Quando for grande vou ser professor: a identidade docente representada por futuros professores

Luís Pardal, António Neto-Mendes, António Martins, Manuela Gonçalves, Ana Pedro

Resumo


A afirmação e a discussão das identidades atravessa hoje todas as culturas e todas as sociedades e, no interior destas, os mais diversos grupos, entre os quais os de natureza profissional, à semelhança dos professores, cada um com a sua especificidade e elementos de ligação, mas todos com alguns pontos em comum. Nesse contexto, apresenta-se um estudo que tem como objetivo central a explicitação e a problematização da identidadedocente e do interesse e das condições do seu exercício. Tal estudo é feito, quer num plano teórico, revisitando alguma bibliografia de referência, designadamente a relacionada com a construção e o papel da(s) identidade(s); quer num plano empírico, decorrente da análise de representações sociais de 96 jovens estudantes de licenciaturas em ensino de uma universidade portuguesa. O recurso às representações sociais como instrumentopara a compreensão da identidade docente perspectivada por futuros professores afigura-se pertinente, seja pelo papel daquelas na interpretação da atividade profissional do professor e na configuração do trabalho deste, seja pelo seu papel de orientação da própria ação docente e de justificação dela. Acrescente-se ainda que o quadro teórico que serve de suporte ao estudo permite perceber em que medida as representações sociais dos inquiridos sobre os processos de ensino-aprendizagem em que intervirão, já como professores, incorporam as suas próprias experiências. 

Texto completo:

PDF

Referências


ABRIC, J.-C. Les représentations sociales: une notion en construction, des méthodologies spécifiques, un champ d’application considérable: celui des pratiques sociales. Les Cahiers Internationaux de Psychologie Sociale, Bruxelles, n. 28, p. 14-15, 1996.

ABRIC, J.-C. A abordagem estrutural das representações sociais. In: MOREIRA, A. S.; OLIVEIRA, D. C. (Org.). Estudos interdisciplinares de representação social. Brasil: AB-Editora, 2000. p. 27-38.

ABRIC, J.-C. Prefácio. In: SÁ, C. Núcleo central das representações sociais. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2002.

ABRIC, J.-C. Les representations sociales: aspects théoriques. In: ABRIC, J.-C. (Dir.). Pratiques sociales et representations. 3e éd. Paris: PUF, 2008. p. 11-36.

BAUMAN, Z. Identidade. Rio de Janeiro: Zahar, 2004.

BORGES, M. P. A. Professores: imagens e auto-imagens. 2007. 239 f. Tese (Doutorado em Policopiada) – Universidade de Lisboa, Lisboa, 2007.

CASTELLS, M. O poder da identidade. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2003.

DIAS, C. Representações sociais do ensino tecnológico: o currículo na escola secundária. 1998. 118 f. Dissertação (Mestrado em Policopiada) – Universidade de Aveiro, Aveiro, 1998.

DOISE, W. A articulação psicossociológica e as relações entre grupos.

Lisboa: Moraes Editores, 1984.

DUBAR, C. Les identités professionnelles. In: KERGOAT, J. et al. Le monde dutravail. Paris: Découverte, 1998. p. 66-74.

FLAMENT, C. Structure, dynamique et transformation des représentations sociales. In: ABRIC, J.-C. Pratiques sociales et représentations. Paris: PUF, 1994. p. 37-58.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 1992.

JODELET, D. Représentations sociales: un domaine en expansion. In: JODELET, D. (Dir.). Les representations sociales. 7e éd. Paris: PUF, 2003. p. 47-78.

JODELET, D. Représentation sociale: phénoménes, concept et théorie. In: MOSCOVICI, S. Psychologie sociale. Paris: PUF, 2005. p. 363-384.

LAWN, M. Os professores e a fabricação de identidades. In: NÓVOA, A.; SCHRIEVER, J. (Org.). A difusão mundial da escola. Lisboa: Educa, 2000. p. 69-84.

MAROY, C. Les évolutions du travail enseignant en France et en Europe: facteurs de changement, incidences et résistances dans l’enseignement secondaire. Revue Française de Pédagogie, n. 155, p. 111-142, 2006.

MENDES, J. M. O. O desafio das identidades. In: SANTOS, B. S. (Org.). Globalização: fatalidade ou utopia? 2. ed. Porto: Afrontamento, 2002. p. 103-114.

MOSCOVICI, S. La psychanalyse, son image et son public. 2e éd. Paris: PUF, 1976.

NETO-MENDES, A. O trabalho dos professores e a organização da escola secundária. 1999. 343 f. Tese (Doutorado de Policopiada) – Universidade de Aveiro, Aveiro, 1999.

NOVOA, A. Le temps des professeurs. Lisboa: INIC, 1987.

PARDAL, L. Formação de professores do ensino secundário (1901-1988). Aveiro: Universidade de Aveiro, 1992.

SANTIAGO, R. A escola representada pelos alunos, pais e professores.

Aveiro: Universidade de Aveiro, 1996.

VALA, J. Representações sociais: para uma psicologia social do pensamento social. In: VALA, J.; MONTEIRO, M. B. (Coord.). Psicologia social. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1993. p. 353-384.

WAGNER, W. Sócio-génese e características das representações sociais. In: MOREIRA, A. S.; OLIVEIRA, D. (Org.). Estudos interdisciplinares de representação social. Brasil: Editora Arte e Qualidade, 2000. p. 3-26.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rde.v11i33.4399

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat