A superação do ressentimento na filosofia de Nietzsche

Antonio Edmilson Paschoal

Resumo


Este artigo tem como objetivo analisar algumas possibilidades que permi¬tem ao indivíduo colocar-se para além do ressentimento. Não se trata de pressupor que existiria um estado normal de saúde ou que seria possível ao homem viver sem experimentar a interiorização de sentimentos como o rancor e o ódio decorrentes de vivências desagradáveis. Antes, partindo da premissa de que não existe uma saída final e definitiva para o problema do ressentimento, uma vez que ele é um problema inerente ao processo de sociabilização do homem, esta análise considera possibilidades de um enfrentamento do problema de tal forma que o ressentimento não se torne o elemento determinante das ações do homem. Para tanto considera: a necessidade de um fortalecimento fisiológico como a primeira condição para se resistir ao ressentimento; algumas regras de etiqueta bem como uma espécie de higiene necessária para enfrentar o problema e; por fim, alguns aspectos de um tipo de homem que pode ser tomado como um caso peculiar de se colocar para além do ressentimento, o tipo Jesus, especialmente no modo como é apresentado por Nietzsche em O Anticristo.

Palavras-chave


Ressentimento; Nietzsche; Moral; Além do homem (Übermensch); Jesus; Psicologia; Fisiologia

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.7213/estudosnietzsche.03.002.AO.03

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.