Existe associação entre doenças venosas e nível de atividade física em jovens?

Júlio César Oliveira Pena, Luciana Bilitário Macedo

Resumo


Introdução: A associação dos benefícios da prática regular da atividade física a indicadores de saúde encontra-se amplamente discutida na literatura evidenciando a relação de um estilo de vida sedentário comas doenças crônicas degenerativas. Objetivo: Descrever a prevalência de doenças venosas entre jovens esua associação com a atividade física. Materiais e métodos: Corte transversal. Amostra: jovens voluntários.Os indivíduos responderam a uma ficha clínica e foram examinados por meio do sistema de classificaçãoclínica, etiológica, anatômica e patofisiológica (CEAP), que classifica a gravidade e a incapacidade parao trabalho de pessoas com doenças venosas; eles responderam também ao questionário internacional deatividade física (IPAQ). Resultados: Participaram 95 indivíduos, sendo 57,9% (55) mulheres, tendo comomédia de idade 26,12 ± 4,5 (18 |-|35). De acordo com o IPAQ, os indivíduos foram classificados em categoria1 (inativos): 41,1%; categoria 2 (moderadamente ativos): 49,5%; e categoria 3 (ativos): 9,5%. Houvediferença entre os níveis de atividade física entre homens e mulheres (p = 0,02). Na classificação da CEAPforam encontrados: classe 0 = 43,2%; classe 1 = 45,3%; classe 2 = 11,6%, já as demais classes não apareceramna amostra. Mulheres apresentaram maior frequência de doenças vasculares que homens (p < 0,001).O maior nível de atividade física esteve associado com a menor prevalência de doenças venosas periféricas(p = 0,02). Conclusões: Na amostra foi encontrada prevalência elevada de doenças venosas, maior entremulheres. Foi elevado o número de indivíduos considerados sedentários pelo IPAQ, sendo os homens mais ativos quando comparados às mulheres. Os indivíduos com maior nível de atividade física apresentarammenor frequência de doenças venosas.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-51502011000100017

Apontamentos

  • Não há apontamentos.