Os licenciandos e a prática docente: consensos e tensões

Odisséa Boaventura de Oliveira, Valdir Heitor Barzotto, Silvia Luzia Frateschi Trivelato

Resumo


Trata-se de um estudo sobre a produtividade das tensões entre imagens a respeito do ensino e a captação da prática de sala de aula presentes em textos de estagiários de Licenciatura em Biologia. O material analisado, com a contribuição dos estudos do discurso, em especial Pêcheux, Bakhtin e Ducrot, é composto de textos escritos na disciplina Prática de Ensino de Biologia. Foi possível depreender que a incorporação de elementos do discurso recebido na Universidade estabeleceram embates com outros advindos de concepções mais antigas defendidas pelos alunos e manifestas no momento de analisar as situações coletadas em sala de aula por meio da observação. 

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec, 1985.

BEJARANO, N. R. R.; CARVALHO, A. M. P. Tornando-se professor de ciências: crenças e conflitos. Ciência & Educação, v. 9, n. 1, p. 1-15, 2003.

DUCROT, O. O dizer e o dito. Campinas: Pontes, 1987.

ILARI, R.; GERALDI, J. W. Semântica. São Paulo: Ática, 1987.

OLIVEIRA, O. B. de. Discurso dos licenciandos em ciências biológicas:

um caminho para a reflexão sobre a formação de professor-autor. 2006. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

PÊCHEUX, M. Análise automática do discurso. In: GADET, F.; HAJ, T. (Org.). Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. 3. ed. Campinas: Ed. da Unicamp, 1997. p. 13-38.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rde.v11i33.4426

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat