Crítica à modernidade e conceito de subjetividade em Nietzsche

André Luís Mota Itaparica

Resumo


Dada a importância do conceito de subjetividade na filosofia moderna,o artigo mostra, em primeiro lugar, que três aspectos do dogmatismo, tal como este é compreendido por Nietzsche no prefácio de Além do bem e do mal, estão presentes na sua consideração sobre a subjetividade no terceiro período de sua obra, particularmente em sua análise do cogito cartesiano e da apercepção transcendental kantiana. No caso da apercepção transcendental, o artigo defende que a principal fonte da interpretação de Nietzsche foi a leitura schopenhaueriana do tema. Em segundo lugar, ele indica que Nietzsche não descarta a noção de subjetividade; apenas procura depurá-la desses pressupostos dogmáticos, enraizando-a no corpo.

Palavras-chave


Sujeito; Descartes; Kant; Schopenhauer; Corpo

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.7213/ren.v2i1.22592

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.