Sentidos e significados da educação inclusiva: o que revelam os profissionais do Centro de Capacitação em Educação Inclusiva e Acessibilidade (CEIA/Canoas)

Gilberto Ferreira da Silva, Marta Nörnberg

Resumo


Este artigo examina uma parte dos resultados de uma pesquisa-ação colaborativa em andamento que focaliza o campo da educação intercultural, potencializando a diversidade cultural no contexto do Centro de Capacitação em Educação Inclusiva e Acessibilidade (CEIA) da rede pública de ensino do município de Canoas. Neste texto, as definições de educação inclusiva reveladas pelos educadores do CEIA são apresentadas e discutidas. Trata-se de uma pesquisa que, metodologicamente, se ancora na abordagem da pesquisa-ação colaborativa, pois tem como eixo articulador a formação e a transformação das práticas cotidianas a partir de um processo de inserção em médio prazo no espaço escolar. As análises apontam para a construção de outra cultura da pesquisa em educação, onde os profissionais da educação que vivem o dia a dia possam viver o deslocamento do lugar clássico de informantes para o lugar de colaboradores do processo investigativo. Observa-se que está em curso a construção do sentido da educação inclusiva como resultado de um processo global, onde os professores, no e com o seu trabalho pedagógico, propõem espaços de vivência e de situações de aprendizagem capazes de garantir as necessidades especiais de seus alunos em turmas regulares. Finalmente, a educação inclusiva acontece quando se inventa, na escola, práticas pedagógicas que apostam na experiência como um princípio organizador do trabalho pedagógico. 

Texto completo:

PDF

Referências


AINSCOW, M.; BOOTH, T. Índice de inclusión. Desarrollando el aprendizaje y la participación en las escuelas. Bristol: Unesco, 2000. Disponível em: . Acesso em: 29 mar. 2011.

ARAÚJO, C. M.; SILVA, E. M. Formação continuada de professores: tendências emergentes na década de 1990. Educação, v. 32, n. 3, p. 326-330, set./dez. 2009.

BRANDÃO, C. R. A pesquisa participante e a participação da pesquisa. Um olhar entre tempos e espaços a partir da América Latina. In: BRANDÃO, C. R.; STRECK, D. R. Pesquisa participante. O saber da partilha. São Paulo: Idéias e Letras, 2006. p. 21-54.

COMPIANI, M. A pesquisa em formação contínua indicando passos na extensão e formação contínua. In: BARBOSA, R. L. L. (Org.). Formação de educadores: artes e técnicas – ciências e políticas. São Paulo: Ed. da Unesp, 2006. p. 470-485.

DORNELLES, L. Infâncias que nos escapam. Petrópolis: Vozes, 2005.

ELLIOTT, J. El cambio educativo desde la investigación-acción. 3. ed. Trad. Pablo Manzano. Madrid: Morata, 2000.

FRANCO, M. A. S. Pedagogia da pesquisa-ação. Educação e Pesquisa, v. 31, n. 3, p. 483-502, dez. 2005.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS – INEP. Censo Escolar da Educação Básica 2011. Resumo Técnico. Brasília: INEP, 2011. Disponível em: . Acesso em: 16 jul. 2013.

LOPES, M. C. A inclusão como experiência. In: KLEIN, R. (Org.). Práticas pedagógicas em matemática e ciências nos anos iniciais. Caderno do professor coordenador dos grupos de estudos. São Leopoldo: UNISINOS/MEC, 2005.

KEMMIS, S.; McTAGGART, R. Cómo planificar la investigación-acción. Barcelona: Laertes Ediciones, 1992.

LEWIN, K. La investigación-acción y los problemas de las minorías. In: SALAZAR, M. C. (Org.). La investigación – acción participativa. Inicios y desarrollos. Trad. María Cristina Salazar. Madrid: Editorial Popular; Caracas: Editorial Laboratorio Educativo, 2006. p. 15-25.

MANTOAN, M. T. E. Inclusão escolar. O que é? Por quê? Como fazer?. São Paulo: Moderna, 2003.

MIRANDA, M. G. de; RESENDE, A. C. Azevedo Sobre a pesquisa-ação na educação e as armadilhas do praticismo. Revista Brasileira de Educação, v. 11, n. 33, p. 511-518, dez. 2006.

MOLINA, R. A pesquisa-ação/investigação-ação no Brasil: mapeamento da produção (1966-2002) e os indicadores internos da pesquisa-ação colaborativa. Tese (Doutorado em Educação) — Universidade de São Paulo, 2007. Disponível em: . Acesso em: 19 jun. 2009.

MONCEAU, G. Transformar as práticas para conhecê-las: pesquisa-ação e profissionalização docente. Educação e Pesquisa, v. 31, n. 3, p. 467-482, dez. 2005.

MOSCOVICI, S. Representações sociais: investigações em Psicologia Social. Petrópolis: Vozes, 2003.

NABUCO, M. E. Práticas institucionais e inclusão escolar. Cadernos de Pesquisa, v. 40, n. 139, p. 63-74, jan./abr. 2010.

NÓVOA, A. (Org.). Vida de professores. Porto: Porto Editora, 1995.

PIMENTA, S. G. Pesquisa-ação crítico-colaborativa: construindo seu significado a partir de experiências com a formação docente. Educação e Pesquisa, v. 31, n. 3, p. 521-539, 2005.

SANT’ANA, I. M. Educação inclusiva: concepções de professores e diretores. Psicologia em Estudo, v. 10, n. 2, p. 227-234, maio/ago. 2005.

SILVA, G. F. da et. al. (Org.). Conexões educativas: ensinar e aprender para além do que se vê. Porto Alegre: Prefeitura Municipal de Porto Alegre/Secretaria Municipal de Educação de Porto Alegre, 2006. n. 1. (Coleção Escola Faz).

TORRES, R. M. Educação para todos. A tarefa por fazer. Porto Alegre: Artmed, 2001.

VEIGA-NETO, A.; LOPES, M. C. Inclusão e governamentalidade. Educação e Sociedade, v. 28, n. 100, p. 947-963, out. 2007.

ZEICHNER, K. M.; DINIZ-PEREIRA, J. E. Pesquisa dos educadores e formação docente voltada para a transformação social. Cadernos de Pesquisa, v. 35, n. 125, p. 63-80, maio 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/dialogo.educ.10227

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat