ABSTINÊNCIA AGUDA DO TABAGISMO E A MELHORA DE PARÂMETROS CARDIOVASCULARES DURANTE TESTE MÁXIMO EM NORMOTENSOS

Carlos Ricardo Maneck Malfattia, Giovano de Freitas Louzada

Resumo


INTRODUÇÃO: O estudo objetivou investigar o efeito agudo da abstinência de cigarro por 24 horas sobre parâmetros cardiovasculares no repouso e durante teste de esforço máximo. MÉTODO: A amostra do estudo foi constituída por sete mulheres tabagistas (21,7± 2,05 anos, IMC de 23,7 ± 2,08 Kg/m2 e VO2max: 45,9 ± 1,2 mL/kg/min) que fumam regularmente de 8 a 10 cigarros/dia durante 5,2 ± 1,11anos. Os sujeitos foram submetidos a um questionário sobre seu estilo de vida (atividade física, tabagismo, história de doenças) e a um teste máximo em esteira ergométrica (Protocolo de Bruce). A análise estatística foi feita a partir da ANOVA para medidas repetidas e Teste t de Student pareado. Os valores foram considerados estatisticamente significativos somente para p < 0,05. A frequência cardíaca foi significativamente menor nas situações de repouso (17%) e durante os estágios 1 (25%), 2 (23%) e 3 (14%) na situação de abstinência. RESULTADOS: O valor de frequência cardíaca máxima não mostrou diferença significativa entre as situações de abstinência versus tabagismo. A pressão arterial sistólica foi significativamente menor em repouso (5,0%) e nos estágios 1 (7%), 2 (3%), 3 (8%) e 4 (8%) do protocolo de teste na situação de abstinência. A sensação subjetiva de esforço foi significativamente menor nos estágios 2, 3 e 4 do teste em abstinência do tabagismo. CONCLUSÃO: Os resultados indicam que uma abstinência de cigarro por apenas 24 horas acarreta melhor tolerância ao estresse fisiológico induzido pelo exercício físico, o que poderia acarretar menor risco de complicações cardíacas para os praticantes.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.