A FORMAÇÃO DE DOCENTES PARA O ENSINO RELIGIOSO NO BRASIL: LEITURAS E TESSITURAS

Lilian Blanck de Oliveira

Resumo


Historicamente as relações estabelecidas entre Educação, Estado e Igreja em território brasileiro teceram a identidade do Ensino Religioso e a formação de docentes para esta disciplina no currículo escolar. A homologação da nova redação do artigo trinta e três (Lei n. 9.475/97) da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBEN) n. 9.394/96 desafiou novas leituras e encaminhamentos à disciplina e conseqüente formação de docentes para esta área do conhecimento. Uma leitura histórica encaminha o presente texto, com o intuito de contribuir nas reflexões, estudos e discussões em relação às tramas, tecidos e tessituras, que configuram e conjugam a formação de docentes para o Ensino Religioso na atualidade brasileira.

Texto completo:

PDF

Referências


AZEVEDO, Fernando de. A cultura brasileira: introdução ao estudo da cultura no Brasil. 2. ed. São Paulo, SP: Companhia Editora Nacional, 1944. P. 529.

BLANCK, Roseli. O ensino religioso mediante a pedagogia de projetos face à pluralidade cultural religiosa brasileira. 1999. Dissertação (Mestrado em Teologia) – Escola Superior de Teologia, São Leopoldo, 1999.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988. Rio de Janeiro, RJ: Degrau Cultural, 1988. p. 111.

BRASIL. Lei n. 9.394, 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bazes da Educação Nacional. Lex: Diário Oficial da União, Brasília, DF: 1996.

BRASIL. Lei n. 9.475, 22 de julho de 1997. Dá nova redação ao art. 33 da Lei n.º 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Lex: Diário Oficial da União, Brasília, DF: 1997.

CONSELHO Nacional De Educação. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental. Resolução n. 2, 07 de abril de 1998. Lex: Diário Oficial da União, Brasília, DF: Seção 1, 15 de abril de 1998. p. 31.

BUBER, Martin. Do diálogo e do dialógico. Tradução de Marta Ekstein de Souza Queiroz e Regina Weinberg. São Paulo, SP: Perspectiva, 1982. p. 171. (Coleção Debates).

CARON, Lurdes. Entre conquistas e concessões: uma experiência ecumênica em educação religiosa escolar. São Leopoldo: Sinodal, 1997. p. 176.

CNBB. O ensino religioso. São Paulo, SP: Paulinas, 1988. p. 199.

COSTA, Lúcio. Registro de uma vivência. In: COSTA, Maria Elisa. Com a palavra, Lúcio Costa: roteiro e seleção de textos Maria Elisa Costa. Rio de Janeiro, RJ: Aeroplano, 2001. p. 167.

Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 5, n.16, p. 247-267, set./dez. 2005.

CARVALHO, Laerte R. As reformas pombalinas da instrução pública. Boletim da USP, São Paulo, n. 1, p. 202. 1952.

FERREIRA, Tito L. História da educação luso-brasileira. São Paulo, SP: Saraiva, 1966. p. 287.

FIGUEIREDO, Anísia de Paulo. Ensino religioso: perspectivas pedagógicas. Petrópolis: Vozes, 1994. p. 126.

FIGUEIREDO, Anísia de Paulo. Ensino Religioso no Brasil hoje. Jornal Contexto Pastoral, Rio de Janeiro, p. 5, 1996.

FIGUEIREDO, Anísia de Paulo. O tema gerador no currículo de educação religiosa: o senso do simbólico. Petrópolis: Vozes, 2000. p. 85.

UNIVERSIDADE Regional de Blumenal. Projeto de autorização do curso de Licenciatura em Ciências da Religião: habilitação em Ensino Religioso. Blumenau: FURB. 1996. p. 178.

FÓRUM Nacional Permanente de Ensino Religioso. Estatuto do FONAPER. Brasília, DF: FONAPER, 2000.

FÓRUM Nacional Permanente de Ensino Religioso. Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Religioso. 3. ed. São Paulo, SP: Ave Maria, 1998. p. 63.

FÓRUM Nacional Permanente de Ensino Religioso. Proposta para as Diretrizes Curriculares dos Cursos Superiores na Área do Ensino Religioso. B rasília, DF: FONAPER. 1998. p. 35.

GALEANO, Eduardo. As caras e as máscaras. Tradução de Eric Nepomuceno. Rio de Janeiro, RJ: Nova Fronteira, 1985. p. 368.

GILES, Thomas Ransom. História da educação. São Paulo, SP: EPU. 1987. p. 304.

IMPÉRIO DO BRASIL. Documentos complementares do Império do Brasil. 15 de outubro de 1827. In: BONAVIDES, P., AMARAL, R. Textos Políticos da História do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1996. v. 8.

JUNQUEIRA, Sérgio R. A. Ensino Religioso: um histórico processo. In: Luís ALVES, Sérgio R. JUNQUEIRA (Org.). Educação Religiosa: construção da identidade do ensino religioso e da pastoral escolar. Curitiba: Champagnat, 2002. p. 245.

______. O processo de escolarização do ensino religioso no Brasil. Petrópolis: Vozes, 2002. p. 159.

LORENZETTI, Altair Anacleto. Romanização do Catolicismo (1890-1930) e Educação do Brasil: um estudo de caso: os franciscanos. Curitiba: PUCPR. 1998.

LUGON, C. A república comunista cristã dos guaranis (1610-1768). Tradução de Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1968. p. 353.

MATTOS, Luiz de. Primórdios da educação no Brasil: o período heróico (1549–1570). Rio de Janeiro, RJ: Aurora, 1958. p. 306.

MORIN, Edgar. Saberes globais e saberes locais: o olhar transdisciplinar. Tradução de Paula Yone Stroh. Rio de Janeiro, RJ: Garamond, 2000. p. 73.

OLIVEIRA, Lílian Blanck. Formação de docentes para o ensino religioso: perspectivas e impulsos a partir da ética social de Martinho Lutero. São Leopoldo: Escola Superior de Teologia, 2003.

RAMPINELLI, Waldir.; OURIQUES Nildo Domingos (Orgs.). Os 500 anos: a conquista interminável. Petrópolis: Vozes, 1999. p. 120.

REPÚBLICA dos Estados Unidos do Brasil. Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil. 16 de julho de 1934, In: BONAVIDES, P. AMARAL, R.

Textos Políticos da História do Brasil, v. 8. Brasília, DF: Senado Federal, 1996.

RIBEIRO, Maria Luisa Santos. História da educação brasileira: a organização escolar. 8. ed . São Paulo, SP: Cortez: Autores Associados, 1998.

STRECK, Danilo R. Educação e igrejas no Brasil: um ensaio ecumênico. São Leopoldo: Sinodal, 1995. p. 92.

WAGNER, Raul. Fórum Nacional Permanente de Ensino Religioso. Revista Diálogo, n. 2, p. 62-63, 1996.

WAGNER, Raul. Seminário sobre Diretrizes Curriculares para o Ensino Religioso. São Francisco do Sul, SC: 1999.

ZIMERMANN, Roque. Ensino religioso: uma grande mudança. Brasília, DF: Câmara dos deputados, 1998. p. 14.

ZWETSCH, Roberto (Org.). 500 anos de invasão, 500 anos de resistência. São Paulo, SP: Paulinas, 1992. p. 320.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rde.v5i16.8012

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat