A TEORIA DA COMPLEXIDADADE E AS ORGANIZAÇÕES

Osmar Ponchirolli

Resumo


O objetivo desse artigo é contribuir para a discussão sobre a importância da teoria da complexidade no estudo das organizações. O argumento baseia-se na idéia de que ambientes competitivos são aqueles que incentivam a criação de relações não-lineares no processo de gestão que favorece a diversidade, permitindo a geração de maior número de soluções criativas. Procura-se aplicar desenvolvimentos recentes da teoria da complexidade em organizações.

Texto completo:

PDF

Referências


KEGAN, R. L.; LAHEY, L. How the way we talk can change the way we work: Seven Languages for Transformation. Chicago: Jossey-Bass, 2000.

KUHN, Thomas. Estrutura das revoluções científicas. Chicago: University Chicago, 1970.

MORIN, E. La méthode 2: La vie de la vié. Paris: Suil, 1980.

PRIGOGINE, Lya. O fim das certezas: tempo, caos e as leis da natureza. São Paulo: Universidade Estadual Paulista, 1996.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Um discurso sobre as ciências. Porto: Afrontamento, 1991.

STACEY, Ralph. A gestão do caos. São Paulo: Dom Quixote, 1994.

______. Complexity and creativity in organizations. San Francisco: Berrett-Koehler, 1996.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rde.v7i22.4165

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat