A formação continuada de professores no espaço escolar: impactos na prática docente

Mari Margarete dos Santos Forster, Carina Maria Veit, Andréia Veridiana Antich, Marelise de Fátima Griebeler Reis

Resumo


Este trabalho apresenta uma reflexão sobre a formação continuada dos professores, seus impactos e limites na prática docente, examinada a partir da vivência de diferentes situações formativas, no cotidiano de uma escola pública. A partir da análise de conteúdo dos dados oriundos de um recorte de entrevistas semi-estruturadas realizadas com os professores parceiros deste estudo, algumas dimensões se destacaram; entre elas: o desejo da mudança; um forte traço de trabalho coletivo e colaborativo; objetivos comuns; qualidade da equipe diretiva; diálogo constante; ambiência de trabalho acolhedora; isto tudo, segundo as professoras, repercute em seu trabalho diário onde atividades interdisciplinares são estimuladas e desenvolvidas, as relações com alunos e colegas são fraternas, críticas e reflexivas, o trabalho desenvolvido tem sido mais inovador, rompendo com lógicas lineares. A autonomia e a autoria, estimulada aos professores, entusiasma-os não só a socializarem seus trabalhos interna, mas externamente e auxilia-os a compreenderem essas duas dimensões como fundantes para a prática pedagógica. O estudo tem mostrado o quanto o professor se forma na escola e, ao mesmo tempo, o quanto o professor forma a escola. As repercussões no currículo escolar são visíveis quando isto ocorre e favorecem um ensino da melhor qualidade. Mudanças ocorridas não podem ser interpretadas como somente uma conseqüência mecânica de uma ação instrumental da Formação Continuada, pois resultam de uma conjugação de fatores favoráveis, os quais necessitam ser considerados pelos formadores, pelas escolas, pelos responsáveis pelos sistemas de ensino e pelas políticas públicas. 

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Lei n. 9.394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Legislativo, Brasília, DF, 23 dez. 1996. p. 27833. Disponível em:

. Acesso em: 23 jul. 2009.

CAUTERMAN, M-M. et al. É útil a formação contínua de professores? Porto: Rés Editora, 1999.

CUNHA, M. I. da C. O professor universitário na transição de paradigmas. Araraquara: JM Editora, 1998.

FUSARI, J. C. Avaliação de modalidades convencionais e alternativas de educação contínua de educadores: preocupações a serem consideradas. In: BICUDO, M. A. V.; SILVA Jr., C. A. da (Org.). Formação do educador e avaliação educacional: formação inicial e contínua. São Paulo: UNESP, 1999. p. 221-224. (Seminários e debates).

FREIRE, P.; SHOR, I. Medo e ousadia, o cotidiano do professor. 11. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2006.

GAUTHIER, C. Por uma teoria da pedagogia: pesquisas contemporâneas sobre o saber docente. Ijuí: Ed. UNIJUÍ, 1998.

NÓVOA, A. Os professores e a sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1992.

PENIN, S. T. de S. Profissionalidade: o embate entre o concebido e o vivido. In: EGGERT, E. (Org.). Trajetórias e processos de ensinar e aprender: didática e formação de professores: livro 1. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2008. p. 646-662.

PEREZ GOMES, A. I. A cultura escolar na sociedade neoliberal. Porto Alegre: Artmed, 2001.

RIOS, T. A. Compreender e ensinar: por uma docência da melhor qualidade. São Paulo: Cortez, 2005.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes, 2002.

TARDIF, M.; LESSARD, C. O trabalho docente. Petrópolis: Vozes, 2005.

TORRIGLIA, P. L. A democracia neopragmática de Rorty: algumas reflexões não-pragmáticas em relação à formação de educadores. In: SEMINÁRIO DE PESQUISA E EDUCAÇÃO DA REGIÃO SUL, 3., 2000, Porto Alegre. Anais... Porto Alegre: SPERS, 2000.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rde.v11i33.4417

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat