Exercício físico aeróbico em mulheres com doença de Chagas

Marcela de Fátima Arnoni Mendes, Wania da Silva Lopes, Geraldo Ângelo Nogueira, Andrew Wilson, Silvana Marques de Araújo, Mônica Lúcia Gomes

Resumo


Introdução: A forma cardíaca da doença de Chagas causa modificações orgânicas e funcionais, sendo o exercíciofísico aeróbio uma alternativa de proposta terapêutica. Objetivo: avaliar o exercício físico aeróbio emmulheres com doença de Chagas crônica. Materiais e métodos: Quatorze mulheres com doença de Chagasna faixa etária entre 40 e 60 anos, classe I da New York Heart Association (NYHA) foram divididas em doisgrupos. Sete no G1 que realizaram exercício físico, com duas sessões diárias semanais por seis semanas esete no G2 sem tal intervenção. O efeito do exercício físico foi avaliado por 27 variáveis fisioterapêuticas eergoespirométricas no tempo zero (T0) e após seis semanas (T6). Resultado: No T6 em relação ao T0 a avaliaçãofisioterapêutica mostrou diferenças significativas na pressão arterial sistólica, no pico do fluxo expiratório,nas pressões inspiratória e expiratória máximas e na frequência cardíaca. Na ergoespirometria houveaumento significativo no DP máximo, no MET máximo, no estágio do protocolo de Bruce, no VO₂ máximo, na duração do teste e na distância percorrida para as participantes de G1 e apenas na duração do teste para G2.Para G1 foi ainda observada em T6 uma diminuição significativa do duplo produto na intensidade moderadae alta na mesma carga de esforço. Conclusão: O treinamento aeróbio de curto período, de simples aplicaçãoe com supervisão pode ser realizado com segurança, aumentando a tolerância ao exercício em pacientescom doença de Chagas crônica classe I da NYHA.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-51502011000400002

Apontamentos

  • Não há apontamentos.