Alteração da temperatura nos tecidos biológicos com a aplicação do ultrassom terapêutico: uma revisão

Daniela Akemi Itakura, Viviane Magas, Eduardo Borba Neves, Percy Nohama

Resumo


Introdução: O ultrassom (US) terapêutico atua nos tecidos biológicos por meio da vibração, que é capaz de produzir efeitos fisiológicos térmicos e não térmicos. Objetivo: Discutir os parâmetros que afetam o aquecimento dos tecidos biológicos, decorrente da aplicação do US. Materiais e métodos: Efetuou-se levantamento bibliográfico nas bases de pesquisa ISI WEB e SCOPUS. Foram selecionados os artigos, na língua inglesa, que tiveram como ponto central, o estudo da variação da temperatura após a aplicação do US em humanos. Resultados: Foram observadas variações significativas em relação ao aumento de temperatura tecidual. Para a frequência de 3MHz, ocorre um aumento médio de 2,6 °C nos tecidos superficiais; e para 1MHz, há um aumento médio de 1,7 °C em tecidos profundos. Há um maior aquecimento do tecido em relação ao tamanho da ERA (área de radiação efetiva), quanto menor o tamanho maior o aquecimento. Também há um aumento da temperatura em relação às intensidades. Intensidades variando entre 0,5 a 3 W/cm² apresentam um acréscimo significativo de temperatura. Em relação à forma de aplicação, o gel proporciona melhor acoplamento, gerando maior aquecimento com um tempo de aplicação de cinco minutos – o tempo de aplicação deve ser adequado à área de tratamento e à densidade de potência. Entretanto, a velocidade de aplicação parece não modificar o aquecimento até 7-8 cm/s, mesmo que dispositivos diferentes aqueçam em níveis diferentes. Conclusão: Os parâmetros para a aplicação do US devem ser controlados e ajustados para produzir o aquecimento profundo dos tecidos considerando a variação entre dispositivos.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-51502012000400019

Apontamentos

  • Não há apontamentos.