Licenciaturas e anos iniciais da Educação Básica: uma interlocução necessária na formação de professores

Simone Regina Manosso Cartaxo, Pura Lúcia Oliver Martins

Resumo


O artigo tem como objetivo analisar a interlocução dos cursos de licenciatura com os anos iniciais da Educação Básica na formação inicial de professores, a partir de uma pesquisa documental em cursos de licenciatura e entrevistas com professores formadores. A pesquisa, de abordagem qualitativa e fundamentada na dialética materialista histórica, toma como eixo epistemológico a concepção de teoria como expressão da prática, conforme Bernardo (1992), Castoriadis (1985), Martins (1996), Santos (1992) e Thompson (2009). O texto traz a elaboração de princípios orientadores, que são a expressão da prática dos formadores na busca dessa interlocução necessária entre a licenciatura e os anos iniciais da Educação Básica. Tais princípios poderão servir de base para se pensar uma licenciatura alfabetizadora.

Texto completo:

PT EN

Referências


ARCE, A.; MARTINS, L. M. A Educação Infantil e o Ensino Fundamental de nove anos. In: ARCE, A.; MARTINS, L. M. (Org.). Quem tem medo de ensinar na Educação Infantil? Em defesa do ato de ensinar. Campinas: Alínea, 2007. p. 37-62.

BERNARDO, J. Depois do marxismo, o dilúvio. Educação & Sociedade, n. 43, p. 393-412, dez. 1992.

BRASIL. Lei n. 9.394/1996, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF, 23 dez. 1996. Disponível em: . Acesso em: 5 fev. 2013.

BRASIL. Lei n. 11.274/2006, de 6 de fevereiro de 2006. Altera a redação dos arts. 29, 30, 32 e 87 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, dispondo sobre a duração de 9 (nove) anos para o ensino fundamental, com matrícula obrigatória a partir dos 6 (seis) anos

de idade. Brasília, DF, 7 fev. 2006. Disponível em: . Acesso em: 6 fev. 2013.

BRUNO, L. Acerca do indivíduo, da prática e da consciência da prática. Educação & Sociedade, n. 33, p. 7-26, ago. 1989.

CALLAI, H. C. Aprendendo a ler o mundo: a Geografia nos anos iniciais do Ensino Fundamental. Cadernos Cedes, v. 25, n. 66, p. 227-247, maio/ago. 2005. Disponível em: . Acesso em: 12 jun. 2013.

CASTORIADIS, C. A experiência do movimento operário. São Paulo: Brasiliense, 1985.

CHASSOT, A. Alfabetização científica: uma possibilidade para a inclusão social. Revista Brasileira de Educação, n. 22, p. 89-100, jan./abr. 2003. Disponível em:

. Acesso em: 2 abr. 2013.

CHIZZOTTI, A. A pesquisa qualitativa em ciências humanas e sociais: evolução e desafios. Revista Portuguesa de Educação, v. 16, n. 2, p. 221-236, 2003. Disponível em: . Acesso em: 21 jul. 2012.

DANYLUK, O. Alfabetização matemática: as primeiras manifestações da escrita infantil. 2. ed. Porto Alegre: Sulina; Passo Fundo: Ediupf, 1998.

FREIRE, P. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. 46. ed. São Paulo: Cortez, 2005.

GERALDI, J. W. Alfabetização e letramento: perguntas de um alfabetizado que lê. 2010. Texto apresentado em sessão especial, Caxambu, 2010.

GOODSON, I. F. Dar voz ao professor: as histórias de vida dos professores e o seu desenvolvimento profissional. In: NÓVOA, A. (Org.). Vidas de professores. 2. ed. Porto: Porto, 2007. p. 63-78.

MARTINS, P. L. O. A didática e as contradições da prática. Campinas: Papirus, 1998. (Coleção Magistério: Formação e Trabalho Pedagógico).

MARTINS, P. L. O. A relação conteúdo-forma: expressão das contradições da prática pedagógica na escola capitalista. In: VEIGA, I. P. A. (Org.). Didática: o ensino e suas relações. Campinas: Papirus, 1996.

NEVES, V. F. A.; GOUVÊA, M. C. S. de; CASTANHEIRA, M. L. A passagem da Educação Infantil para o Ensino Fundamental: tensões contemporâneas. Educação e Pesquisa, v. 37, n. 1, p. 121-140, jan./abr. 2011. Disponível em:

php?pid=S1517-97022011000100008&script=sci_arttext>. Acesso em: 12 fev. 2013.

OLIVEIRA, J. F. de. A função social da educação e da escola pública: tensões, desafios e perspectivas. In: FERREIRA, E. B.; OLIVEIRA, D. A. Crise da escola e políticas educativas. Belo Horizonte: Auntêntica, 2009.

PRATI, L. E.; EIZIRIK, M. F. Da diversidade na passagem para a quinta série do Ensino Fundamental. Estudos de Psicologia, v. 23, n. 3, p. 289-298, jul./set. 2006. Disponível em:

. Acesso em: 12 fev. 2013.

SANTOS, L. L. C. P.; VIEIRA, L. M. F. “Agora seu filho entra mais cedo na escola”:a criança de seis anos no Ensino Fundamental de nove anos em Minas Gerais. Educação & Sociedade, v. 27, n. 96, p. 775-796, out. 2006. Disponível em:

. Acesso em: 12 fev. 2013.

SANTOS, O. J. Pedagogia dos conflitos sociais. Campinas: Papirus, 1992. (Coleção Magistério: Formação e trabalho pedagógico).

SASSERON, L. H.; CARVALHO, A. M. P. de. Alfabetização científica: uma revisão bibliográfica. Investigações em ensino de Ciências, v. 16, n. 1, p. 59-77, 2011. Disponível em:

a2011.pdf>. Acesso em: 2 abr. 2013.

SCHMIDT, M. A. Literacia histórica: um desafio para a educação no século XXI. História & Educação, v. 15, p. 9-22, ago. 2009.

THOMPSON, E. P. A miséria da teoria ou um planetário de erros. Trad. Waltensir Dutra. 2009. Sem copyright.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 2007.

WILLIAMS, R. Palavras-chave: um vocabulário de cultura e sociedade. São Paulo: Boitempo, 2007.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/dialogo.educ.14.042.DS02

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat