O professor universitário construindo conhecimentos inovadores para uma prática complexa, colaborativa e dialógica

Jacques de Lima Ferreira, Lucymara Carpim, Marilda Aparecida Behrens

Resumo


As considerações e reflexões abordadas neste artigo são resultantes da pesquisa de abordagem qualitativa, tipo estudo de caso, realizada com 15 professores que atuam em uma Faculdade da Cidade de Curitiba, que desenvolve cursos Superiores de Tecnólogos, e teve como objetivo identificar qual a metodologia de ensino adotada pelos docentes em suas práticas pedagógicas, e se investem em sua formação continuada, tendo em vista os desafios educacionais postos para os profissionais que trabalham com a docência neste novo século. O processo investigativo considerou nas discussões os desafios demandados pela adoção de um fazer educacional inovador, dialógico e cooperativo que de maneira participativa e crítica precisa da adoção de estratégias que estimulem a criatividade, construção e reconstrução de saberes significativos. Nesse contexto inovador o docente precisa levar em conta a prática social, política e econômica. Assim, o professor precisa adotar um novo paradigma da complexidade (MORIN, 2000, 2001, 2009), no qual o processo educativo e metodológico, exige a postura proativa no sentido de investir em seu desenvolvimento profissional contínuo, em especial, os relacionados às práticas pedagógicas, usando os recursos tecnológicos em benefício de uma ação docente mediadora e colaborativa consolidando o seu papel de professor transformador, construtor e agente de mudanças. 

Texto completo:

PDF

Referências


BEHRENS, M. A. Paradigma da complexidade: metodologia de projetos, contratos didáticos e portfólio. Petrópolis: Vozes, 2006.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2007.

IMBERNÓN, F. Formação continuada de professores. Porto Alegre: Artmed, 2010.

LÉVY, P. A inteligência coletiva: por uma antropologia do ciberespaço. 5. ed. São Paulo: Loyola, 2007.

MORAES, M. C. Pensamento eco-sistêmico: educação, aprendizagem e cidadania no século XX. Petrópolis: Vozes, 2004.

MORAN, J. M. Novas tecnologias e o re-encantamento do mundo. Revista Tecnologia educacional, v. 23, n. 126, set./out., 1995.

MORAN, J. M.; MASETTO, M. T.; BEHRENS, M. A. Novas tecnologias e mediação pedagógica. 12. ed. Campinas: Papirus, 2006.

MORIN, E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo: Cortez, 2000.

MORIN, E. A cabeça bem feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. 16. ed. Rio de Janeiro: Bertrand, 2009.

MORIN, E. A religação dos saberes: o desafio do século XXI. Tradução e notas Flávia Nascimento. Rio de Janeiro: Bertrand, 2001.

ZABALA, A. Enfoque globalizador e pensamento complexo: uma proposta para o currículo escolar. Porto Alegre: Artmed, 2002.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rde.v13i38.7829

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat