.

PÖGGELER, O. El camino del pensar de Martin Heidegger. Madrid: Alianza Editorial, 1986.

TROELTSCH, E. Augustin, die christliche Antike und das Mitelalter. In: Anschluss an die Schrift De Civitate Dei. München – Berlin: Oldenbourg, 1915.

VON HERMANN, F. W. Die Metaphysik im Denken Heideggers. Cittá del Vaticano: Urbaniana, 2004.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/revistapistispraxis.08.002.ds03

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.