Discursos da inclusão escolar: modos de moralizar, modos de humanizar

Paula Corrêa Henning, Kamila Lockmann

Resumo


O presente artigo pretende colocar sob suspeita alguns discursos sobre a inclusão escolar, que vemos circular na atualidade. Para isso, selecionamos algumas edições da revista Nova Escola, que apresentavam a inclusão escolar como tema central de suas matérias. Discursos marcados pelos termos “amor”, “doação”, “carinho”, “humanização” são examinados a partir de uma matriz moderna que investe na moralização dos afetos. Devemos estar abertos ao Outro para sermos tocados, desde que o que nos toca conspire a favor do bem e da ordem. Além disso, problematizamos a ênfase que tais discursos apresentam nos processos de socialização e de convivência. Eles marcam uma espécie de banalização da aprendizagem, uma vez que reiteram o convívio com o outro, o respeito às regras e o saber comportar-se como aprendizagens fundamentais nos processos de inclusão. Colocando esses discursos sob exame, o texto pretende provocar o pensamento e suspender as verdades consagradas acerca da inclusão escolar proferida pela modernidade. 

Texto completo:

PDF

Referências


CASAGRANDE, F. Adequar é o caminho. Nova Escola, ed. especial Inclusão, 2009.

CAVALCANTE, M. Inclusão é o privilégio de conviver com as diferenças. Nova Escola, ed. A escola que é de todas as crianças, 2005.

CAVALCANTE, M. A escola que é de todas as crianças. Nova Escola, ed. A escola que é de todas as crianças, 2005.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. O que é a Filosofia?. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1992. DUSSEL, E. O encobrimento do outro. Petrópolis: Vozes, 1993.

FOUCAULT, M. História da sexualidade 2: o uso dos prazeres. 11. ed. Rio de Janeiro: Graal, 2006.

GURGEL, T. Inclusão, só com aprendizagem. Nova Escola, ed. Inclusão é hora de aprender, 2007.

KANT, I. Sobre a pedagogia. 3. ed. Piracicaba: Editora UNIMEP, 2002.

LARROSA, J. Leitura, experiência e formação. In: COSTA, M. V. (Org.). Caminhos investigativos: novos olhares na pesquisa em educação. 2. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2002. p. 129-156.

LARROSA, J. Linguagem e Educação depois de Babel. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

LARROSA, J.; SKLIAR, C. Babilôniossomos: a modo de apresentação. In: LARROSA, J.; SKLIAR, C. Habitantes de Babel: políticas e poéticas da diferença. Belo Horizonte: Autêntica, 2001. p. 7-30.

LOPES. M. C. Inclusão escolar: desarrumando a casa. Jornal NH, suplemento NH na Escola, Novo Hamburgo, p. 2, 12 nov. 2005.

MARTIN, C. S. Aprender a superar. Nova Escola, ed. esp. Inclusão, 2009.

MARTON, S. Extravagâncias: ensaios sobre a filosofia de Nietzsche. São Paulo: Discursos Editorial / Editora UNIJUÍ, 2001.

NARODOWSKI, M. Comenius e a educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

NIETZSCHE, F. A gaia ciência. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

NIETZSCHE, F. Além do bem e do mal: prelúdio a uma filosofia do futuro. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

RODRIGUES, C. Tema igual, aula diferente. Nova Escola, ed. esp. Inclusão, 2009.

TRAVERSINI, C. S.; BALEM, N.; COSTA, Z. Que discursos pedagógicos escolares são validados por professores ao tratar de metodologias de ensino? In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO UNISINOS: PEDAGOGIAS (ENTRE) LUGARES E SABERES, 5., São Leopoldo, 2007. Anais... São Leopoldo:

Casa Leria, 2007.

VEIGA-NETO, A. Pensar a escola como uma instituição que pelo menos garanta a manutenção das conquistas fundamentais da modernidade. In: COSTA, M. V. (Org.). A escola tem futuro? Rio de Janeiro: DP&A, 2003. p. 103-126.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/dialogo.educ.10207

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat