Ai Chi: efeitos do relaxamento aquático no desempenho funcional e qualidade de vida em idosos

Márcia Cristina Bauer Cunha, Angélica Castilho Alonso, Tatiana Mesquita e Silva, Anna Carolina Britto de Raphael, Claudia Ferreira Mota

Resumo


Objetivo: Este estudo avaliou os efeitos da técnica de relaxamento aquático Ai Chi em um grupo de idosos, em relação ao equilíbrio, qualidade de vida e funcionalidade. Métodos: Foram selecionados 20 idosos de ambos os sexos, com média de idade de 68,95 (± 7,42) anos, que foram submetidas à técnica Ai Chi. Os idosos foram avaliados antes e depois do programa de exercícios, que teve duração de 12 semanas, com sessões de 45 minutos, duas vezes por semana, pelas seguintes escalas: Medida de Independência Funcional (MIF), que avalia a funcionalidade; Escala de Berg, que avalia o equilíbrio; e SF36, que mensura a qualidade de vida. Para o desenvolvimento da pesquisa, utilizamos uma piscina aquecida, numa temperatura de 33-34° C. Resultados: Houve melhora significante no equilíbrio pré e pós aplicação da técnica (p ≤ 0,003), não houve melhora significante em relação às medidas de independência funcional (p ≤ 0,10) e a qualidade de vida (p ≤ 0,38). Conclusão: A técnica de relaxamento aquático Ai Chi proporcionou melhora do equilíbrio, porém não houve mudanças em relação à qualidade de vida e à funcionalidade em idosos independentes.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-51502010000300008

Apontamentos

  • Não há apontamentos.