COMPLEXIDADE, CURRÍCULO E ÉTICA: O PARTO DE UM NOVO MUNDO

Ricardo Tescarolo, Kelley Cristine Gonçalves Dias Gasque

Resumo


Este artigo analisa a crise do pensamento ocidental contemporâneo e a emergência de uma nova cosmologia fundada na complexidade. Ela representa a superação da visão que pretendeu descobrir princípios de simplicidade, estabilidade e objetividade em uma realidade essencialmente complexa e ambígua. A superação da concepção fragmentadora da realidade encontrase no centro dessa nova visão, conciliando reflexão com sensibilidade e razão com experiência. Da idéia de complexidade resulta uma ética que constitui o fundamento do reconhecimento de que a dimensão interior de cada mulher e homem o/a transforma em um acontecimento de importância cósmica. E dela resulta também a urgência de que todas as instâncias da sociedade – mas principalmente a escola, por sua própria raison d´être – assumam a sua responsabilidade social e planetária, estabelecendo um novo contrato de solidariedade em favor da Terra, da Vida e da Humanidade.

Texto completo:

PDF

Referências


ARENDT, Hannah. A condição humana. Tradução de Roberto Raposo. Pósfacio de Celso Lafer. 10. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2001.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais. Temas transversais: ética. Brasília: MEC/SEF, 1998.

CASSIRER, Ernst. O mito do Estado [1946]. Tradução de Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: Zahar, 1976.

______. Ensaio sobre o homem: introdução a uma filosofia da cultura humana [1944]. Coleção Tópicos. Tradução de Tomás Rosa Bueno. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

CHARDIN, Teilhard de. O fenômeno humano. 6. ed. São Paulo: Cultrix, 1986.

COMPARATO, Fábio Konder. Ética: Direito, moral e religião no mundo moderno. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

DELORS, Jacques et al. Educação, um tesouro a descobrir. Relatório para a Unesco da Comissão Internacional sobre Educação para o Século XXI. São Paulo: Cortez, 1998.

DEMO, Pedro. Conhecimento moderno: sobre a ética e intervenção do conhecimento. Petrópolis: Vozes, 1998.

DOLL JUNIOR, William E.Currículo: uma perspectiva pós-moderna. Porto Alegre: Artmed, 2002.

FOUCAULT, Michel. A hermenêutica do sujeito. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

GADELHA, Regina Maria d’Aquino Fonseca. Impactos da Globalização nos Projetos das Elites Nacionais. In: Globalização, a vaca louca do capitalismo Avançado, Revista Cultura Vozes, Petrópolis: Vozes, v. 92, n. 1, 1998.

GASQUE, Kelley Cristine Gonçalves Dias; TESCAROLO, Ricardo. Sociedade da aprendizagem: informação, reflexão e ética. Ciência da Informação, Brasília, v.33, n. 3, p. 35-40, 2004. Disponível em: . Acesso em: 4 fev. 2006.

HORKHEIMER, Max. Eclipse da razão. 5. ed. São Paulo: Centauro, 2003.

HUXLEY, Aldous. Admirável mundo novo. São Paulo: Globo, 2001.

JONAS, Hans. O princípio vida. Fundamentos para uma biologia filosófica. Petrópolis: Vozes, 2004.

LEITE, Carlinda. Reorganização curricular do ensino básico: problemas, oportunidades e desafios - Encontros de Primavera, ASA, Porto, 19 e 20 de Abril de 2001. Disponível em: . Acesso em: 5 out. 2006.

LÉVY, Pierre; AUTHIER, Michel. As árvores do conhecimento. São Paulo: Escuta, 1995.

LIPOVETSKY, Gilles. O crepúsculo do dever: a ética indolor dos novos tempos. Tradução de Fátima Gaspar e Carlos Gaspar. Lisboa: Dom Quixote, 1994.

MACEDO, Lino de. Ensaios construtivistas. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1994.

MATURANA, H.; VARELA, F. A árvore do conhecimento. Campinas: Psy, 1995.

MORAES, Maria Cândida. Pensamento eco-sistêmico: Educação, aprendizagem e cidadania no século XXI. Petrópolis: Vozes, 2004.

MORIN, Edgar. Introdução ao pensamento complexo: Epistemologia e Sociedade. Lisboa: Instituto Piaget, 1995.

______. Os sete saberes necessários à educação do futuro. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2000.

______. A religação dos saberes: o desafio do século XXI. Jornadas temáticas idealizadas e dirigidas por Edgar Morin. Tradução e notas de Flávia Nascimento. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

NICOLESCU, B. Aspectos Gödelianos da natureza e do conhecimento. Disponível em: . Acesso

em: 1999. O’SULLIVAN, Edmund. Aprendizagem transformadora: Uma visão educacional para o século XXI. São Paulo: Instituto Paulo Freire, 2004.

REBOUL, Olivier. A filosofia da educação. Lisboa: Edições 70, 2000.

ROSNAY, Joël de. O homem simbiótico: Perspectivas para o terceiro milênio. Petrópolis: Vozes, 1997.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo; razão e emoção. 2. ed. São Paulo: Hacitec, 1997.

SCHNITMAN, Dora et al. Novos paradigmas, cultura e subjetividade. Tradução. Jussara Haubert Rodrigues. Porto Alegre: Artmed, 1996.

______. LITTLEJOHN, Stephen (Org.). Novos paradigmas em mediação. Tradução de Jussara Haubert Rodrigues e Marcos A. G. Rodrigues. Porto Alegre: Artmed, 1999.

TARNAS, Richard. A epopéia do pensamento ocidental: Para compreender as idéias que moldaram nossa visão de mundo. 7. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

VASCONCELLOS, Maria José Esteves. Pensamento sistêmico: o novo paradigma da ciência. Campinas: Papirus, 2003.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rde.v7i22.4153

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat