EDUCAÇÃO E COMPLEXIDADE: POSSIBILIDADE DE UMA RELAÇÃO MAIS ORGÂNICA

José Augusto Florentino, Cleoni Maria Barboza Fernandes

Resumo


O presente artigo é uma reflexão conjunta entre dois professores – doutorando e orientadora – com o intuito de discutir o paradigma da complexidade e suas possibilidades paraa educação de um ser humano melhor. Complexo e necessário exercício acadêmico e dehumana experiência dialógica. Para tanto, o objetivo é o de discutirmos abordagens de como trabalhar com o humano, o social e, sobretudo, com o pedagógico, na tentativa deresgatar a produção de senti do entre aprender e ensinar. Não obstante, estamos diante deuma sociedade caracterizada pelo pluralismo de ideias e pela complexidade das práticas sociais e dos saberes nela e com ela produzidos. Dessa forma, é de suma importância quenós professores nos apercebamos de que é preciso haver a mudança do olhar e do sentir. Em suma, para uma educação de presente-futuro ético e de humanas gentes é necessárioinvestir no desenvolvimento de ser humano em sua multidimensionalidade pessoal, culturale profissional, em que a humanidade de suas ações tenha a capacidade de promovera solidariedade, a prática social e cidadã.

Texto completo:

PDF

Referências


ARROYO, M. G. Ofício de mestre. Petrópolis: Vozes, 2000.

BENTO, J. O. Desporto para crianças e jovens: das causas e dos fi ns. In: GAYA, A.; MARQUES, A.; TANI, G. (Org.). Desporto para crianças e jovens: razões e finalidades. Porto Alegre: UFRGS, 2004. p. 21-56.

BERTRAND, Y. Teoria personalista. In: BERTRAND, Y. Teorias contemporâneas da educação. Lisboa: Instituto Piaget, 2001. p. 41-64.

CHAUÍ, M. Convite à filosofia. São Paulo: Ática, 1998.

COLOM, A. J. A (des)construção do conhecimento pedagógico: novas perspectivas para a educação. Porto Alegre: Artmed, 2004.

COSTA, W. M. M. Pedagogia e complexidade: uma articulação necessária. In: CARVALHO, E. de A.; MENDONÇA, T. (Org.). Ensaios de complexidade 2. Porto Alegre: Sulina, 2003. p. 266-275.

DESCARTES, R. Discurso do método. Lisboa: Guimarães, 1997.

FERNANDES, C. Sala de aula universitária – ruptura, memória educativa, territorialidade: o desafio da construção pedagógica do conhecimento. 1999.

Tese de Doutorado (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1999.

FERNANDES, C. Docência universitária e os desafios da formação pedagógica. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, São Paulo, n. 9, p. 177-182, 2001. Espaço aberto.

FERNANDES, C. Prática pedagógica. In: MOROSINI, M. C. et al. Enciclopédia de Pedagogia Universitária. Porto Alegre: FAPERGS/RIES, 2003. p. 229-239.

FERNANDES, C. À procura da senha da vida – de-senha a aula dialógica? In: VEIGA, I. Aula: gênese, dimensões, princípios e práticas. Campinas: Papirus, 2008. p. 145-165.

FLORENTINO, J. A. A. Linearidade, complexidade e sistemas. In: RODRIGUES, L. P. (Org.). Sociedade, conhecimento e interdisciplinaridade: abordagens contemporâneas. Passo Fundo: Ed. da UPF, 2007. p. 47-94.

FREIRE, P.; SHOR, I. Medo e ousadia: o cotidiano do professor. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

GADOTTI, M. Boniteza de um sonho: ensinar-e-aprender com sentido. Novo Hamburgo: Feevale, 2003.

GAYA, A. A reinvenção dos corpos: por uma pedagogia da complexidade. Sociologias, Porto Alegre, v. 8, n. 15, p. 250-272, jan./jun. 2006.

IMBERNÓN, F. Formação docente e profi ssional: formar-se para a mudança e a incerteza. São Paulo: Cortez, 2000.

LIMA, G. Sociologia na complexidade. Sociologias, Porto Alegre, v. 8, n. 15, p. 136-181, jan./jun. 2006.

MARCHESI, A. O que será de nós, os maus alunos? Porto Alegre: Artmed, 2006.

MARIOTTI, H. As paixões do ego: complexidade, política e solidariedade. São Paulo: Palas Athena, 2000.

MOREIRA, W.; PELLEGRINOTTI, I. L.; BORIN, J. P. Formação profissional em esporte: a complexidade e a performance humana. In: TANI, G.; BENTO, J. O.; PETERSEN, R. D. de S. (Org.). Pedagogia do desporto. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006. p. 185-192.

MORIN, E.; LE MOIGNE, J. L. A inteligência da complexidade. São Paulo: Peirópolis, 2000.

MORIN, E. A cabeça bem-feita. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

MOSQUERA, J. J. M. A educação no terceiro milênio. Revista Educação PUCRS, Especial, v. 26, p. 43-58, 2003.

NEWTON, I. Princípios matemáticos. In: NEWTON, I. Os pensadores. Rio de Janeiro: Abril Cultural, 1974. p. 7-28.

ROITMAN, R. A dimensão político-pedagógica da Educação Física. In: VARGAS, A. L. Desporto e tramas sociais. Rio de Janeiro: Sprint, 2001. p. 145-153.

SANTOS, A. Complexidade e transdisciplinaridade em educação: cinco princípios para resgatar o elo perdido. Revista Brasileira de Educação, v. 13, n. 37, p. 71-84, 2008.

SANTOS, M. A natureza do espaço: técnica e tempo – razão e emoção. São Paulo: Hucitec, 1996.

SCHÖN, D. Educando o profissional reflexivo. Porto Alegre: Artmed, 1998.

SOUSA SANTOS, B. Um discurso sobre as ciências. Porto: Edições Afrontamento, 1987.

TROCMÉ-FABRE, H. Reaprender a complexidade. In: CARVALHO, E. de A.; MENDONÇA, T. (Org.). Ensaios de complexidade 2. Porto Alegre: Sulina, 2003. p. 133-139.

VASCONCELLOS, M. J. E. Pensamento sistêmico: o novo paradigma da ciência. São Paulo: Papirus, 2005.

VIEIRA PINTO, A. Ciência e existência: problemas filosóficos da pesquisa científica. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1969.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rde.v11i32.4114

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat