EDUCAÇÃO POPULAR SUPERIOR: RECRIAÇÃO DA MARCA DA EXCLUSÃO NO CAMPO EDUCACIONAL?

Maria Emilia Bertino Algebaile

Resumo


Neste trabalho, discutem-se algumas implicações contidas na expressão “educação popular superior”, a partir da investigação sobre a expansão do ensino superior, no Brasil, ao mesmo tempo em que se procede ao resgate do conceito de educação popular. Concebendo a privatização do ensino superior no Brasil como uma política de Estado, a “desobrigação” estatal para com este nível de ensino passa a se concretizar em duas perspectivas: 1) transformando a educação pública em educação pública não-estatal e 2) estimulando o empresariamento do ensino. Falar em “educação popular superior” enseja a idéia de uma expansão da dualidade da educação brasileira para outros níveis de ensino, numa recriação da marca da exclusão dentro do campo educacional. O que seria uma possibilidade de inserção transformase num interdito, pois a própria estrutura dos cursos é montada de uma forma que, em última análise, impede a inserção não subalternizada desses novos “universitários” no mercado de trabalho. Diante disso, a expressão “educação popular superior” parece-nos surgir na contra-mão da perspectiva crítica de educação popular. A exclusão das camadas pobres continua a ser uma marca no campo educacional. 

Texto completo:

PDF

Referências


ALGEBAILE, Maria Emilia B, NASCIMENTO, Alexandre do, SILVA, Andréia Ferreira da. Estado, mercado e trabalho: neoliberalismo e políticas sociais. In: NEVES, Lúcia(Org.). O empresariamento da educação: novos contornos do ensino superior no Brasil dos anos 1990.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. Soletrar a letra P: povo, popular, partido e política. In: FÀVERO, Osmar e SEMERARO, Giovanni (Orgs.). Democracia e construção do público no pensamento educacional brasileiro. Petrópolis: Vozes. 2002. p. 105-145.

BRASIL. MARE. Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado. Brasília, 1995.

BOITO Jr., Armando. Política neoliberal e sindicalismo no Brasil. São Paulo, SP: Xamã, 1999.

CATANI, Afrânio Mendes, OLIVEIRA, João Ferreira de, DOURADO, Luiz Fernandes. Política educacional, mudanças no mundo do trabalho e reforma curricular dos cursos de graduação no Brasil. Educação & Sociedade: revista quadrimestral de Ciência da Educação (CEDES), Campinas, n. 75, p. 67-83, 2001.

COGGIOLA, Osvaldo; HELENE, Otaviano. Seqüência ou inconseqüência? Folha de São Paulo, São Paulo, SP.13 jul. 2002.

DELUIZ, Neise. O modelo das competências profissionais no mundo do trabalho e na educação: implicações para o currículo. Boletim Técnico do SENAC, Rio de Janeiro, v. 27, n. 3, p. 17-25.set./dez. 2001.

GADOTTI, Moacyr. FME – Educação ambiental: dentro ou fora da escola? Entrevista com Moacyr Gadotti. Disponível em: http://www.rebea.org.br/ entrevista moacyr.htm. Acesso em 10 mar. 2003.

JORNAL Extra Classe. Entrevista com Carlos Rodrigues Brandão. Em busca da escola cidadã. Outubro de 2002. Disponível em: http://www.sinpro-rs.org.br/ extra/out02/educacao.asp Acesso em 10 mar. 2003.

LIMA, Kátia Regina de Souza. Organismos internacionais: o capital em busca de novos campos de exploração. In: NEVES, Lúcia (Org.). O empresariamento da educação: novos contornos do ensino superior no Brasil dos anos 1990. São Paulo, SP: Xamã, 2002.

NEVES, Lúcia (Org.). O empresariamento da educação: novos contornos do ensino superior no Brasil dos anos 1990. São Paulo: Xamã, 2002.

SILVA, Tomás Tadeu da. Teoria cultural e educação: um vocabulário crítico. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rde.v4i11.6878

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat