Formação em Pedagogia e universo de atuação docente nos anos iniciais

Benedita de Almeida, Clésio A. Antonio, Mafalda Nesi Francischett, Cecília Maria Ghedini, André Pereira Pedroso

Resumo


A formação docente para os anos iniciais do ensino fundamental, em curso de Pedagogia, é o foco deste texto, que se tece a partir da relação entre o perfil do profissional para a docência nessa etapa da educação básica e as condições de efetivação da formação do pedagogo. Os resultados decorrem de investigação com professores egressos de um curso de Pedagogia de universidade pública do Sudoeste do Paraná. Fundamentando-se na perspectiva histórico-cultural do desenvolvimento humano, considera a universidade como o espaço formativo da docência e toma como referência a relação entre formação de professores e o universo de atuação docente, para apresentar questões relevantes desse campo de formação, que solicitam encaminhamentos para a melhora da educação brasileira. 

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem. 9. ed. São Paulo: Hucitec, 2002.

BARRETO, E. S. de S. Os currículos do ensino fundamental para as escolas brasileiras. Campinas: Autores Associados; São Paulo: Fundação Carlos Chagas, 2000.

BRASIL. Lei n. 9.394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Legislativo, Brasília, DF, p. 27833, 23 dez. de 1996. Disponível em:

. Acesso em: 23 jul. 2010.

BRASIL. Ministério de Educação e do Desporto. Conselho Nacional de Educação/Conselho Pleno. Resolução CNE/CP n. 1, de 18 de fevereiro de 2002. Institui diretrizes curriculares nacionais para a formação de professores da educação básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Diário Oficial [da] República

Federativa do Brasil, Brasília, DF, Seção 1, p. 8, 18 fev. 2002. Disponível em:

. Acesso em: 15 jul. 2010.

BRASIL. Ministério de Educação e do Desporto. Conselho Nacional de Educação/Conselho Pleno. Parecer CNE/CP 5, de 13 de dezembro de 2005. Diretrizes curriculares nacionais para o curso de pedagogia. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, Seção 1, p. 11, 15 maio de 2006a. Disponível em: . Acesso em: 17 jul. 2010.

BRASIL. Ministério de Educação e do Desporto. Conselho Nacional de Educação /Conselho Pleno. Resolução CNE/CP 1, de 15 maio de 2006. Institui diretrizes curriculares nacionais para o curso de graduação em pedagogia, licenciatura. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Legislativo, Brasília, p. 11, 15 maio 2006b. Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2010.

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Diretoria de Estatísticas Educacionais. Estudo exploratório sobre o professor brasileiro com base nos resultados do Censo Escolar da Educação Básica 2007. Brasília: INEP, 2009.

BRZEZINSKI, I. Políticas contemporâneas de formação de professores para os anos iniciais do ensino fundamental. Educação & Sociedade, v. 29, n. 105, p. 1139-1166, set./dez. 2008.

CAMPOS, M. C. S. de S. Formação do corpo docente e valores na sociedade brasileira: a feminização da profissão. In: CAMPOS, M. C. S. de S.; SILVA, V. L. G. da (Org.). Feminização do magistério: vestígios do passado que marcam o presente. Bragança Paulista: EDUSF, 2002. p. 13-37.

FORQUIN, J. Escola e cultura: as bases sociais e epistemológicas do conhecimento escolar. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.

FREITAG, B.; MOTTA, V. R.; COSTA, W. F. da. O livro didático em questão. 3. ed. São Paulo: Cortez, 1997.

GARRIDO, E. Pesquisa universidade-escola e desenvolvimento profissional do professor. 2000. 111 f. Tese (Livre-docência em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2000.

LIBÂNEO, J. C. Pontos críticos dos atuais cursos de Pedagogia. Presença Pedagógica, v. 11, n. 65, p. 52-63, set./out. 2005.

MARCELO, C. A identidade docente: constantes e desafios. Formação Docente, v. 1, p. 109-131, 2009.

MIZUKAMI, M. da G. N. et al. Escola e aprendizagem da docência: processos de investigação e formação. São Carlos: EdUFSCar, 2002.

NÓVOA, A. Os professores e sua história de vida. In: NÓVOA, A. Vida de professores. Porto: Porto Edições, 1991. p. 9-30.

PARANÁ. Governo do Estado. Decreto n. 995 de, 23 de junho de 1999. Instituído o Câmpus de Francisco Beltrão da Universidade Estadual do Oeste do Paraná – UNIOESTE, através da incorporação da Faculdade de Ciências Humanas de Francisco Beltrão – FACIBEL. Diário Oficial, Curitiba, n. 5523 de 24 jun. 1999. Disponível em:

cc7c83257501006766d4/1670cc5ced004c5a03256e9800727906?OpenDocument>. Acesso em: 20 mar. 2011.

PIMENTA, S. G. Formação de professores: saberes da docência e a identidade do professor. Revista da Faculdade de Educação, v. 22, n. 2, p. 72-89, jul./dez. 1996.

PIMENTA, S. G.; LIMA, M. S. L. Estágio e docência. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2004.

PISTRAK, M. Fundamentos da escola do trabalho. São Paulo: Expressão Popular, 2003.

ROMANOWSKI, J. P.; MARTINS, P. L. O. Formação continuada: contribuições para o desenvolvimento profissional dos professores. Revista Diálogo Educacional, v. 10, n. 30, p. 285-300, maio/ago. 2010.

SILVA, V. L. G. da. Profissão: professora. In: CAMPOS, M. C. S. de S.; SILVA, V. L. G. da (Org.). Feminização do magistério: vestígios do passado que marcam o presente. Bragança Paulista: EDUSF, 2002. p. 95-122.

SHULMAN, L. S. The wisdom of practice: essays on teaching and learning to teach. San Francisco: Jossey-Bass, 2004.

UEKANE, M. N. “Mulheres em sala de aula”: um estudo acerca da feminização do magistério primário na corte (1879-1885). In: REUNIÃO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM EDUCAÇÃO – ANPEd, 30., 2007, Caxambu. Anais... Caxambu: ANPEd, 2007. 1 CD-ROM.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ – UNIOESTE. Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão. Resolução n. 239/99. Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Pedagogia, Câmpus de Francisco Beltrão. Cascavel: UNIOESTE, 1999.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ – UNIOESTE. Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão. Resolução n. 155/2003. Aprova Projeto Político Pedagógico do Curso de Pedagogia, do Centro de Ciências Humanas – Câmpus de Francisco Beltrão. Cascavel: UNIOESTE, 2003.

VIANNA, C. Contribuições do conceito de gênero para a análise da feminização do magistério no Brasil. In: CAMPOS, M. C. S. de S.; SILVA, V. L. G. da (Org.). Feminização do magistério: vestígios do passado que marcam o presente. Bragança Paulista: EDUSF, 2002. p. 39-67.

VYGOTSKY, L. A formação social da mente. 6. ed. São Paulo: M. Fontes, 1998.

WEBER, S. Profissionalização docente e políticas públicas no Brasil. Educação & Sociedade, v. 24, n. 85, p. 1125-1154, 2003.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/dialogo.educ.7212

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat