Condilectomia após ferimento por arma de fogo – relato de caso

Katiuscia Zago, Eleonor Álvaro Garbin Jr., Geraldo Luiz Griza, Greison Rabelo de Oliveira

Resumo


Objetivo: Será apresentado neste trabalho um caso clínico de uma vítima de ferimento por arma de fogo portador de fratura de côndilo mandibular direito com o projétil alojado no espaço articular, com uma discussão a respeito das indicações de redução aberta de fratura de côndilo e da necessidade ou não da remoção do projétil. Discussão: As fraturas faciais acometidas de ferimento por arma de fogo (FAF) exibem considerações importantes quanto à anatomia, orifício de entrada e saída, direção e velocidade do projétil, bem como sua localização final e a necessidade de intervenção para remoção. Conclusão: A decisão da abordagem cruenta para tratamento de fratura condilar deve ser estabelecida após um criterioso diagnóstico e indicação precisa, na qual os benefícios da intervenção superam os riscos. A opção de remoção de um projétil deve ser individualizada, sendo que neste caso o fator determinante foi a interferência e o comprometimento da função articular.

Palavras-chave


Fratura de côndilo; Arma de fogo; Redução cruenta

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.7213/archivesoforalresearch.09.003.RC02

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.