INTERROGANTES DO ATO DE CONHECER: UMA PERSPECTIVA INTERDISCIPLINAR

Cleoni Maria Barboza Fernandes

Resumo


A discussão sobre interdisciplinaridade está colocada em sua complexidade pelas perguntas que são produzidas no trabalho com o conhecimento e com as pessoas no cotidiano da vida acadêmica. Assumo, então, o desafio de perguntar e perguntarme sobre o lugar dessas questões que envolvem o conhecimento e o agir humano, que vêm trazendo a discussão da interdisciplinaridade. Tal tema é instigante, polissêmico e polêmico, já que é impossível a construção de uma única, absoluta e geral teoria da interdisciplinaridade, mas é necessária a busca ou o desvelamento do percurso teórico pessoal de cada pesquisador que se aventurou a tratar as questões desse tema. Assento-me nessa constatação para tratar a interdisciplinaridade, não como panacéia para os males que atingem a dissociação do saber, mas sim como uma visão de mundo em movimento. Desvelo, aqui, um recorte de meu próprio percurso teórico-prático na aventura de, usando os princípios de professor pesquisador, pesquisar minha própria prática de professora pesquisadora, na perspectiva do compromisso da educação como ato político e social, do ato de conhecer como ato relacional dos seres humanos com o mundo, ato histórico na produção concreta da realidade, nos limites de minha prática. A sustentação teórica básica está em Ivani Fazenda e Paulo Freire.

Texto completo:

PDF

Referências


BOMBASSARO, Luis Carlos. As fronteiras da epistemologia. Petrópolis: Vozes, 1992. cBoOmH Mci,e Dnativsitda.s C er isaátibviidoasde: assinatura da natureza. In: WEBER, R. Diálogos : a busca da unidade. São Paulo: Cultrix, 1986.

BOHR, Niels. Física atômica e conhecimento humano. Rio de Janeiro:

Contraponto, 2000. dCeU NpHodAe, rM naari au Insiavbeerl sdida;a LdEeITE, Denise. Decisões pedagógicas e estruturas. Campinas: Papirus, 1996.

FAZENDA, Ivani. Integração e interdisciplinaridade no ensino brasileiro: efetividade ou ideologia. São Paulo: Loyola, 1979.

______. Interdisciplinaridade: história, teoria e pesquisa. 11. ed. Campinas: Papirus, 2003.

FERNANDES, Cleoni. Reconstruindo a travessia de pesquisa: as práticas pedagógicas em movimento. 26ª ANPED, 2003. CDROM.

______. Uma leitura interdisciplinar no ato de conhecer – possibilidades de diálogo epistemológico e humano. In: ROMANOWSKI, Joana Paulin. (Org.). Conhecimento local e conhecimento universal: diversidade, mídias e tecnologias na Educação. Curitiba: Champagnat, 2004. v. 2.

FREIRE, Paulo. Extensão ou comunicação. 10 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

______. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

______. FAUNDEZ, Antonio. Por uma pedagogia da pergunta. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

______. SHOR, Ira. Medo e ousadia: o cotidiano do professor. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

KOSIK, Karel. Dialética do concreto. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976.

KUHN, Thomas. A estrutura das revoluções científicas. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 1987.

PRIGOGINE, Ilya. O fim das certezas: tempo, caos e as leis da natureza. São Paulo: Universidade de São Paulo, 1996.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Um discurso sobre as ciências. Porto: Afrontamento, 1987.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo: razão e emoção. São Paulo: HUCITEC, 1996.

SCHENBERG, Mário. A Física é uma arte. Revista Ciência Hoje, n. 13, v. 3, p. 104-109, jul./ago., 1984.

SOARES, Magda. Metamemória-memória: travessia de uma educadora. São Paulo: Cortez, 1991.

VÁSQUEZ, A. S. Filosofia da práxis. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1968.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rde.v7i22.4171

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat