Interação universidade e escola: uma colaboração entre ações e discursos

Gionara Tauchen, Catia Piccolo Viero Devechi, Amarildo Luiz Trevisan

Resumo


Considerando que a interação entre a universidade e a Escola Básica é fundamental tanto à organização quanto à qualificação do sistema educacional, realizamos uma pesquisaqualitativa com 20 escolas municipais urbanas do município de Rio Grande (RS), com o objetivo de investigar e compreender a efetividade das atividades universitárias (ensino, pesquisa e extensão), no que se refere à promoção e ao fortalecimento das interações entre as instituições. Destacam-se as atividades vinculadas ao Pibid, ao Observatório da Educação, à extensão, aos estágios supervisionados e à pesquisa na graduação e na pós-graduação. A partir das compreensões sobre essas atividades, buscamos discutir, balizadas nos propósitos habermasianos, as possibilidades de continuidade entre saberes pragmáticos e saberes epistemológicos, no sentido de um melhor desempenho da aprendizagem diante das reivindicações de melhoria da interação entre escola e universidade. 

Texto completo:

PT EN

Referências


BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições, 1977.

CLÍMACO, J. C. T. S.; NEVES, C. M. C.; LIMA, B. F. Z. Ações da Capes para a formação e a valorização dos professores da educação básica do Brasil e sua interação com a pós-graduação. RBPG, v. 9, n. 16, p. 181 - 209, abril de 2012.

BRASIL. Decreto n. 5.803, de 8 de junho de 2006. Dispõe sobre o Observatório da Educação, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 9 jun. 2006. p. 5.

BRASIL. Decreto n. 7.219, de 24 de junho de 2010. Dispõe sobre o Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência — PIBID e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 25 jun. 2010. p. 5.

BOTOMÉ, S. P. Pesquisa alienada e ensino alienante: o equívoco da extensão universitária. Petrópolis: Vozes, 1996.

FRANCO, M. L. P. B. Análise de conteúdo. 3. ed. Brasília: Líber Livro, 2008.

GARCÍA, R. O conhecimento em construção: das formulações de Jean Piaget à teoria dos sistemas complexos. Porto Alegre: Artmed, 2002.

GIANCATERINO, R. Supervisão escolar e gestão democrática: um elo para o sucesso escolar. Rio de Janeiro: Wak, 2010.

HABERMAS, J. Verdade e justificação: ensaios filosóficos. São Paulo: Loyola, 2004a.

HABERMAS, J. A ética da discussão e a questão da verdade. São Paulo: Martins Fontes, 2004b.

LÜDKE, M.; RODRIGUES, P. A. M.; PORTELA, V. C. M. O mestrado como via de formação de professores da educação básica para a pesquisa. Revista Brasileira de Pós-Graduação, v. 9, n. 16, p. 59 - 83, abr. 2012.

MINAYO, M. C. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 2001.

MORIN, E. Ciência com consciência. 11. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008.

OLIVEIRA, M. A. M. et al. (Org.). Gestão educacional: novos olhares, novas abordagens. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 2005.

TAUCHEN, G. (Org.). Gestão Educacional. Rio Grande: Editora da FURG, 2011. v. 3.

TREVISAN, A. L. Filosofia da Educação e formação de professores no velho dilema entre teoria e prática. Educar em Revista, n. 42, p. 195-212, out./dez. 2011.

Disponível em: . Acesso em: 18 ago. 2012.

VASCONCELLOS, C. S. Coordenação do trabalho pedagógico: do projeto político pedagógico ao cotidiano da sala de aula. 11. ed. São Paulo: Libertad Editora, 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/dialogo.educ.14.042.DS03

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat