CONFIGURAÇÕES CURRICULARES EM CURSOS DE LICENCIATURA E FORMAÇÃO IDENTITÁRIA DE PROFESSORES

Eduardo A. Terrazzan, Edna Falcão Dutra, Paula Gaida Winch, Andréia Aurélio da Silva

Resumo


O Projeto de Pesquisa DIPIED tem desenvolvido, como uma de suas atividades, o estudo das recentes reformulações realizadas em Cursos de Licenciatura, procurando contribuir para uma melhor compreensão da organização das atuais configurações curriculares desses cursos. Neste trabalho, tomamos por base os Cursos de Licenciatura em Ciências Biológicas, em Física e em Química da UFSM, para analisar possibilidades das suas configurações Curriculares favorecerem a formação identitária do professor. Como fontes de informação, utilizamos os Projetos Político- Pedagógicos desses cursos. Constatamos que, aparentemente, os Cursos de Licenciatura em Ciências Biológicas e em Física dão menor ênfase à formação pedagógica de seus licenciados do que a icenciatura em Química. Em muitos aspectos, esses cursos ainda mantêm semelhanças com a formação proposta em legislações anteriores sobre o assunto, o que indica não haver avanços significativos que garantam uma formação comprometida com as especificidades da ação docente.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL, Ministério da Educação, Conselho Federal de Educação: Parecer 292/62, de 14 de novembro de 1962 – Fixa a parte pedagógica dos currículos mínimos relativos aos cursos de licenciatura. Relator: Valnir Chagas. Brasília: Documenta n. 10, 10 dez. 1962 p. 95-100.

BRASIL, Ministério da Educação, Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CES 1.303, 06 de Novembro de 2001 – Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais pra os cursos de Bacharelado e de Licenciatura em Química. Relator: Francisco César de Sá Barreto, Carlos Alberto Serpa de Oliveira, Roberto Cláudio Frota Bezerra. Diário Oficial da União, Brasília, 7 Dez. 2001, Seção 1, p. 25, 2001a. Disponível em: .Acesso em: 03 mar. 2007.

______. Parecer CNE/CP 09, 08 de Maio de 2001 - Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Relatora: Raquel Figueiredo Alessandri Teixeira. Diário Oficial da União, Brasília, 18 Jan. 2002, Seção 1, p.31, 2001b. Disponível em: . Acesso em: 18 fev. 2007.

______. Parecer CNE/CP 21, 06 de Agosto de 2001 – Duração e carga horária dos cursos de Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Relator:Carlos Jamil Cury. Brasília. 2001c. Disponível em: . Acesso em: 18 fev. 2007.

______. Resolução CNE/CES 08, de 11 de Março de 2002 – Estabelece as Diretrizes Curriculares para os cursos de Bacharelado e de Licenciatura em Química. Diário Oficial da União, Brasília, 26 Mar. 2002, Seção 1, p.12, 2002a. Disponível em: . Acesso em: 03 mar. 2007.

______. Resolução CNE/CP 01, de 18 de Fevereiro de 2002 – Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Diário Oficial da União, Brasília, 09 Abr. 2002, Seção 1, p. 31, 2002b Disponível em: . Acesso em: 22 fev. 2007.

______. Resolução CNE/CP 02, de 19 de Fevereiro de 2002 – Institui a duração e a carga horária dos cursos de licenciatura, de graduação plena, de formação de professores da Educação Básica em nível superior. Diário Oficial da União, Brasília, 04 Mar. 2002, Seção 1. p. 9, 2002c. Disponível em: . Acesso em: 22 fev. 2007.

CHIZZOTTI, Antonio. Pesquisa em ciências humanas e sociais. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2000.

DUBAR, Claude. Formação, trabalho e identidade profissional In: CANÁRIO, Rui. Formação e situações de trabalho. Porto: Porto, 1997. p. 43-52.

DUTRA, Edna Falcão; TERRAZZAN, Eduardo A. O estágio curricular e a prática como componente curricular nas novas configurações curriculares de cursos de licenciatura em química’. In: SIMPÓSIO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR, 4., 15 a 17 ago. 2007, Santa Maria, RS, Brasil. ISAIA, Silvia Maria de Aguiar; BOLZAN, Doris Pires Vargas; OLIVEIRA, Valeska Fortes de (Org.). ‘Desenvolvimento profissional docente’. Anais... 10 p. (CD-ROM, arq), 2007.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1991.

KULCSAR, Rosa. ‘O estágio supervisionado como atividade integradora’. In: PICONEZ, Stela B. (Coord.). A prática de ensino e o estágio supervisionado. 9. ed. Campinas: Papirus, 2003. p. 38-48. Configurações curriculares em cursos de licenciatura

PEREIRA, Júlio Emílio Diniz. As licenciaturas e as novas políticas educacionais para a formação docente. Educação e Sociedade, Campinas, v. 20, n. 68, p. 109-125, 1999.

PÉREZ-GÓMES, Angel. O pensamento prático do professor: a formação do professor como profissional reflexivo. In: NÓVOA, Antonio. (Org.). Os professores e sua formação. Tradução de Graça Cunha, Cândida Hespanha, Conceição Afonso e José Antônio Tavares. Lisboa: Dom Quixote, 1992. p. 93-114.

PIMENTA, Selma Garrido. O estágio na formação de professores: unidade teoria e prática? 2. ed. São Paulo: Cortez, 1995.

PIMENTA, Selma Garrido; LIMA, Maria Socorro Lucena. Estágio e docência. São Paulo: Demócrito Rocha, 2004.

SCHÖN, Donald A. La formación de profisionales reflexivos. Traducción de Lourdes Montero e José Manuel Vez Jeremias. Madrid: Paidós, 1992.

SHULMAN, Lee S. Knowledge and Teaching: foundations of the new reform. Harvard Educational Review, Cambridge/EUA, Stanford University, v. 57, n. 1, p. 1-22, 1997.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rde.v8i23.3973

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat