QUEM SOMOS! O debate sobre o conceito de pessoa e o início da vida

Karen Bergesch

Resumo


O presente artigo reflete sobre o tema do início da vida e o conceito de pessoa. Para se definir o início da vida é necessário compreender quem é a pessoa, visto que a vida humana não começa com a formação de um novo indivíduo, mas se mantém através dele. Ao debate pertencem a compreensão de autonomia, dignidade e materialidade humana, pois a existência humana e as possibilidades de pesquisa com embriões ocorrem através da corporeidade. O encontro interdisciplinar pode enriquecer o debate, apresentando perspectivas diferentes sobre a compreensão da vida e os cuidados necessários frente à fragilidade humana. A multiplicidade característica da pós-modernidade é desafiada quando decisões precisam ser realizadas. Por isso, tão importante quanto o resultado final é o processo de amadurecimento das questões colocadas.


Palavras-chave


Vida humana; Conceito de pessoa; Autonomia; Dignidade; Corporeidade.

Texto completo:

PDF

Referências


AMMICHT-QUINN, R.; JUNKER-KENNY, M.; TAMEZ, E. Editorial. In: AMMICHTQUINN, R.; JUNKER-KENNY, M.; TAMEZ, E. O discurso da dignidade humana. Concilium, v. 2, n. 300, p. 5(165)-8(168), 2003a.

AMMICHT-QUINN, R. Quem possui dignidade intocável? O ser humano, a máquina e a dignidade. In: AMMICHT-QUINN, R.; JUNKER-KENNY, M.; TAMEZ, E. O discurso da dignidade humana. Concilium, v. 2, n. 300, p. 31(191)-44(204), 2003b.

CLOTET, J. Bioética: uma aproximação. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2003.

DÜWELL, M. Utilitarismus und bioethik: das Beispiel von Peter Singers Praktischer Ethik. In: DÜWELL, M.; STEIGLEDER, K. Bioethik: eine Eiführung. Frankfurt am Main: Suhrkamp, 2003. p. 57-71.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. 17. ed. Petrópolis: Vozes, 1998.

GOLDIM, J. R. Início da vida de uma pessoa humana. Disponível em:

. Acesso em: 22 jul. 2009a.

______. Quando a vida começa? Disponível em: . Acesso em: 22 jul. 2009b.

KLESSMANN, M. Zur ethik des leibes: am Beispiel des Körperschemas. In: KLESSMANN, M.; LIEBAU, I. Leiblichkeit ist das ende der werke gottes: Körper, Leib, praktische theologie. Göttingen: Vandenhoeck und Ruprecht, 1997. p. 80-90.

KUNZMANN, P. Person: die entscheidende instanz in bioethischen Debatten? In: BUSCH, R. J. FORUMTTN. Munique: Herbert UTZ, 2005. v. 13. p. 17-32.

LEPARGNEUR, H. Bioética, novo conceito: a caminho do consenso. São Paulo: Loyola, 1996.

SANTAELLA, L. Culturas e artes do pós-humano: da cultura das mídias à cibernética. São Paulo: Paulus, 2003.

SCHNEIDER-HARPPRECHT, C. Leib-Sorge? Die Wiederentdekung des Leibes in der Seelsorge. In: SCHNEIDER-HARPPRECHT, C.; ALLWINN, S. (Hg.). Psychosoziale dienste und seelsorge im krankenhaus: eine neue Perspektive der Alltagsethik. Göttingen: Vandenhoeck & Ruprecht, 2005. p. 202-222.

SINGER, P. O que há de errado em matar? In: SINGER, P. Vida ética: os melhores ensaios do mais polêmico filósofo da atualidade. Rio de Janeiro: Ediouro, 2002a, p. 161-185.

______. Ética prática. São Paulo: Martins Fontes, 2002b.

STRECKER, J. Körperorientierte und kreative methoden in der Seelsorge. In: POHLPATALONG, U.; MUCHLINSKY, F. Seelsorge im plural: perspektiven für ein neues Jahrhundert. Hamburg: E. B. Verlag, 1999. p. 153-166.

VALADIER, P. A pessoa em sua dignidade. In: AMMICHT-QUINN, R.; JUNKERKENNY, M.; TAMEZ, E. O discurso da dignidade humana. Concilium, v. 2, n. 300, p. 45(205)-53(213), 2003.

VERSPIEREN, P. A dignidade nos debates políticos e bioéticos. In: AMMICHT-

QUINN, R.; JUNKER-KENNY, M.; TAMEZ, E. O discurso da dignidade humana. Concilium, v. 2, n. 300, p. 9(169)-19(179), 2003.

ZABOROWSKI, H. Wie machbar ist der Mensch? Die Würde der Person und die Grenzen der Machbarkeit. In: ZABOROWSKI, H. (Org.). Wie machbar ist der Mensch?: eine philosophische orientierung. Mainz: Matthias-Grünewald, 2003. p. 9-25.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/pp.v2i1.13511

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.