Exercício aeróbio e fortalecimento muscular melhoram o desempenho funcional na doença de Parkinson

Fátima Rodrigues-de-Paula, Lidiane Oliveira Lima, Luci Fuscaldi Teixeira-Salmela, Francisco Cardoso

Resumo


Introdução: Indivíduos com doença de Parkinson (DP) apresentam déficits motores na marcha, postura e equilíbrio e tendem a apresentar redução mais acentuada do nível de atividade física do que indivíduos assintomáticos da mesma idade. O declínio físico pode estar associado à perda de força muscular, da capacidade física e piora do desempenho funcional na DP. Objetivo: Avaliar os efeitos de um programa de fortalecimento e condicionamento aeróbio no desempenho funcional e na capacidade física de indivíduos com DP. Materiais e métodos: Dezessete indivíduos, com média de idade de 60,35 ± 9,94 anos e estágios I a III da Hoehn e Yahr, participaram de um programa de exercícios três vezes por semana durante 12 semanas. Avaliou-se a força muscular por meio do dinamômetro manual, o desempenho funcional por meio da Unified Parkinson Disease Rating Scale (UPDRS), avaliou-se também a velocidade da marcha e habilidade em usar escadas e a capacidade física por meio do perfil de atividade humana (PAH). Utilizou-se a estatística descritiva, testes t e ANOVA para medidas repetidas para a análise. Resultados e discussão: Os dorsoflexores bilaterais foram o único grupo muscular a apresentar maior torque após a intervenção (F = 7,93; p = 0,008). Houve ganho nas medidas de desempenho funcional: velocidade da marcha (p = 0,028), velocidade para subir (p = 0,001) e descer (p = 0,002) escadas, no escore total da UPDRS (p = 0,007) e do PAH (p < 0,0001). Considerações finais: O uso combinado de condicionamento aeróbio e fortalecimento muscular resultou em melhoras no desempenho funcional e na capacidade física de indivíduos com DP leve a moderada.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-51502011000300002

Apontamentos

  • Não há apontamentos.