Mediação docente e desenho didático: uma articulação complexa na educação online

Helena Sá, Marco Silva

Resumo


Este artigo é resultado de estudo realizado com o objetivo de investigar como ocorreu a construção do desenho didático e da docência no curso online “Formação de professores para docência online”, que embasou pesquisa interinstitucional realizada no ambiente virtual de aprendizagem Moodle, envolvendo pesquisadores de dez programas de pós-graduação brasileiros e um de Portugal. O “pensamento complexo” de Morin (2007) foi tomado como base da sustentação teórica para o tratamento dos eixos: a) educação online como fenômeno da cibercultura; b) interatividade como paradigma comunicacional da mediação da aprendizagem em cursos online; e c) desenho didático como dinâmica hipertextual nas interfaces. A investigação se deu a partir de uma perspectiva qualitativa, do estudo de caso e da análise documental. Os resultados obtidos apontaram que mediação docente e desenho didático em cursos online supõem recursividade e agenda de engajamentos específicos: a) clarificar e objetivar as proposições de atividades dirigidas aos cursistas via internet; b) garantir interatividade nas interfaces de comunicação e de conteúdos do ambiente virtual de aprendizagem; c) desenvolver atividades e conteúdos em diferentes linguagens; d) equilibrar número de atividades propostas e o tempo estipulado para a realização; e) promover inclusão digital e cibercultural do discente; f) adequar as atividades que demandam recursos técnicos avançados ao aparato digital acessível aos cursistas. Pôr em prática tais cuidados beneficia a expressão da qualidade na articulação do desenho didático com a mediação docente em cursos via internet, assim como na formação de docentes para mediação da aprendizagem em educação online. 

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, L. Um olhar pedagógico das interfaces do Moodle. In: ALVES, L.; BARROS, D.; OKADA, A. (Org.). Moodle: estratégias pedagógicas e estudo de caso. Salvador: EDUNEB, 2009.

ALVES, L.; BRITO, M. O ambiente moodle como apoio ao ensino presencial. Disponível em:

pdf>. Acesso em: ago. 2010.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. 10. ed. revisada e ampliada. São Paulo: Paz e Terra, 2007.

FILATRO, A. Design instrucional contextualizado: educação e tecnologia. São Paulo: Editora Senac, 2004.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessário à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

LEMOS, A. Cibercultura: alguns pontos para compreender a nossa época. In:LEMOS, A.; CUNHA, P. (Org.). Olhares sobre a cibercultura. Porto Alegre: Sulina, 2003. p. 11-23.

LEMOS, A. Cibercultura remix. In: SEMINÁRIO “SENTIDOS E PROCESSOS”. São Paulo, ago. 2005. Trabalho apresentado... São Paulo: Itaú Cultural, 2005. Disponível em:

pdf>. Acesso em: ago. 2008.

LEMOS, A. O fenômeno mundial dos podcasts. Disponível em: . Acesso em: jul. 2010.

LEMOS, A.; LÉVY, P. O futuro da internet: em direção a uma ciberdemocracia planetária. São Paulo: Paulus, 2010.

LÉVY, P. As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da informática. São Paulo: Editora 34, 1993.

LÉVY, P. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999.

MORIN, E. Da necessidade de um pensamento complexo. In: MARTINS, F. M.; SILVA, J. M. Para navegar no século XXI. Porto Alegre: Sulina, 1999. p. 19-42.

MORIN, E. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.

MORIN, E. Introdução ao pensamento complexo. 3. ed. Porto Alegre: Sulina, 2007.

PULINO FILHO, A. R. Conte com o Moodle no próximo semestre. Disponível em: . Acesso em: dez. 2009.

RAMAL, A. Educação com tecnologias digitais: uma revolução epistemológica em mãos do desenho instrucional. In: SILVA, M. (Org.). Educação online: teorias, práticas, legislação, formação corporativa. 2. ed. São Paulo: Loyola, 2006. p. 185-200.

SANTAELLA, L. Navegar no ciberespaço: o perfil cognitivo do leitor imersivo. São Paulo: Paulus, 2004.

SANTAELLA, L. Linguagens líquidas na era da mobilidade. São Paulo:

Paulus, 2007.

SANTOS, E. Educação online como campo de pesquisa-formação: potencialidades das interfaces digitais. In: SANTOS, E.; ALVES, L. Práticas pedagógicas e tecnologias digitais. Rio de Janeiro: E-papers, 2006.

SANTOS, E. Educação online para além da EaD: um fenômeno da cibercultura. In: SILVA, M. et al. Educação online: cenário, formação e questões didático--metodológicas. Rio de Janeiro: WAK, 2010.

SANTOS, E.; SILVA, M. O desenho didático interativo na educação online. Revista Iberoamericana de Educación, n. 49, p. 267-287, 2009.

SILVA, M. Um convite à interatividade e à complexidade: novas perspectivas comunicacionais para a sala de aula. In: GONÇALVES, M. A. R. (Org.). Educação e cultura: pensando em cidadania. Rio de janeiro: Quartet, 1999. p. 135-167.

SILVA, M. Criar e professorar um curso online: relato de experiência. In: SILVA, M. (Org.). Educação online: teorias, práticas, legislação, formação corporativa. 2. ed. São Paulo: Loyola, 2006. p. 53-76.

SILVA, M. Exigências para formação do professor na cibercultura. Revista Fonte, v. 5, n. 8, p. 101-104, 2008.

SILVA, M. Sala de aula interativa. Rio de Janeiro: Loyola, 2010.

VALENTE, A. J. Educação a distância: ampliando o leque de possibilidades pedagógicas. Revista Fonte, n. 8, 2008, p. 105-113. Disponível em: . Acesso em: maio 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/dialogo.educ.7635

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat