COMPLEXIDADE E MEDIAÇÃO SOCIOEDUCATIVA NAS ASSEMBLÉIAS DE TURMA

Ana Paula Caetano

Resumo


Neste artigo, situar-nos-emos numa perspectiva de mediação socioeducativa, enquadrada numa perspectiva de educação para a cidadania e de desenvolvimento de escolas mais justas e democráticas. Nesse sentido, considera-se que a mediação não se circunscreve a dispositivos de mediação formal, mas estende-se a dispositivos e processos de desenvolvimento curricular, entrando por dentro das salas de aula, e a processos de gestão e administração das escolas. Daí que se acentue a importância de desenvolver conceptualizações que ajudem a compreender os fenômenos de mediação social que operam dentro das escolas, que possam ser transferidas para outras situações similares. É nesse sentido que o estudo das assembléias de classe, entendidas como dispositivos que têm a mediação como uma das suas principais funções, poderá abrir novas pistas de leitura e de reflexão. Aqui, é particularmente relevante destacar os fenômenos de mediação coletiva onde o grupo, como um todo, funciona como mediador de relações e de conflitos. A leitura destes fenômenos, segundo uma abordagem da complexidade, constitui o principal contributo deste artigo, permitindo o aprofundamento dos fenômenos de mediação, nas assembléias, segundo um ângulo pouco explorado. O artigo estrutura-se precisamente no sentido de conceptualizar, ainda que brevemente, a abordagem da complexidade nos seus princípios gerais, bem como a sua utilização numa visão complexa de mediação. Estes princípios e estas visões são considerados na análise comparativa de três casos de assembléias de turma.

Texto completo:

PDF

Referências


CAETANO, A. P. Dilemas dos professores. In: ESTRELA, Maria Teresa (Org.). Viver e construir a profissão docente. Porto: Porto, 1997.

______. Mediação em educação: da conceptualização e problematização de aClugurrnisc luulgaarreess comuns à modelização de casos específicos. Revista de Estudos , v.3, n. 1, p. 41-63, 2005.

CAETANO, A. P.; FREIRE, I. Mediation in education: A collaborative study between the university and practitioner-researchers in the field of education. European Conference on Educational Research online. 2004. Disponível em: . Acesso em: 17 jan. 2007.

CHU, D. Theories of complexity, Complexity, v. 8, n. 3, p.19-30. 2003.

FRIED SCHNITMAN, D. F.; LITTLEJOHN, S. Novos paradigmas em mediação.

Porto Alegre: Artmed, 1999. FasRsEeImREb, lIi.e; sC tAoE tThAeN wOh, oAle. Ps.c hMoeodliation devices in school - from the class . A multi-case study. European Conference on Educational Research online. 2005. DisponÍvel em: . Acesso em: 20 jan. 2007.

MORIN, E. O método III: o conhecimento do conhecimento. Mem Martins: Publicações Europa-América, 1996.

______. Introdução ao pensamento complexo. Lisboa: Instituto Piaget, 1995.

REYNOLDS, S. Patterns that connect: A recursive epistemology. In: DOLL, W. and col. (Ed.). Chaos, complexity, curriculum and culture. New York: Peter Lang Publishing, 2005.

SIX, J-F. Dynamique de la médiation. Paris: Desclée de Brouwer, 1995.

______.Les médiateurs. Paris: Le Cavalier Bleu, 2003.

SMITHERMAN, . Chaos and complexity theories. Wholes and holes in curriculum. In: DOLL, W. and col. (Ed.). Chaos, complexity, curriculum and culture. New York: Peter Lang Publishing, 2005.

VIANA CAETANO, A. P. Recherche-action et changement aux dispositifs de médiation de conflits – pour une modélisation de leur complexité. 2006. Journal des Chercheurs. Disponível em: . Acesso em: 17 jan. 2007.

WANG, H. Chinese aesthetics, fractals and the tao of curriculum. In: DOLL, W. and col. (Ed.).Chaos, complexity, curriculum and culture. New York: Peter Lang, 2005

WINSLADE. J; MONK, G. Narrative mediation: A new approach to conflict resolution. New York: Jossey-Bass, 2000.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rde.v7i22.4162

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat